Filme Danado de Bom será exibido no Sesc Petrolina na próxima terça-feira, dia 4

Vencedor do Cine PE 2016 em quatro categorias, o documentário Danado de bom chega a Petrolina nesta terça-feira, 4 de julho, às 19hs no Teatro do Sesc. O filme dirigido por Deby Brennand mostra a trajetória de João Silva, parceiro constante de Luiz Gonzaga e um dos principais compositores brasileiros.

O filme Danado de Bom foi o ganhador dos prêmios de Melhor Filme, Fotografia, Montagem e Edição de Som, o longa conta com a participação de músicos como Domiguinhos, Elba Ramalho, Gilberto Gil e Alcione em uma viagem com o compositor João Silva, em retorno à sua terra natal, Arcoverde, no Sertão pernambucano.


Nascido em Arcoverde,  menino solitário criado pelo pai depois que a mãe foi embora, João Silva descobriu cedo a paixão pelos ritmos nordestinos, como o baião, o xote e o forró. Ainda garoto, decidiu ir para o Rio de Janeiro, para conhecer o ídolo Luiz Gonzaga. Os dois, que a princípio se estranharam, acabaram tornando-se não só grandes amigos, mas parceiros em muitos sucessos, como “Doutor do Baião”, “Nem se despediu de mim” e “Pagode Russo”. 

Durante a jornada, João Silva relembra sua infância de menino andarilho e semianalfabeto até se tornar compositor de sucessos nacionais como Pagode russo, Nem se despediu de mim e Danado de bom, passando a ser um dos principais parceiros de Luiz Gonzaga. Falecido em 2013, Mestre João Silva recebeu o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco no ano do centenário do Rei do Baião, 2012.

Para Deby, a importância do filme está em se tratar de um artista que o Brasil “conhece sem conhecer”. “É um recorte importante para o cinema e para a música nacional valorizar um artista que compôs mais de mil músicas ao longo da vida, e que sabia como ninguém captar o sentimento do povo sertanejo transformando em letras belíssimas suas dores, suas alegrias, seu cotidiano”, conta.

“Muitas pessoas conhecem as músicas de forró dos grandes intérpretes, mas desconhecem de onde vem a letra. Os que conhecem a música “Pagode Russo”, por exemplo, acham que a música e a letra são do Luiz Gonzaga”, completa a diretora.

Danado de bom também será lançado em circuito não comercial em outras cidades, em parceria com cineclubes, universidades, escolas, centros culturais e outros espaços. O documentário está disponível para qualquer pessoa ou instituição que queira organizar uma exibição coletiva em seu espaço durante o período de lançamento, ou em outras datas, por meio da plataforma de distribuição alternativa Taturana Mobilização Social, bastando o exibidor proponente se cadastrar e agendar a sessão.

João Silva nasceu em 16 de agosto de 1935 em Arcoverde, Pernambuco, aos 17 anos mudou-se para o Rio de Janeiro. É considerado um dos principais parceiros de Luiz Gonzaga a partir dos anos 1960. Também trabalhou com João do Vale, Dominguinhos, Onildo Almeida, Rosil Cavalcante, Severino Ramos, Bastinho Calixto, Pedro Maranguape, Zé Mocó, Pedro Cruz, Sebastião Rodrigues e outros.

Entre seus principais sucessos estão A mulher do sanfoneiro, Danado de bom, Pagode russo, Nem se despediu de mim, Meu Araripe, Uma pra mim outra pra tu e Pra não morrer de tristeza, que já teve cerca de 40 gravações. Como produtor, produziu discos de Luiz Gonzaga, Trio Nordestino e Jackson do Pandeiro entre outros. Atuou também como arranjador. Foi homenageado no São João de Arcoverde e do Recife, recebendo ainda o título de cidadão recifense.


Jecana do Capim terá shows com Galego do Pajeú e o tradiciconal Troféu Cangalha de Ouro

Neste final de semana será realizado em Petrolina, no Sertão de Pernambuco, a 46ª edição da tradicional Jecana do Capim. A festa começa nesta sexta-feira (30) e é aberto ao público. Até domingo (2), o evento contará com uma programação de shows, corrida de jumentos, burros e o irreverente concurso “Jegue fashion”.

Nesta sexta-feira , a festa tem início às 19h, com uma celebração religiosa e a venda de comidas típicas. No sábado (01), a programação começa às 11h. Zé Maria apresentará o Programa do Povoado do Capim. À noite haverá shows com Pokémon e Chamego Manhoso e Galego do Pajeú.

Já no domingo (02), o evento se encerra com o desfile de fuscas , o ‘Jegue fashion’, para escolher o animal com os acessórios mais criativos, e a corrida de burros, que dará premiações de R$7 mil e o troféu ‘Cangalha de Ouro’ para o primeiro lugar. A programação tem início às 9h.

Para Maíra Amariz, filha de Carlos Augusto, idealizador da ‘Jecana do Capim’ e falecido em 2015, o evento valoriza um animal símbolo da cultura da região.” No começo , o apelo da Jecana era o da preservação do animal, o jumento, que na época sofria uma matança discriminada. Hoje, o que ficou foi essa parte cultural muito forte”, ressaltou.


Cego Aderaldo: o homem, o cantador e o mito. "Cultura contemporânea” e os modernos meios de comunicação de massa são injustos em não divulgá-lo

Já conhecia a fama e o mito de Cego Aderaldo (Aderaldo Ferreira de Araújo) desde a década de 1960, quando eu ainda estudava nos seminários e nas escolas públicas das cidades do Crato e Juazeiro, a partir de referências eruditas e populares. No seminário, a leitura de Homero me marcou de forma mais profunda, não apenas pelos seus versos, mas pela lenda contada de que ele era um cego e teria vivido uma poesia ainda imersa na oralidade e na tradição, grávida de mitos fundadores e explicadores da grande peleja dos homens com os deuses na construção do destino. Desde então, quando eu me lembrava do Cego Aderaldo, vinha-me sempre à mente a figura de Homero segurando uma rabeca ou uma viola, em vez de sua rústica lira.

Não custou a perceber, logo depois, que, nos meios culturais do Ceará, pouco se falava sobre o grande poeta-cantador, afora uns poucos e obstinados escritores. É como se o Ceará tivesse criado uma bolha de esquecimento da obra e da vida do grande artista, sendo ele assim quase completamente varrido da “cultura contemporânea”, não apenas pelos modernos meios de comunicação de massa e pela indústria cultural, mas também pelos círculos mais cultos.

Diante desse quadro, considerei urgente a missão de aprofundar a visão sobre a história e a obra do Cego Aderaldo – o homem que adotou e criou 26 crianças pobres, que cantou nos seringais da Amazônia, do Peru e da Bolívia (no início do séc. XX), que teve marcantes encontros com Lampião, que foi recebido por grande intelectuais e presidentes da República, que rodou todos os sertões nordestino encantando plateias com a beleza dos seus versos e com a magia do seu cinema.

Cego Aderaldo foi poeta, cantador, músico (que tirou o baião da viola e o orquestrou, antes de Luiz Gonzaga), projecionista de filmes, empresário, negociante, propagandista, cantador e apologista de cantadores sertanejos nos grandes centros urbanos. Deixou, além de uma obra poética preciosa, um testemunho comovente da superação das contingências existenciais e dos limites sociais impostos pela pobreza e pela deficiência física. Cego Aderaldo é um exemplo da superação e da grandeza humana, cuja obra influenciou músicos, escritores, cantadores, cineastas e dramaturgos de todo o país.

Durante dez anos, dediquei-me à pesquisa, até que concluí (em 2014) o livro Cego Aderaldo: O homem, o cantador e o mito, com mais de 800 páginas e mais de 1.000 ilustrações (entre fotos, desenhos e documentos), cujos originais estão à espera de publicação. Realizei ainda, sobre o Cego Aderaldo, um filme de longa-metragem, documentário, em coprodução com a TV Brasil. A nossa esperança é que, em 2017 – no aniversário dos 50 anos da sua morte, sejam finalmente lançados o filme e o livro, ajudando nos esforços para que um acervo precioso da alma popular se transforme em patrimônio cultural e afetivo da nação brasileira.

Fonte: Rosemberg Cariry-Cineasta e escritor


Livro O Rei do Baião e a Princesa do Cariri será lançado na Expocrato 2017

A Expocrato 2017, Exposição Agropecuária do Crato, Ceará, acontece de 09 a 16 de julho. Este ano o pesquisador e professor Rafael Lima lançará o livro “O Rei do Baião e a Princesa do cariri”, no dia 10, na entrada do Museu da Expocrato. Na oportunidade os visitantes participarão de um descontraído dialogo sobre os momentos mais marcantes vividos por Luiz Gonzaga na cidade do Crato.
 
Rafael Lima é um memorialista da obra do Rei do Baião, e há oito anos comanda o Museu da ExpoCrato, aonde  reúne os Gonzagueanos que se encontram na Expocrato para dialogar sobre a música nordestina.  Neste ano não vai ser diferente, o lançamento do livro “O Rei do Baião e a Princesa do cariri”, vai proporcionar aos visitantes um descontraído dialogo sobre os momentos mais marcantes vividos por Luiz Gonzaga na cidade do Crato, lugar que Luiz Gonzaga, amava e que gravou composição de Jose Jatai: Eu vou pro Crato".

"Estou bastante feliz por ter concluído essa magnífica homenagem não só a Luiz Gonzaga do qual admiro, mais também a minha cidade do Crato, que teve por muitas vezes em homenagens do próprio Rei do baião seja em musicas, ou em discursos aos amigos cratenses. Este trabalho é sem duvidas um orgulho a todos que moram na cidade do Crato e aos amantes da cultura Gonzagueana. Viva o Rei do Baião e a Princesa do Cariri", diz Rafael.

Luiz Gonzaga era um frequentador assíduo da Expocrato, que era uma parada obrigatória para ele. Luiz Gonzaga ajudou a construir e a manter a Expocrato. Este e outros fatos você vai conferir com a leitura do livro "O Rei do Baião e a Princesa do Cariri".


Zé Marcolino 87 anos. Saudade imprudente

Pela sua importância na história da música brasileira, o Poeta Zé Marcolino,  merecia mais de atenção das entidades culturais do Estado. Um disco-tributo, com suas principais composições, um Memorial, um Seminário...

No dia 20 de setembro de 1987 a voz de José Marcolino Alves  silenciava por ocasião da morte causada de acidente de carro próximo a São José do Egito, Pernambuco.

Em Sumé, na Paraíba, Zé Marcolino veio à luz no dia 28 de junho de 1930. Venceu os obstáculos da vida simples e quando teve oportunidade deixou o Rei do Baião...digamos "bestim com tamanha genialidade".

 Pra encurtar a conversa metade do repertório do LP Ô Véio Macho, de 1962, tem Luiz Gonzaga interpretando as composições que José Marcolino lhe mostrou em Sumé: Sertão de aço, Serrote agudo, Pássaro carão, Matuto aperriado, A Dança do Nicodemos e No Piancó. Estes seriam os  forrós de Zé Marcolino gravados  pelo Rei do Baião. Ele interpretaria várias outras, entre as quais as antológicas Numa Sala de reboco e Quero chá.

Zé Marcolino participou da turnê de divulgação do LP Veio Macho, viajando de Sul a Norte do País com Luiz Gonzaga, no entanto, a saudade da família e suas raízes sertanejas foram mais fortes. Depois de um show no Crato, Ceará,  ele tomou um ônibus até Campina Grande e de lá foi para Sumé, de onde fretou um táxi para a Prata, onde morava.

Com o sucesso de suas canções cantadas por vários artistas (Quinteto Violado, Assisão, Genival Lacerda, Ivan Ferraz, Dominguinhos, Fagner, Jorge de Altinho, Elba Ramalho, Mastruz com Leite e tantos outros nomes da música brasileira), é atualmente Zé Marcolino um dos mais talentosos compositores da música brasileira de todos os tempos.

Somente em 1983, produzido pelos integrantes do Quinteto Violado, Zé Marcolino lançou seu primeiro e único, hoje fora de catálogo, LP Sala de Reboco (pela Chantecler). Um disco que está merecendo uma reedição em CD, assim como também seu único livro, necessita uma reedição.

No citado disco Véio Macho, com seis músicas de Marcolino, ele toca gongue. No LP A Triste Partida, Luiz Gonzaga gravou Cacimba Nova, Maribondo, Numa Sala de Reboco e Cantiga de Vem-vem.

Zé Marcolino morou em Juazeiro da Bahia e ficou até 1976, quando foi para Serra Talhada, Pernambuco. Inteligente, bem-humorado, observador,  Zé Marcolino tinha os versos nas veias como a caatinga do Sertão.

 Zé Marcolino casou com Maria do Carmo Alves no dia 30 de janeiro de 1951 com quem teve os filhos Maria de Fátima, José Anastácio, Maria Lúcia, José Ubirajara, José Walter, José Paulo e José Itagiba.

É José Marcolino, um dos nomes mais valiosos da música brasileira. Tenho dito...


Vida Saudável: os 7 hábitos que podem prevenir os tipos mais comuns de câncer

O câncer mata mais de 22.000 pessoas por dia em todo o mundo. De acordo com dados da Worldometers, em 2017, cerca de 4 milhões de mortes já foram registradas por conta da doença. Com base em projeções da Organização Mundial da Saúde (OMS), as mortes por câncer continuarão a aumentar no planeta. Em 15 anos, o número óbitos deve crescer 26% e mais de 11,4 milhões pessoas morrerão de câncer em 2030.

No Brasil, uma pesquisa recente divulgada pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) revelou que o câncer é a segunda maior causa de morte de pessoas entre 15 a 29 anos, perdendo apenas para “causas externas”, que envolvem óbitos por acidentes e violência.

Alguns hábitos simples, no entanto, podem ajudar a diminuir tais estatísticas. Mudanças no estilo de vida que envolvem alimentação e outros cuidados são cruciais para reduzir os riscos de incidência do câncer, segundo Adriana Scheliga, onco-hematologista da Oncoclínica.

A especialista listou 7 passos que podem ajudar na prevenção dos tipos mais comuns de câncer. Confira as sugestões a seguir:

1 – Coma de maneira saudável – comer adequadamente é um dos principais hábitos que ajuda na prevenção de diferentes tipos de câncer. A dieta do mediterrâneo, que inclui frutas, peixes, grãos e azeite, é um excelente exemplo a ser seguido.

2 – Aposte nas vacinas – existem vacinas que podem contribuir para a prevenção do câncer. Um exemplo é a contra o HPV, vírus responsável por 90% dos casos de câncer de colo de útero.

3 – Faça check-up regularmente – principalmente após os 40 anos, alguns tipos de exames são essenciais para prevenção do câncer. A mamografia nas mulheres é recomendada anualmente. A detecção precoce aumenta em até 95% as chances de recuperação em casos de câncer de mama, segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia.

4 – Abandone o cigarro – na maioria dos casos, o câncer de pulmão está associado ao consumo de cigarro ou derivados. Quando a pessoa decide parar de fumar, em 1 ano, ela diminui o risco de doenças ligadas a ao cigarro, de acordo com dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica.

5 – Pratique atividade física – a prática regular de exercícios ajuda a prevenir o câncer. O sobrepeso e a obesidade estão relacionados aos seguintes tipos de câncer: intestino, endométrio, próstata, pâncreas e até mama.

6 – Preste atenção no histórico familiar – existem testes genéticos que possibilitam a identificação de risco e o diagnóstico precoce de doenças hereditárias, incluindo o câncer.

7 – Use protetor solar – o câncer de pele é o tipo mais comum em todo o mundo e pode ser prevenido. Evite e exposição ao sol no período das 10h às 15h. Segundo o Consenso Brasileiro de Fotoproteção – Sociedade Brasileira de Dermatologia, o uso de protetor solar diariamente com Fator de Proteção Solar (FPS) mínimo de 30 é essencial.

Fonte: Exame.com/Daniela Barbosa


Triunfo, Pernambuco terá Festival de Inverno e Cinema em julho

A temporada de inverno do município de Triunfo, Pernambuco. Além do Festival de Inverno, Triunfo será sede também da Festa do Estudante e do Festival de Cinema.

Com o registro das baixas temperaturas o turismo rural repercutiu positivamente. Cachoeiras e riachos foram reativados, embelezando ainda mais a paisagem natural e devolvendo o verde à região.

O Festival de Inverno, previsto para acontecer de 22 a 29 de julho, aquece a economia local e sempre atrai muitos visitantes.

O Festival de Cinema, que estará na sua 10ª edição, acontece de 07 a 12 de agosto e trará profissionais e amantes do cinema a Triunfo. Exibindo nesta edição 35 filmes, dentre eles 14 pernambucanos, o evento acontece no Cinema Theatro Guarany, que foi recentemente reativado para funcionar regularmente.

Além dos eventos citados, a temporada de inverno em Triunfo conta com teleférico, pedalinhos no Lago, parque aquático, bares, restaurantes, cachoeiras.


Sport e Salgueiro decidem Campeonato Pernambuco na quarta-feira 28

Finalmente o estado de Pernambuco conhecerá o campeão de 2017. Quase dois meses depois do jogo de ida na Ilha do Retiro, exatamente 52 dias, Sport e Salgueiro decidem o título no estádio Cornélio de Barros, na quarta-feira (28). De lá pra cá, aconteceram 21 jogos envolvendo os clubes, sendo 14 deles dos rubro-negros (três vitórias, cinco empates e seis derrotas) e sete do Carcará (uma vitória, dois empates e quatro derrotas) em outras competições. Para o novo duelo da grande decisão, as equipes chegam com mudanças.

Pelo lado do Leão, a maior novidade é o técnico Vanderlei Luxemburgo, que curiosamente irá fazer a sua estreia no Campeonato Pernambucano, logo no último jogo. Já o time do sertão perdeu o meia Valdeir, um dos destaques na campanha do estadual e que saiu para o futebol português.

Salgueiro e Sport eliminaram Santa Cruz e Náutico, respectivamente, nas semifinais do estadual. No primeiro jogo da final, no dia 7 de maio, os finalistas ficaram no empate em 1 a 1 na Ilha do Retiro. Na ocasião, o Carcará deixou tudo igual aos 48 minutos do segundo tempo com um gol de pênalti e arrancou um grande resultado para a decisão inédita no sertão pernambucano.


Caravana Agroecológica e Cultural discute políticas públicas e desigualdade social no Vale do São Francisco

A Caravana Agroecológica no Semiárido Baiano no Caminho das Águas, em Juazeiro-Bahia, acontece entre os dias de 26 a 30 de junho.

Refletir sobre modelos de desenvolvimento e sistemas agroalimentares a partir de elementos comuns a uma bacia hidrográfica. Esse é o objetivo da “Caravana Agroecológica do Semiárido Baiano: nos caminhos das águas do São Francisco”.  Durante três dias, integrantes de movimentos e entidades populares, universidades, centros de pesquisas e órgãos públicos vão vivenciar diferentes realidades e contrastes do Semiárido baiano.

A Caravana Agroecológica tem como diferencial a produção de um diagnóstico sobre o Submédio do São Francisco a partir de trocas e saberes coletivos e uma análise crítica composta por olhares de pesquisadores, comunidades, técnicos e integrantes de movimentos populares. Como resultado, espera-se realizar e reforçar denúncias de violações de direitos e contribuir para a atuação do Ministério Público da Bahia, pressionar por políticas públicas e sociais, fortalecer a luta de comunidades tradicionais e divulgar experiências agroecológicas e de Convivência com o Semiárido. Uma carta política e um documentário também serão produzidos a partir da Caravana.

O encerramento da Caravana Agroecológica do Semiárido Baiano será realizado no dia 30, no Espaço Plural da Univasf, em Juazeiro.


Agricultura Familiar: Conab abre inscrições para captar projetos do Programa de Aquisição de Alimentos

A CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento) está com inscrições abertas para captação de novos projetos para o PAA, (Programa de Aquisição de Alimentos).

As cooperativas, organizações da agricultura familiar e associações poderão apresentar suas propostas até 14 de julho. As propostas serão aceitas, por meio do sistema PAAnet, no site da CONAB.

O Programa conta com R$ 50 milhões de reais, sendo que 38,5 milhões para a modalidade CDS (Compra com Doação Simultânea) que acontece, através de entidades sociais e CRAS, muito dos públicos são beneficiários do programa bolsa família. O Grupo Gestor do PAA definiu 60% da verba destinada à Compra com Doação Simultânea para as regiões Norte e Nordeste.

Os critérios para participar é um projeto por instituição, ou seja, associação e cooperativa, o valor do projeto é de no máximo R$ 320 mil e cada sócio ou produtor terá oportunidade de comercializar até R$ 8 mil por ano.

A Conab orienta os produtores e associações sobre os projetos e dá treinamentos no que for necessário, além de ajudar na elaboração de projetos.

Cooperativas e Associações são necessários possuir DAP jurídicas para participar; os sócios ou produtores DAP física.

A Conab irá analisar as propostas considerando os seguintes critérios de participação: mulheres rurais; povos, comunidades tradicionais e assentados; produtores de alimentos orgânicos ou agroecológicos; agricultores de municípios em situação de insegurança alimentar; valores do projeto; e logística de entregas dos produtos. O detalhamento dos critérios está no site da Conab.

A CDS tem como finalidade o apoio aos agricultores familiares, por meio de cooperativas e associações, a partir da compra de sua produção. Os alimentos adquiridos são destinados ao abastecimento da rede sócio-assistencial e também de Equipamentos Públicos de Segurança Alimentar e Nutricional, como restaurantes populares e cozinhas comunitárias.

Outras informações acesse www.conab.gov.br/conteudos.php?a=1129&t=2



Parque Asa Branca e o descaso do Governo Federal e Estadual com a Memória de Luiz Gonzaga

Proprietário do maior acervo da vida e da obra de Luiz Gonzaga, o Parque Aza Branca, localizado no município de Exu, no Sertão pernambucano, enfrenta situação de penúria para manter acesa a memória do músico. Com dificuldades para arcar com as despesas e sem manutenção, o espaço, construído pelo próprio Gonzaga na terra natal, corre o risco de fechar as portas neste ano. O alerta é feito pelo presidente da ONG Parque Aza Branca, que desde 2000 administra o equipamento cultural, Junior Parente.

As únicas fontes de renda do museu, atualmente, são a venda de ingressos (R$ 8 e R$ 4) e a comercialização de lembrancinhas aos visitantes. "Durante um período, esse dinheiro era suficiente, ele chegou a dar e sobrar. O problema é que há mais de um ano a gente tem um déficit mensal no caixa", explica Junior. A organização conta com dez funcionários no quadro, entre guias, faxineiros e seguranças, e tem um gasto mensal de cerca de R$ 20 mil. Mas arrecada em torno de R$ 17 mil nos meses de maior movimento - junho, julho, dezembro e janeiro. No dia em que a reportagem esteve no museu, um sábado de maio, apenas um casal visitava a casa que pertenceu ao ícone sertanejo.

A salvação para os últimos meses é uma reserva financeira criada nos tempos de bonança. "Na época de celebração do centenário de Luiz Gonzaga, em 2012, nós recebemos um grande fluxo de visitantes e conseguimos realizar uma poupança. É com este montante que temos coberto os gastos", explica Parente. Ele afirma que precisará fechar parcialmente. Neste ano, o bilhete de acesso ao museu dobrou de valor para tentar equilibrar o caixa.

Uma das principais preocupações do presidente da ONG é a manutenção da estrutura física do parque, que conta com 3,7 hectares e abriga, além do museu dedicado à obra de Gonzaga, a casa que o músico construiu e morou em seus últimos anos e o mausoléu onde estão depositados os restos mortais. "A gente vem passando por um período de quase quatro anos de seca, o que é muito ruim para o nosso povo. Mas, por outro lado, se estivesse chovendo, é provável que o muro já tivesse caído e as pinturas se deteriorado", diz Junior, recordando, que na última chuva, o mausoléu chegou a ficar alagado por goteiras no telhado.

"Nós fizemos um orçamento para a realização da pintura do espaço e de algumas reformas estruturais nos telhados e deu mais de R$ 30 mil, nós não temos como pagar por isso", afirma. "É obrigação do estado auxiliar na preservação do museu. Há, por parte deles, a alegação de que se trata de uma propriedade particular, mas é um local que tem uma grande função social e todo o simbolismo por ser a casa de Gonzaga", continua.

Outro temor recorrente é em relação à preservação dos objetos que constituem o espaço expositivo do museu. "Na época da celebração do centenário, agentes do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) estiveram aqui e fizeram algumas limpezas. Também deram orientações básicas para os funcionários. A gente tenta, do nosso jeito leigo, cuidar da melhor maneira possível das peças", diz.

A galeria é composta por fotografias da família, prêmios recebidos por Gonzaga, manuscritos, cartazes publicitários estrelados pelo músico e instrumentos, entre outros objetos raros do artista. Na seção de instrumentos, o público pode conferir três acordeons e uma sanfona de oito baixos empunhados por ele, assim como a sanfoninha de Januário e a corneta utilizada por Luiz quando ingressou no exército. Apesar de as peças serem zeladas, Junior Parente acredita que falta o acompanhamento de um profissional especializado para fazer restaurações e cuidar da manutenção periódica. "O ideal é que essa visita ocorresse, ao menos, uma vez por ano", aponta.

Em 2009, o Parque Aza Branca foi tombado como Patrimônio Histórico e Cultural de Pernambuco pela Fundarpe. A última reforma geral ocorreu no final de 2013, custeada pelo governo estadual. Porém, segundo o gestor do parque, a empresa responsável pelo trabalho realizou uma obra de qualidade ruim. Procurada pela reportagem, a Fundarpe alegou que não haveria tempo hábil para se manifestar.

Sentado sob um juazeiro, com camisa de botões parcialmente aberta e um boné na cabeça, Seu Praxedes se orgulha do patrimônio que guarda. Aos 85 anos e dono uma serenidade de quem acompanhou de perto a história do Rei do Baião, ele recebe os visitantes do Aza Branca com simpatia. Em um dedo de prosa, se apresenta orgulhoso: "Sou vaqueiro de Seu Luiz Gonzaga".

Duas décadas mais novo que Seu Lua, ele tem prazer em lembrar que nasceu no mesmo povoado que o Rei do Baião. "Quando nasci, ele já estava no mundo. Ele nasceu no Araripe, eu também", ostenta. Praxedes começou como vaqueiro a pedido de Luiz Gonzaga. "Quando começou a construir aqui, em 1976, para preparar o retorno, me chamou para morar. Eu trabalhava, e ele mandava o dinheiro todo mês, lá do Rio de Janeiro", diz. Ele chegou a cuidar de mais 300 cabeças de gado.

A principal lembrança que guarda do ex-patrão é a gentileza para com o povo de Exu, sobretudo os menos afortunados. "Ele foi pobre, trabalhou até os 18 anos no roçado com o pai dele. Às vezes, ia fazer show e recebia o pagamento em alimento. Aí chegava aqui com as 'carradas' de arroz, açúcar, bolacha, macarrão, tudo. A gente fazia cestas básicas, enchia caminhão e saía distribuindo nos sítios", recorda. Mas lembra também que o rei era muito sério, com formação militar. "Tinha dia que estava ranzinza e não tinha quem passasse no seu caminho, mas era só sentar pra tocar que tudo melhorava", ri Praxedes.

Outra recordação são as festas organizadas pelo músico na residência. "Ele passava um ou dois meses fora, tocando, e quando voltava fazia questão de receber os amigos músicos para celebrar". O agrado pelas celebrações à base do forró fica evidente no terreno da casa: são três palcos, duas pousadas e uma cozinha construída à parte, com o título carinhoso de "cozinha da Mundiça" em letreiro de madeira para saudar os amigos. “Trabalhei com ele até seus últimos dias. E vou ficar aqui até o fim, para as pessoas saberem como ele foi bom".

CURIOSADADES
Os visitantes acham lembretes de R$ 5, como um chaveiro com a imagem de Luiz, a R$ 120, réplica do chapéu de couro utilizado pelo músico.

No destaque do acervo, o acordeom branco e a camisa manchada de sangue usada por Luiz Gonzaga em encontro com o papa João Paulo II, em julho de 1980. Na ocasião, uma multidão invadiu o estádio Castelão, em Fortaleza, e o músico chegou a ser derrubado e pisoteado pelos fiéis.

O museu foi criado pelo cantor, mas só inaugurado após a morte, em 1989, por Gonzaguinha. Depois do falecimento do filho, o imóvel foi comprado por um empresário e herdado pela família. A sugestão de transformar em ONG foi dada por Gilberto Gil, em 2000, em visita a Exu.

Em 1982, Gonzaga lançou O rei volta pra casa, logo após fincar residência na terra natal. Na capa, ele aparece com a ave asa branca em frente ao terreno onde foi erguido o museu.

*Fonte: Alef Pontes-Diário de PernambucoO jornalista viajou a convite de O Boticário


Alceu Valença: A cultura não é fechada, mas a indústria do entretenimento procura fechá­ la.

"Campina Grande se faz tão formosa/ Caruaru está com todo tesão/ a minha vida é um palco sobre rodas/ na tournée nordestina/ do São Pedro e São João", os versos de Tournée Nordestina (Lua do Lua) estão sendo postos em prática pelo autor da música, Alceu Valença,  na base do forró é bom e ele gosta, e entende.

Gravou com Luiz Gonzaga, é parceiro de Dominguinhos e aprendeu a respeitar a festa desde menino, em São Bento do Una:  "Se quiser falar de forró pra mim, quero dizer que Juventino, meu tio, tocava oito baixos, meu avô tocava viola. Nelson Valença, primo do meu pai, era parceiro de Gonzaga. Quero lhe dizer que Luiz Gonzaga quando me viu tocando, com meu grupo, me convidou pra tomar café na casa dele lá em Novo Exu. Conheci as coisas também da feira de São Bento do Una, os emboladores, os cantadores. Se você perder a raiz total, você dançou. O frevo não é samba, nem o forró é rock and roll", conta Alceu.

Com isso, ele quer dizer que no período junino se atém a um repertório ligado à época. "Neste show que estou fazendo agora, começo com Baião, Vem Morena, A Cantiga do Sapo. Depois canto Pagode Russo, Sala de Reboco, que gravei com Lucy Alves, e interpreto de uma maneira mais gonzaguiana. Aí vem Xote das Meninas, Sabiá e Girassol (com ritmo de forró), Coração Bobo, Pelas Ruas que Andei, que é a Briga do Cachorro com a Onça, é o pife elétrico, depois Cabelo no Pente. Termino com Tropicana, que é um xote. Na época que gravei, eu tinha vindo de Cuba e botei uma tumbadora na gravação, ela ficou meio tropicalizada. Pessoas da plateia pedem músicas e eu canto. Aí já não é forró, pode ser Anunciação, La Belle de Jour. Mas sempre respeito a festa. No Carnaval eu canto frevo", diz Alceu Valença.

 Ele joga no ar uma pergunta e uma provocação: "Na Marquês de Sapucaí toca outra coisa fora samba? Quando homenagearam Miguel Arraes tocaram frevo?" Ele mesmo se encarrega de responder: "Não tenho preconceito contra música nenhuma. Acho que no São João deveria ter uma noite pro forró de verdade, outra pra outro tipo de música. Reginaldo Rossi era uma maravilha como brega, mas tinha a ver com forró? Roberto Carlos que é um grande cantor, o Rei, não tem nada a ver com o Carnaval de Pernambuco. Esta história de multicuralismo, tudo bem, mas cada coisa no seu lugar. Nada de fechamento. Mas termina o Carnaval pernambucano sendo igual ao de qualquer canto".
 
 Alceu Valença canta no palco principal em Arcoverde, entre um dupla sertaneja, Ycaro & Vitório, e uma banda de fuleiragem, Solteirões do Forró. Ele confessa que não sabe da programação de nenhuma cidade onde está se apresentado. Leva para lá o seu show junino: "Eu faço meu show, mostro meu lado agrestino sertanejo, meu lado gonzaguiana, dominguiniano, são­bentense (em meio à conversa, canta um aboio com versos improvisados). A cultura não é fechada, mas a indústria do entretenimento procura fechá­ la. Eu estava outro dia numa cidade aqui em Pernambuco, tinha uma dupla cantando, perguntei se eram do Paraná. Disseram que eram daqui. Já têm até o sotaque. Acho que tem que se cultuar a tradição. Mas ela vai se modificando, mas aos poucos".
 
 Enfatiza a asserção cantando versos de Que Grilo Dá (Rock de Repente): "Meu repente é brasileiro/ e a pitada de estrangeiro/ eu boto pra te envenenar ... Macunaíma maquinando artimanha, engolindo o homem aranha. Se você botar uma pitada de qualquer coisa tá tudo bem. Mas se fizer uma coisa antagônica, que não tenha absolutamente nada com o período, com a tradição, então não chama de São João. Um forró que não é forró poderia botar o nome de potó, cotó, qualquer coisa. Se não é forró, não é forró. É apropriação indébita. Zé da Flauta falava do frevo a pulso. O cara não sabia fazer um frevo, botava um metal e chamava de frevo. Vamos trazer o forró de Lisboa, outro dia eu tava em Paris e tocava Feira de Mangaio. Me mostraram uma matéria, quase de página inteira comigo, na Ucrânia. Sobre os discos Forró Lunar e Forró de Todos os Tempos", dois discos que ganharam o Prêmio da Música Brasileira", comenta Alceu, que no dia 14 de julho se apresenta em Lisboa.
 
Evitando citar nomes, ou especificar esta ou aquela cidade, Alceu Valença não concorda com o argumento de que a montagem das grades das festas públicas obedeçam a um clamor popular, que se determinados artistas não estiverem nela o povo deixa de comparecer:

 "Não acredito nisso. Fiz agora em Araripina um show absolutamente lotado. Não que tenha nada contra sertanejo. Acho que tem lugar para todo artista. Se o sertanejo tocar forró, tudo bem. Se o brega cantar forró, tudo bem. Se tem padre tudo bem, desde que ele não venha com Ave Maria. Eu não canto forró? Não canto frevo? É cada qual no seu cada qual. Num festival de blues em News Orleans vão tocar bolero? Num festival de rumba em Cuba eles colocam forró? Acredito que podem haver junções em determinados momentos, uma coisa absorvendo a outra, mas de uma forma vagarosa, senão arte vira um jingle. O cantor de jingle faz tudo, canta qualquer ritmo, mas não é uma coisa de coração. A arte, ela tem uma coisa quase religiosa". 

Ao contrário da grita geral dos forrozeiros contra a música que não tenha afinidades com São João, Alceu diz que até se pode contratar sertanejos (citando o gênero porque é o estilo da vez), desde que não se misture as coisas: "Peguemos uma cidade onde se realiza um São João tradicional, Campina Grande, por exemplo, que se diz a Capital do Forró. Se eles querem ter o brega, por que não fazer uma semana de brega antes do São João. Faz­-se a mesma coisa com o Carnaval. Vai ter rock? Então em janeiro façam um festival de rock. No Carnaval mesmo vamos tocar frevos de bloco, instrumental, caboclinho, maracatu. Acho que é preciso respeitar a festa. Eu tenho muitos shows, mas faço de acordo com o tempo e o lugar".

 PRÊMIOS
Sem nenhum show, restrita ainda às telas de salas de cinema e ao disco, a trilha de A Luneta do Tempo, primeiro filme dirigido por Alceu Valença, foi indicada ao Prêmio da Música Brasileira, na categoria Projeto Especial. Ele foi indicado ainda nas categorias Álbum Regional, com o DVD/CD Vivo/Revivo (os dois lançados pela Deck). Concorre ainda ao prêmio de Melhor Cantor Regional, uma indicação reducionista, sobretudo para um artista que tem 45 anos de carreira e cuja música só é assumidamente regional, no período junino, quando cai na estrada com a turnê nordestina, de São Pedro e São João.

Fonte: José Teles


Luiz Gonzaga vive na alma da gente brasileira

Gilberto Amado disse a propósito da morte de sua mãe: "Apagou-se aquela luz no meio de todos nós". Para o Nordeste, e tenho certeza para todo o país, a morte de Luiz Gonzaga foi o apagar de um grande clarão. Mas com seu desaparecimento não cessou de florescer a mensagem que deixou, por meio da poesia, da música e da divulgação da cultura mais brasileira.

O Brasil vai celebrar no próximo dia 02 de agosto, os 28 anos da morte do cantor e compositor Luiz Gonzaga, o rei do baião. Luiz Gonzaga, o Lua como também era conhecido, foi essencialmente um telúrico. Ele soube como ninguém cantar o Nordeste e seus problemas. Pernambucano, nordestino, brasileiro, Luiz Gonzaga encantou o Brasil com sua música, tornando-se um daqueles que melhor souberam interpretar sua alma.

Nascido em Exu, no alto sertão de Pernambuco, na chapada do Araripe, divisa com o Ceará, Luiz Gonzaga ganhou o Brasil e o mundo, mas nunca se esqueceu de sua origem. Sua música, precursora da música brasileira, é algo que, embora não possa ser classificada como "de protesto", ou engajada, é, contudo, politicamente comprometida com a busca de solução para a questão regional nordestina, com o desafio de um desenvolvimento nacional mais homogêneo, mais orgânico e menos injusto, portanto.

Telúrico sem ser provinciano, Luiz Gonzaga sabia manter-se preso às circunstâncias regionais sem perder de vista o universal. Sua sensibilidade para com os problemas sociais, sobretudo nas músicas em parceria com Zé Dantas, era evidente: prenhe de inconformismo, denúncia do abandono a que ainda hoje está sujeito pelo menos um terço da população brasileira, mormente a que vive no chamado semi-árido.

Não estaria exagerando se dissesse que Gonzaga, embora não tivesse exercido atividade política ou partidária, foi um político na acepção ampla do termo. Política, bem o sabemos, é a realização de objetivos coletivos e não se efetua apenas por meio do exercício de cargos públicos, que ele nunca teve. Política é sobretudo ação a serviço da comunidade. Como afirma Alceu Amoroso Lima, é saber, virtude e arte do bem comum.

Outro aspecto político da presença de Luiz Gonzaga foi no resgate da música popular brasileira. O vigor de suas toadas e cantorias tonificou a nossa música, retirando-a do empobrecimento cultural em que se encontrava. Sua música teve um viés nacionalista, ou melhor, brasileiríssimo, que impediu que lavrasse um processo de perda de nossa identidade cultural. Não foi uma música apenas nordestina, mas genuinamente nacional, posto que de defesa de nossas tradições e evocação de nossos valores.

Luiz Gonzaga interpretou o sofrimento e também as poucas alegrias de sua gente. Mas foi por meio de "Asa Branca" que Lua elevou à condição de epopéia a questão nordestina. Certa feita, Gilberto Freyre afirmou que o frevo "Vassourinhas" era nossa marselhesa. Poderíamos dizer, parafraseando Gilberto Freyre, que "Asa Branca" é o hino do Nordeste: o Nordeste na sua visão mais significativamente dramática, o Nordeste na aguda crise da seca.

Em sua obra Luiz Gonzaga está vivo e vive no sertão, no pampa, na cidade grande, na boca do povo, no gemer da sanfona, no coração e na alma da gente brasileira, pois, como disse Fernando Pessoa, "quem, morrendo, deixa escrito um belo verso, deixou mais ricos os céus e a terra, e mais emotivamente misteriosa a razão de haver estrelas e gente".

Fonte: Marco Maciel, foi vice-presidente da República. Foi governador do Estado de Pernambuco (1979-82), senador pelo PFL-PE (1982-94) e ministro da Educação (governo Sarney).


O Boticário, São João, Sanfona de 8 Baixos e Orquestra Sanfônica de Exu

O mês de junho é tempo bom para os sanfoneiros. O melhor do ano, aliás. É quando mais tem eventos para que eles cutuquem seus instrumentos nos arraiás da vida. O repertório que remete às raízes da festa, contudo, tem estado cada vez mais distante dos shows que ocorrem Nordeste afora. Um movimento de resgate deste repertório fez surgir websérie que o Boticário exibe nos estados nordestinos durante o mês de junho. No centro desta narrativa está o mestre Luiz Gonzaga e a já escassa sanfona de oito baixos.

Com direção assinada por Giovani Lima, o programa está sendo exibido nas redes sociais da marca de cosméticos, com episódios curtos de cerca de 1,30 min. Protagonizando as cenas, estão histórias de Luiz e a formação da Orquestra Sanfônica de Exu, montada especificamente para o projeto.

A propósito disto, a pequena cidade de Exu, no árido sertão pernambucano, foi onde Luiz Gonzaga nasceu e, também, o cenário escolhido pela produção para que as gravações ocorressem.

Entre as diversas locações da websérie, dois espaços ganharam destaque. Um deles é umas das casas onde Gonzaga morou, no Parque Aza Branca (grafado com Z mesmo), uma fazenda comprada por ele no ano de 1974. Este complexo de construções abriga, hoje, o Museu do Gonzagão, que ele construiu ainda em vida e onde está enterrado.

“Luiz Gonzaga viveu nesta casa. Então, tem toda uma energia. E foi um dos maiores representantes da música popular brasileira, especialmente, da música nordestina. Um cara que conseguiu retratar nas obras a fauna, a flora, os amores, a religião, as comidas...”, acredita a atriz, cantora, compositora, instrumentista e sanfoneira Lucy Alves.

“Eu comecei escutando Luiz Gonzaga desde a barriga da minha mãe. Meus pais são do sertão da Paraíba, tenho tios sanfoneiros. Meu bisavô tocava fole de oito baixos, como Januário”, lembra. É ela quem conduz a narrativa da série e conta as histórias do homenageado, além de cantar no espetáculo que costura os episódios.

O outro lugar que virou set de filmagens foi a Praça da Matriz, onde foi montado palco e instalada toda a decoração junina para receber o show da Orquestra Sanfônica, no último dia de gravações. Outras figuras dão corpo à série, como o cantor, compositor e instrumentista Targino Gondim, que, além de ser entrevistado no vídeo, coordena a Orquestra Sanfônica de Exu, com cerca de 30 pessoas no palco. O sanfoneiro e amigo de Gonzaga, Luizinho Calixto, também está presente no projeto, além do sobrinho do homenageado, o, também sanfoneiro, Joquinha Gonzaga.

“O primeiro instrumento de Luiz Gonzaga foi uma sanfona de oito baixos, porque herdou do pai, seu Januário. Foi o primeiro instrumento, também, de Dominguinhos, também porque herdou do pai, Chicão. Foi o primeiro instrumento de Sivuca. E, na minha família, eu tenho mais três irmãos, e todos tocamos, herança deixada pelo meu pai”, narra Luizinho. Tocador da sanfona de oito baixos, Luizinho é uma das poucas pessoas que levam pra frente a tradição deste instrumento que é tão difícil. “É um instrumento pobre em harmonia, mais voltado para solo”, define.

A coordenação da orquestra montada para o webdocumentário ficou com Targino. Foram cerca de 30 pessoas (sendo 20 sanfoneiros) de diversos locais do País, como Exu, Fortaleza, Teresina, Serra Talhada, Minas Gerais e outras cidades. E tudo ocorreu de forma muito rápida: em 10 dias foram escolhidos os músicos, que só chegaram a se encontrar poucos antes da gravação.

“Com o repertório de Luiz Gonzaga, todos nós já temos uma certa intimidade, os sanfoneiros. Todos eles têm essa ligação com a obra de Luiz Gonzaga”, explica Targino. Ele coordena projeto com formato semelhante, o Festival Internacional da Sanfona, que ocorre há quatro anos em Juazeiro (BA). “(A época junina é) o auge dos sanfoneiros. É quando todos os sanfoneiros - grandes e pequenos - estão trabalhando. É a hora em que a obra de Luiz Gonzaga está mais viva no Brasil inteiro”.

 Fonte: O Povo-Camila Holanda-Multimídia


Tese de Doutorado: Indústria Cultural e Forró eletrônico no Rio Grande do Norte

A música brasileira está decadente – sans élégance. Difícil encontrar alguém que nunca tenha ouvido uma frase como essa. Refine o gênero, e as frases continuarão a fazer sentido para muitas pessoas. O funk, o sertanejo, o forró, o pop, todas as músicas consumidas pelas massas não prestam.

Um estudo acadêmico parte do forró eletrônico, ouvido à exaustão em todo o Nordeste, para investigar o que muitos chamam de “degeneração” da música popular. O professor Jean Henrique Costa, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, obteve o título de doutor em Ciências Sociais com a tese “Indústria Cultural e Forró Eletrônico no Rio Grande do Norte”, defendida na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O pesquisador defende que o gênero preferido entre os nordestinos faz parte de uma engendrada indústria cultural, por meio da qual são criadas e sustentadas formas de dominação na produção e na audição desse tipo de música.

Segundo ele, quando uma banda de forró eletrônico recorre a canções de temática fácil, na maioria das vezes ligadas à busca de uma felicidade igualmente fácil, ela está criando mecanismos para a formação de um sistema de concepção e circulação musical. Nele, nada é feito ou produzido por acaso. Tudo acaba virando racionalizado, padronizado ou massificado.

O ideal de uma vida festeira, regada de uísque, caminhonete 4×4 e raparigas (mulheres) é hoje um símbolo de status e prestígio para muitos dos ouvintes. Ninguém quer ficar de fora da onda de consumo. Numa das partes da pesquisa, Costa analisou o conteúdo das letras dos cinco primeiros álbuns da banda Garota Safada (Wesley Safadão) e descobriu que 65% das músicas falam de amor, 36% de sexo e 26% de festas e bebedeiras.

“Parte expressiva das canções de maior sucesso veicula a ideia de que a verdadeira felicidade acontece ‘no meio da putaria’, ou seja, nos momentos de encontros com os amigos nas festas de forró”, escreveu Costa. “Não se produz determinada música acreditando plenamente que se está criando uma pérola de tempos idos, mas sim um produto para agradar em um mercado competitivo muito paradoxal: deve-se ser igual e diferente concomitantemente.” Ou seja, a competitividade do mercado induz à padronização dos hits.

“O que move o cotidiano é isso mesmo: sexo, amor, prazer, diversão. O forró e quase toda música popular sabem muito bem usar desse artifício para mover suas engrenagens”, explicou Costa. “Não é por acaso que as relações sexuais são tão exploradas pelas canções de maior apelo comercial a ponto de se tornarem coisificadas à maneira de clichês industriais.”

REFERENCIAL TEÓRICO:
Outros gêneros musicais também recorrem a estratégias semelhantes. O forró eletrônico consegue se diferenciar dos demais ao dar uma roupagem de “nordestinidade”, criando a identificação direta com o seu público. Mas o objetivo final de todos é proporcionar diversão. O problema, segundo Costa, é que “se vende muito pão a quem tem fome em demasia”.

Costa baseou sua pesquisa no referencial teórico de Theodor W. Adorno, um dos ideólogos da Escola de Frankfurt. O pesquisador procurou atualizar o conceito de indústria cultural a partir da constatação de que as músicas do forró eletrônico são oferecidas como parte de um sistema (o assédio sistemático de tudo para todos) e sua produção obedece a critérios com objetivos de controle sobre os efeitos do receptor (capacidade de prescrição dos desejos).

O pesquisador recorreu ainda a autores como Richard Hoggart, Raymond Williams e E.P. Thompson para abordar o gênero musical a partir da leitura dos estudos culturais (a complexa rede das relações sociais e a importância da comunicação na produção da cultura), que dialogam com outro conceito anterior, o de hegemonia, de Antonio Gramsci. Pierre Bourdieu também serve de referencial teórico.

Ao amarrar essas teorias, o pesquisador argumenta que o público consumidor de músicas acaba fazendo parte de esquemas de consumo cultural potentes e difíceis de serem contestados. Neles, até o desejo acaba sendo imposposto. Costa explica esse fato com a atual “cobrança” pelo consumo de álcool, onde a sociabilidade gira em torno de litros de bebidas.

“O que se bebe, quanto se bebe e com quem se bebe diz muito acerca do indivíduo. O forró não é responsável por isso, mas reforça.” Para o pesquisador, o consumo de bebidas se relaciona com a virilidade masculina, que, por sua vez, se vincula à reprodução do capital.

“Não reconheço grande valor estético (no forró eletrônico), mas considero um estilo musical que consegue, em ocasiões específicas, cumprir o papel de entreter”, afirmou. O pesquisador ouve todo tipo de música (samba-canção, samba-reggae, rock nacional dos anos 1980 e 1990, bolero, tango, entre outros), mas sua predileção é por nomes como Nelson Gonçalves e Altemar Dutra.

Para cobrir essa lacuna sobre o gênero que iria pesquisar, Costa entrevistou nomes como Cavaleiros do Forró, Calcinha de Menina, Balança Bebê e Forró Bagaço. O seu objetivo foi esquadrinhar desde uma das maiores bandas de forró eletrônico do Rio Grande do Norte até uma banda do interior que mal consegue fazer quatro apresentações por mês e cobra em torno de R$ 500 por show.

É dentro desse contexto de consumo de massa de hits que nascem e morrem, diariamente, pelas rádios e carrinhos de CDs piratas, que prevalece o forrozão estilo “risca a faca” e “lapada na rachada”, para uma população semiformada (conceito adorniano de Halbbildung), explica Costa. Sobra pouco ou nenhum espaço para nomes consagrados do gênero.Entre os extremos de quem ganha muito e quem mal consegue sobreviver com o forró, o professor constatou que o sucesso é um elemento em comum, e algo difícil de ser obtido. Depende de substanciais investimentos financeiros e também do acaso – ter um hit pelas redes sociais ajuda. É por isso que Costa afirma que Aviões do Forró e um forrozeiro tecladista independente estão em lados completamente opostos, mas ainda têm algo basilar em comum: a indústria cultural.

Luiz Gonzaga, por exemplo, embora seja o símbolo maior do gênero e tratado com respeito pela maioria dos nordestinos, acaba sucumbindo a essa indústria cultural. “A competição é desigualmente assimétrica para o grande Lua. O assum preto gonzagueano, nesse sentido, bateu asas e voou.”

Costa diz não ser um pessimista ou só um crítico ferrenho do forró eletrônico. Tampouco que tem pouca esperança de que a música brasileira seja apenas uma eterna engrenagem da indústria cultural. Ao contrário, é dentro dela própria que ele vê saídas para o futuro da produção nacional.

“Se vejo alguma possibilidade de mudança pode estar justamente nesses estúdios caseiros de gravação de CDs, nas bandas de garagem, no funk das periferias, no tecnobrega paraense. Não afirmo que a via é essa, mas que é um devir, uma possibilidade que pode não ir para além do sistema, mas minar algumas de suas bases”, concluiu.

 Fonte: Pragmatismo Político


Leandro Gomes de Barros: Quem foi temperar o choro e acabou salgando o pranto?

De tempos em tempos somos surpreendidos por uma explosão de vida. Sem nos darmos conta, uma aparece e nos encanta, arrebata, congela todo o conhecimento outrora adquirido, e só pensamos naquela música, soneto, pintura, um acorde de violino ou o rasgo de uma gaita.

Anoitecemos e amanhecemos com aquilo na cabeça. Temos até medo de adentrarmos nela para conhece-la melhor, participar, olhar de mansinho sobre o privilégio de ser só o que é: grande! Leandro Gomes de Barros é vida! Este homem, que viveu na peregrinação e pousos da escrita popular é hoje considerado o mais notável e importante entre os poetas. Nasceu em 1865, no dia 19 de novembro, na cidade de Pombal, sertão paraibano. Aos dez anos começou a escrever e foi o pioneiro na escrita e edição de histórias em folhetos. Escreveu, editou, publicou, distribuiu e vendeu sua própria produção. Teve sua própria tipografia.

Muitos foram as autoridades das letras e da história que falaram sobre ele. Câmara Cascudo escreveu: “ Viveu exclusivamente de escrever versos populares, inventando desafios entre cantadores, arquitetando romances, narrando as aventuras de Antônio Silvino, comentando fatos, fazendo sátiras.

Fecundo e sempre novo, original e espirituoso, é o responsável por 80% da glória dos cantadores atuais” – Vaqueiros e Cantadores – Ed. De Ouro. Seu espólio literário foi vendido e muitos usaram de sua poesia e o plagiaram. Alguns se apropriaram de seus versos a ponto de mudarem o acróstico do fim da história. Foi o primeiro poeta a lutar por direitos autorais no Brasil.

Em 1976, Carlos Drumond de Andrade publicou no Jornal do Brasil na edição do dia 9 de setembro: “Em 1913, certamente mal informados, 39 escritores, num total de 173, elegeram por maioria relativa Olavo Bilac príncipe dos poetas brasileiros. Atribuo o resultado a má informação porque o título, a ser concedido, só poderia caber a Leandro Gomes de Barros, nome desconhecido no Rio de Janeiro, local da eleição promovida pela revista FON-FON, mas vastamente popular no Nordeste do País, onde suas obras alcançaram divulgação jamais sonhada pelo autor de “Ouvir Estrelas”. ...

E aqui desfaço a perplexidade que algum leitor não familiarizado com o assunto estará sentindo ao ver defrontados os nomes de Olavo Bilac e Leandro Gomes de Barros. Um é poeta erudito, produto da cultura urbana e burguesa média; o outro, planta sertaneja vicejando à margem do cangaço, da seca e da pobreza. Aquele tinha livros admirados nas rodas sociais, e os salões o recebiam com flores. Este, espalhava seus versos em folhetos de cordel, de papel ordinário, com xilogravuras toscas, vendidas nas feiras a um público de alpercatas ou de pé no chão.

Bebeu na fonte do poeta ninguém menos que Ariano Suassuna, que no Auto da Compadecida expõe o cavalo que defecava dinheiro. Suassuna o trata de filósofo numa de suas últimas entrevistas em que o repórter pergunta de sua crença ou não em Deus. “ – Eu estaria lascado! se não acreditasse em Deus”. Disse o escritor ao recitar um ícone da coletânea de Leandro:

“Por que Existem o Mal e o Sofrimento Humano?
Se eu conversasse com Deus/ Iria lhe perguntar:/ Por que é que sofremos tanto/ Quando se chega pra cá? / Perguntaria também/ Como é que ele é feito/ Que não dorme, que não come/ E assim vive satisfeito. / Por que é que ele não fez? A gente do mesmo jeito? Por que existem uns felizes/ E outros que sofrem tanto? / Nascemos do mesmo jeito, / Vivemos no mesmo canto. / Quem foi temperar o choro/ E acabou salgando o pranto? ”

Leandro Gomes de Barros é patrono da cadeira número um da ACADEMIA BRASILEIRA DE LITERATURA DE CORDEL. Encontrou a sua grande e única certeza irremediável no dia 4 de março de 1918, em Recife.

Neste ano 2017 celebramos os 152 anos de nascimento do poeta.

Fonte: Angelo Rafael-artista plástico-Campina Grande-Paraiba


Joquinha Gonzaga: sobrinho de Luiz Gonzaga e neto de Januário e a peleja de divulgar o verdadeiro forró

Apesar da "invasão" das bandas eletrônicas nos festejos juninos ainda mais evidente neste ano de 2017, principalmente, nos contratos envolvendo prefeituras, o legítimo herdeiro musical de Luiz Gonzaga, o sobrinho Joquinha Gonzaga arruma o chapéu de couro, afina a  sanfona, zabumba e triangulo e ganha a estrada para fazer forró do bom.

A filha de Joquinha, Sara Gonzaga é a atual produtora empresária do sanfoneiro que traz a humildade e o sorriso de Luiz Gonzaga estampado em cada abraço. Sara diz que durante todo o ano a vida do pai e sanfoneiro Joquinha Gonzaga "é andar por este Brasil percorrendo os sertões para manter a tradição dos verdadeiros sanfoneiros".

No período das festas juninas, de maio até julho, a agenda de Joquinha Gonzaga ganha outro ritmo. É mais acelerada! O sobrinho do Rei do Baião ganha a estrada e vai mostrar o valor da herança do tio e avô. Januário alias ainda hoje é considerado o  mais afamado tocador de sanfona de 8 Baixos que o Nordeste teve notícia.

"É é assim que vou pelejando! Alô Exu, meu moxotó e cariri tô chegando prá tocar ai", brinca Joquinha Gonzaga, ressaltado que "todo ano é uma peleja pra levar o verdadeiro forró prá frente e mostrar o baião e xote, forró para o povo, como pediu "meu tio Luiz Gonzaga".

Se a sanfona de Dominguinhos, discípulo maior de Luiz Gonzaga, cabia em qualquer lugar, a sanfona de Joquinha Gonzaga tem a herança original do pé de serra. Joquinha traz com sua sanfona o tom cada vez mais universal divulgado por Luiz Gonzaga.

Na obra do sanfoneiro herdeiro do ritmo de Luiz Gonzaga, vai Joquinha com seu chapeu de couro cumprindo sua agenda. A caminhada teve início no dia 5 de Junho quando soltou a voz e puxou a sanfona em Barbalha-Ceará, na Festa de Santo Antonio, Patrimônio da Cultura. Pega poeira e chuva se preciso for e toca nas margens do Rio São Francisco, Paulo Afonso e Delmiro Gouveia-Bahia. Vai alegrar os festejos de Teresina-Piauí. Caruaru, Pernambuco.

Seguindo o estradar e os sinais da vida do viajante Joquinha cumpre os compromissos de agenda puxando o fole e soltando a voz, valorizando a tradição e mostra para as novas gerações a contemporaneidade, modernidade dos acordes da sanfona modulada no ritmo, melodia e harmonia.

João Januário Maciel, o Joquinha Gonzaga é hoje um dos poucos descendentes vivos da família. Dos nove filhos de Santana e Januário, todos eles, ja morreram. Joquinha Gonzaga, nasceu no dia 01 de abril de 1952, filho de Raimunda Januário (Dona Muniz, segunda irmã de Luiz Gonzaga) e João Francisco Maciel.

Sara conta que Joquinha Gonzaga é o mais legítimo representante da arte de Luiz Gonzaga. Mora em Exu, Pernambuco.  "Sempre está  contando histórias. Não foge da tradição, das características do forró,  xote, baião. Procura sempre a melhor satisfação do público que tem uma admiração especial a família, a cultura de Luiz Gonzaga, Zé Gonzaga, Severino e Chiquinha também tocadores de sanfona e já se foram. O estilo musical não pode ser diferente. É gonzagueano", diz Sara, na vitalidade da juventude.

Joquinha conta que quando completou 23 anos começou a viajar com Luiz Gonzaga e foi aprendendo, conhecendo o Brasil inteiro. "Ele não só me incentivou, como também me educou como homem. Era uma pessoa muito exigente, gostava muito de cobrar da gente pelo bom comportamento. Sempre procurando ensinar o caminho certo. Tudo que ele aprendeu foi com o mundo e assim eu fui aprendendo", revela Joquinha.

Luiz Gonzaga declarou em público que Joquinha é o seguidor cultural da Família Gonzaga. Com Luiz Gonzaga cantou em dueto a música "Dá licença prá mais um'. Em 1998 Joquinha Gonzaga participou da homenagem "Tributo a Luiz Gonzaga", em Nova York, no Lincoln Center Festival.

“É emocionante a devoção que todo nós ainda hoje temos por Luiz Gonzaga e Dominguinhos e isto cresce a cada ano, mesmo com a invasão dessas bandas. Mas o importante é que o verdadeiro forró não morre”, diz Joquinha Gonzaga.

Contato para shows de Joquinha Gonzaga: (87) 999955829 e watsap: (87)999472323



Confira o valor pago aos cantores e bandas no São João 2017 de Petrolina


O vereador Gabriel Menezes divulgou em sua rede social os valores pagos aos artistas contratados no São Joao 2017 de Petrolina. De acordo com Gabriel houve uma cobrança feita através de requerimento aprovado  na Câmara Municipal de Petrolina e  a prefeitura finalmente está cumprindo a Lei Estadual 15.818/16 expondo uma placa com os valores das atrações do São João, seus valores e a origem dos recursos. "Mesmo de forma tímida e de costas para a entrada principal do evento, como algo intencionalmente escondido, a placa está lá", disse o vereador ressaltando que "se São João é bom, com transparência fica ainda melhor".
Confira a lista:
Aviões R$ 210.000,00
Léo Magalhães R$ 130.000,00
Gabriel Diniz R$ 110.000,00
Flávio José R$ 110.000,00
Césio Tenório R$ 4.000,00
Tayrone R$ 120.000,00
Márcia Felipe R$ 115.000,00
Forró Pegado R$ 60.000,00
Iohannes R$ 35.000,00
Jonathan Araújo R$ 5.000,00
Matheus e Kauan R$ 220.000,00
Solange Almeida R$ 150.000,00
Jonas Esticado R$ 100.000,00
Magníficos R$ 75.000,00
Pega Leve R$ 17.000,00
Jorge e Matheus R$ 490.000,00
Bell Marques R$ 250.000,00
Felipão R$ 37.500,00
Lenno R$ 20.000,00
Samuel M. de Rua R$ 4.000,00
Marília Mendonça R$ 350.000,00
Mano Walter R$ 90.000,00
Dorgival Dantas R$ 90.000,00
Ciel Rodrigues R$ 60.000,00
Targino Gondim R$ 45.000,00
Henrique e Juliano R$ 350.000,00
Simone e Simária R$ 250.000,00
Maciel Melo R$ 45.000,00
Wallas Arrais R$ 30.000,00
Pra Casar R$ 15.000,00
Wesley Safadão R$ 450.000,00
Israel Novaes R$ 90.000,00
Pablo R$ 100.000,00
Gean Mota R$ 15.000,00
Trio Granah R$ 5.000,00
Luan Santana R$ 245.000,00
Bruno e Marrone R$ 222.000,00
Pedrinho Pegação R$ 55.000,00
Wilson e Welson R$ 4.500,00
Andréa Vitória R$ 6.000,00
Toca do Vale R$ 80.000,00
Flávio Leandro R$ 35.000,00
Sérgio do Forró R$ 25.000,00
Guilherme Dantas R$ 12.500,00
Fabiana Santiago R$ 4.500,00


Festival de Inverno de Garanhuns 2017 homenageará Belchior

O Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), Agreste de Pernambuco, será realizado de 20 a 9 de julho e homenageará o cantor e compositor cearense Belchior. De acordo com a Secult-PE e a Fundarpe, a escolha se deu pela poética que traduz nossos anseios contemporâneos e a esperança que muitos brasileiros precisam vivenciar no Brasil de hoje.

Um concerto em homenagem a Belchior vai marcar a abertura oficial do FIG que, pelo segundo ano consecutivo, acontecerá na Catedral de Santo Antônio. A poesia de Belchior vai estampar a decoração da cidade durante o evento.

Outros dois espaços do FIG também prestarão homenagens a artistas nordestinos. A Praça da Palavra vai lembrar o centenário de Hermilo Borba Filho e e o Palco de Cultura Popular, a partir deste ano, passa a se chamar Palco da Cultura Popular Ariano Suassuna, para marcar o 90º aniversário do escritor paraibano.


Elba Ramalho: "Minha voz não carrega preconceito, açoite ou ofensa"

Essa entrevista surgiu de uma conversa de Elba Ramalho com o jornalista Hildebrando Neto, da TV Cabo Branco, Paraíba. Elba queria, de uma vez por todas, esclarecer alguns pontos dessa polêmica sobre a programação do São João. Segue a conversa.

Sílvio Osias – Uma entrevista que você deu em Pernambuco deflagrou um debate sobre a descaracterização das festas juninas no Nordeste. Para começarmos essa conversa, como você resumiria aquela fala?

*Elba Ramalho – O movimento Devolva Meu São João, lançado na rede e criado pelo sanfoneiro Chambinho ( que fez o papel de seu Luiz no filme De Pai prá Filho), ganhou adesão de todos os artistas regionais e se disseminou com muita força. Isto ocorreu logo após a apresentação das grades artísticas pelas prefeituras, bem antes da minha fala! Quis manifestar  meu apoio ao movimento, porque achei justo. Ratifico: só falei porque fui perguntada. Procurei ser delicada e democrática na minha fala, mesmo sabendo que poderia ser fogo em pólvora. Inicio dizendo: o céu é grande, cabem todas as estrelas e nenhuma atropela a outra. O resto, já sabemos. Não havia, de minha parte, revolta, nem discussão inflamada, porque isso não resolve, não auxilia nem ilumina.

A sua postura me pareceu muito clara. Mas nem todos entenderam assim. Que tipo de desconforto você enfrentou (e enfrenta) por causa desse debate?
*O desconforto maior veio nas palavras  de um jornalista campinense, coordenador de comunicação da prefeitura de Campina. Foi difícil digerir e compreender a razão de tanto ódio, destilado de forma deselegante contra minha pessoa. Coisas que um ser humano não deve fazer a outro. Faltou-lhe perseverança, pela função que exerce. Respondi desejando-lhe paz e bem. A partir daí, o que deveria ser um diálogo saudável, ganhou ares de competição, intolerância, infelizmente. Continuo em paz, aguardando o concurso sábio do tempo.

Vivemos no Brasil um momento de muita intolerância. Você acha que os desdobramentos desse debate, com alguns excessos de ambos os lados, têm a ver com isso?
*Vivemos debaixo do mesmo céu. Devemos buscar sempre a reconciliação e nunca a intolerância. Picasso disse, entre outras coisas: aprenda as regras como profissional para que possa quebrá-las como artista. Os debates que se seguiram saíram do limite da  tolerância, reconheço, de ambos os lados, mas não foram gerados por mim. Minha voz não carrega preconceito, açoite ou ofensa. Sou cristã e, apesar das confusões mentais geradas pela ignorância, continuo emanando luz na tentativa de dissipar as quimeras. Amo o que faço, respeito o que os outros fazem, isso é tudo. Espero que alcancemos o tempo onde falar sobre árvores não seja uma falta. O ministério que me foi dado por Deus não pode ser desacreditado, porque minha voz é verdadeira.

Os seus vínculos profundos com a música do Nordeste nunca lhe impediram de dialogar com outras expressões musicais. Tenho a impressão de que isso não ficou claro nessa discussão de agora. Você concorda?
*Sim, construí minha carreira sobre rochas, com os pés no Nordeste e os olhos no mundo. Meu diálogo com a música transpõe os muros do preconceito, repito. Não podemos limitar a música já que tem o poder de aproximar povos e promover a paz. Minha maior satisfação não é ter vendido milhões de discos, nem ganhar dinheiro, é dividir o palco com meus colegas. E não importa a nacionalidade, cor ou crença. Cantei com artistas diversos; cubano, venezuelano, chileno, porto-riquenho, americano, português, alemão, francês e até japonês. O Brasil é o celeiro da diversidade. Rico, vasto, com uma cultura híbrida, tudo parece estar junto e misturado. Aliás, tenho um projeto de verão que se chama Elba Convida, onde recebo, há mais de 15 anos, artistas de todos os segmentos da música brasileira no meu palco. Resumindo, no verão deste ano estiveram comigo: Zélia Duncan, Maria Gadú, Chico César, Ney Matogrosso, Timbalada, Mart’Nália, Samuel Rosa, Aline Rosa, Margareth Menezes, Simone e Simaria. Inclusive a própria Marília foi convidada, mas não obtivemos resposta.  Mas samba é samba, baião é baião, rock é rock, sertanejo é sertanejo.

Para além do mercado, para além da terceirização, você não acha que os gestores públicos devem ter um compromisso maior com a manutenção de algumas das nossas tradições?
*Chegamos ao cerne mais importante da questão. Esse discurso já foi conclamado por diversos artistas e não preciso citar nomes: a responsabilidade da preservação da cultura dessa ou daquela região está nas mãos de gestores, de curadores, ou seja, pessoas que são credenciadas para fazê-lo. Precisamos saber se essas pessoas têm consciência, responsabilidade e capacidade para gerarem arte e cultura devidamente.Uma modalidade musical pode ser arte ou show business para alguns. Para Miles Davis, jazz não era apenas jazz, para Almir Sater, sertanejo não é apenas sertanejo, para mim, forró não é apenas forró, mas o caminho pelo qual nos conectamos com o infinito.
Para Elba Ramalho, forró e São João não são assuntos de show business, vão além do cultural, alcançam o espiritual, o místico. Não tenho outros interesses nessa festa senão a emoção de ouvir a voz de seu Luiz, a sanfona de Dominguinhos e Sivuca, o pandeiro de Jackson, a voz de Marinês, o barulhinho bom dos trios regionais. Isso não é xenofobia, é afeto.

Numa mensagem ao prefeito de Campina Grande, você adotou um tom de conciliação, de harmonia, que tem a ver com a sua formação, com o que você é. Pra você, esse episódio está superado? O que teremos no seu show da noite do dia 23?
*Silvio, o conflito não edifica. O prefeito desejou falar comigo, ratificou sua admiração pelo meu trabalho e foi muito cortês. Reconheço que, ao terceirizar a festa, o risco que ele corre é muito grande porque qualquer equívoco lhe será atribuído. Música é também comércio e pode gerar muito, muito dinheiro. Ok, está tudo certo! O problema é a força da grana que ergue e pode destruir coisas belas. Respondi à sua gentileza com a mesma delicadeza que precede minhas ações neste mundo. Claro, estou ansiosa para cantar em Campina Grande, a cidade que me deu régua e compasso, no palco onde tudo começou. Desejo realmente que tudo seja passado a limpo. E passado. Isso só vai ocorrer se as coisas estiverem fundadas na VERDADE! Infelizmente, VERDADE não é base e ética de alguns profissionais. Só para atualizar, estou cantando nas grandes festas de São João do Brasil, pelo menos onde nossa música nordestina é considerada original, genuína. Muitas quadrilhas do Rio e São Paulo me homenageiam, contam minha história, o que muito me honra. Logo que acabem os festejos juninos, sigo para shows no Japão e na Europa. Quem estiver aberto a compreender minhas palavras vai saber que estão carregadas  de amor e de zelo. Aos amigos sertanejos, Zezé, Luciano, Chitão, Xororó, Daniel, Vanessa Camargo, Simone e Simaria e todos os  outros, digo: sejam bem vindos ao Maior São do Mundo. Sejam bem vindos também Zeca Pagodinho, Skank, Ney Matogrosso, Martinho da Vila, Zélia Duncan, Cidade Negra, Maria Gadú, Mestrinho, FalaMansa. Viva a democracia, viva a diversidade! No final, nada é entre você e os homens, mas tudo é entre você e Deus! É vida que segue! E viva São João do Carneirinho!


← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial