Comunidades festejam 34 anos sacerdócio de Padre Antonio

Padre Antonio de Jesus Moreno completou 34 anos de sacerdócio. As comemorações foram realizadas neste final de semana. Houve celebração de uma Missa em Ação de Graças e confraternização.

Fieis ligados as paróquias, movimentos sociais e sindicatos estiveram presentes. Padre Francisco destacou a trajetória de vida e obra de fé 
 que liga Padre Antonio ao setor de educação.


Natural do Maranhão. Antonio Moreno exerceu ministério nas paróquias Nossa Senhora das Dores em Petrolina, Paróquia São José, (Dormentes, PE) e São João Batista (Afrânio, PE), Paróquia São João Batista, João de Deus, Petrolina,  Paróquia Santa Teresinha (Cohab VI, Petrolina, PE);e Igreja do Bairro José e Maria.

Atualmente, Padre Antonio é diretor da Escola Dom Bom Bosco.

Padre Antonio é doutor em Ciências da Educação pela Universidade Pontifícia Salesiana de Roma, Itália, tendo defendido tese sobre “Educação Profissional e Tecnológica em uma Estratégia de Desenvolvimento Local”. Mestre em Ciências da Educação pela Universidade Pontifícia Salesiana de Roma, Itália;  Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, Itália; Especialista em Gestão do Desenvolvimento Local pelo Centro Internacional de Formação, OIT (Organização Internacional do Trabalho), Torino, Itália.

Em abril de 1991 ingressou através de concurso no Instituto Federal do Sertão- quando ainda era Escola Agrotécnica Federal Dom Avelar Brandão Vilela. Aposentou-se em julho de 2015.

Militante político de fortes convicções democráticas e populares, exerceu o mandato de vereador pelo Partido dos Trabalhadores no período de 2001 a 2004, destacando-se na luta pela implementação do Estatuto das Cidades e Reforma Urbana em Petrolina. Militante de movimento estudantil e popular em Recife e Petrolina desde o ano de 1976.


Maroca, Poroca e Indaiá: as ceguinhas de Campina Grande, Paraíba

Maroca, Poroca e Indaiá. Amanheci pensando nelas. Três irmãs cegas que cantavam no centro de Campina Grande, Paraíba, pedindo esmolas, na esquina da antiga e hoje extinta Livraria Pedrosa.

Regina Barbosa nasceu em 1940 é conhecida como “Poroca”. Maria Barbosa, nascida em 1944, é “Maroca” ou “Lia”. Nascida em 1950, Francisca da Conceição Barbosa, da mesma maneira, é conhecida por outros dois nomes: “Indaiá” ou “Gueão”.

As três são cegas de nascença e passaram a infância e juventude cantando nas feiras do interior dos Estados de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas e Paraíba.  Maria, Regina e Conceição, as três irmãs cegas acreditam no destino e dão uma lição de pureza e simplicidade como encaram a vida. O sofrimento não as tornou amargas.

As irmâs serão homenageadas hoje em Campina Grande durante o evento "Sextas Musicais", no Museu dos Três Pandeiros.

As 'ceguinhas de Campina Grande' tornaram-se conhecidas em todo o Brasil com a produção do filme 'A pessoa é para o que nasce', de direção de Roberto Berliner. O documentário conta a história delas. A trilha sonora do filme é de Hermeto Pascoal.

A vida de pedir esmolas nas ruas começou logo cedo. Maroca revela que começou a pedir na rua quando tinha sete anos. Poroca tinha oito. Ja Indaiá foi levada para a rua ainda mais cedo, com sete meses. E foi durante o período em que pediam esmolas, que elas aprenderam cantar e tocar ganzá.

“Depois que a gente aprendeu, a gente ficava tocando com o ganzá, o povo ouvia e dava as esmolas. Eles escutavam e paravam para olhar”, revela  Maroca.




Nando Cordel: o atual conteúdo das letras de músicas está atrofiando a mente das pessoas

O cantor e compositor pernambucano Nando Cordel, 62 anos, publicou um vídeo nas redes sociais, críticas à qualidade da música brasileira atual, considerada por ele "um lixo musical".

"Nós compositores estamos fazendo um trabalho muito triste atualmente na música popular brasileira. Uma música que está em um nível baixíssimo. Cheia de pornografia, cheia de convites para cair na gandaia. É uma música que está profundamente na lama, na lama podre", declara.

No desabafo, o compositor de De volta pro aconchego chama a atenção para o conteúdo das letras e influências na educação de crianças e jovens. "Essa música está atrofiando a mente das pessoas. Mexendo com as crianças e jovens. Na realidade, a música pode mudar a vida das pessoas completamente", explica.

Nando ainda fala sobre o poder de transformação que a música tem na sociedade. "A música veio para fazer o bem e embelezar as almas, e não para alienação total, como está acontecendo agora.
A gente precisa acordar e não deixar essa música dissolver a ética e a moral".

O artista, com mais de 25 discos gravados, ainda faz um apelo a todos os compositores: "Gostaria de dizer que nós precisamos refletir e oferecer uma música de qualidade, que eleva, que pode fazer você feliz. Pense numa música de paz e faça uma música melhor", conclui.

O vídeo repercutiu na página do Facebook oficial do cantor e já recebeu mais de 2 mil compartilhamentos, incluindo o do poeta caruaruense Petrúcio Amorim. "Assino em baixo meu irmãozinho Nando. Valeu!", escreveu.

Os internautas parabenizaram o artista pela atitude. "Concordo com tudo e também estou bem desanimado com o rumo que a música brasileira tomou", disse um internauta. "Nando, se eu já era seu fã, fiquei mais ainda. Sou músico, toco em bares e restaurantes e não tenho prazer nenhum em trabalhar, porque o que o público pede é degradante na maioria das vezes", desabafou outro.

Fonte: Diário de Pernambuco


Jogos Olímpicos, Música da melhor qualidade, desafios e vitórias

O filósofo Nietzsche afirma que  “a música nos oferece momentos de verdadeiro sentimento”, pois “só a música colocada ao lado do mundo pode nos dar uma idéia do que deve ser entendido por justificação do mundo como fenômeno estético” e que “a vida sem a música é simplesmente um erro, uma tarefa cansativa, um exílio”.

Schopenhauer dizia que "a música é a representação mais pura de todas as vontades, de todas as emoções".

A música permite que a criança brinque dentro de nós; que o monge dentro de nós reze; que o jovem dentro de nós dance e que o herói dentro de nós supere todos os obstáculos, ou quase todos...

Nestas citações, percebe-se o quanto a filosofia atribui à música a importância para o pensamento e para a vida e se relaciona à afirmação da existência humana.

O encerramento da Olimpíada 2016 foi marcado quando destacou a boa música e os vários aspectos da cultura brasileira.

Teve destaque até para Maciel Salú e sua rabeca. A memória e valor cultural de Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro fizeram o mundo se emocionar e dançar.

No repertório Chiclete com banana (de Jackson do Pandeiro), O canto da ema (de Alventino Cavalcanti, Aires Viana e João do Vale, A cantiga do sapo (de Jackson do Pandeiro e Buco do Pandeiro, Asa Branca-Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga e Sebastiana (de Rosil Cavalcanti).

O cantor e compositor recifense Lenine fez uma versão de Jacksoul brasileiro.

A cerimônia, com direção geral de Rosa Magalhães, Fernando Meirelles, Andrucha Waddington e Daniela Thoma, homenageou à Serra da Capivara e à arte rupestre. O artesanato foi celebrado com a tradicional Mulher rendeira, entoada pelas Ganhadeiras de Itapuã, de Salvador (Bahia).

O Grupo Corpo, de Belo Horizonte, dançou o xote Xiquexique, de Tom Zé e Zé Miguel Wisnik. Após a performance de dança contemporânea, a mais famosa canção de Luiz Gonzaga, Asa branca, foi tocada em gravação do próprio Rei do Baião e dançada por voluntários com figurino em alusão à cerâmica e à arte do Mestre Vitalino.

E assim o Brasil ganhou medalha de Ouro na categoria melhor música.


Geneton Moraes Neto: morreu um nome sinônimo do melhor jornalismo

O jornalista e escritor Geneton Moraes Neto morreu no Rio, aos 60 anos. Pernambucano, um sinônimo de quem sabia fazer o melhor jornalismo. Com mais de 40 anos de carreira no jornalismo, Geneton era um apaixonado pelo exercício da reportagem, função que ele afirmava ser a "realmente importante" no jornalismo.

Dizia sempre que Todo profissional precisa de uma bandeira. "Escolhi uma: fazer Jornalismo é produzir memória. De certa forma, é o que me move"

Começou no jornalismo impresso, no Diário de Pernambuco, depois foi para a sucursal Nordeste do Estado de S. Paulo,  sempre como repórter. Passou uma temporada em Paris, onde trabalhou como camareiro, motorista e estudou cinema na Universidade Sorbonne.

De volta ao Brasil, foi editor e repórter da Rede Globo Nordeste e depois na Rede Globo Rio.

Foi editor executivo do Jornal da Globo e do Jornal Nacional, correspondente da GloboNews e do jornal O Globo em Londres, repórter e editor-chefe do Fantástico. Na GloboNews desde 2006, estava à frente do programa Dossiê. Em agosto de 2009, estreou um blog no G1, que manteve atualizado até abril de 2016.

Geneton também era escritor: publicou oito livros de reportagem e entrevistas. E seguiu o caminho dos documentários, o mais recente sobre Glauber Rocha.

Pernambucano, nasceu, como gostava de enfatizar, "numa sexta-feira 13 [de julho], num beco sem saída, numa cidade pobre da América do Sul: Recife". Saiu do referido beco sem saída para ganhar o mundo fazendo jornalismo. Seus primeiros passos na profissão foram aos 13 anos de idade, escrevendo artigos amadores para o "Diário de Pernambuco" onde, poucos anos depois, conseguiu seu primeiro emprego.

Em 2010, ao receber o prêmio Embratel de jornalismo, Geneton publicou em seu blog "pequena carta aos que gastam sola de sapato fazendo Jornalismo". Escreveu que "fazer Jornalismo é saber que existirá sempre uma maneira atraente de contar o que se viu e ouviu" e outros lemas.

O jornalista também produziu documentários como o “Canções do Exílio”, exibido no Canal Brasil, com depoimentos de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Jorge Mautner e Jards Macalé, sobre o período em que moraram em Londres, e “Garrafas ao Mar: a Víbora Manda Lembranças”, que reúne entrevistas que ele gravou nos 20 anos de convivência com o jornalista Joel Silveira, um dos maiores repórteres brasileiros.

Em 2012, Geneton recebeu a Medalha João Ribeiro concedida anualmente pela Academia Brasileira de Letras (ABL) a personalidades que se destacam na área de cultura.


Em defesa de Luiz Gonzaga, Parque Asa Branca e da nossa memória afetiva

A triste e assustadora reportagem veiculada pela TV Grande Rio/Globo, do possível fechamento do Parque Asa Branca, localizado em Exu, Terra de Luiz Gonzaga, lugar que guarda parte da memória do  Rei do Baião, merece reflexão. No parque está o Museu do Gonzagão.

Para onde está caminhando a Política Cultural brasileira?

A revitalização do museu mais  brasileiro e do patrimônio histórico ali representado deveria ser uma das prioridades do Ministério da Cultura. O Museu Gonzagão dever ficar sempre aberto à vida que há fora deles.

Este assunto evoca os versos de uma canção: "Tanta saudade preservada num velho baú de prata dentro de mim / Digo num velho baú de prata porque prata é a luz do luar". Este baú é como um museu pessoal, o museu que todos temos, feito de lembranças, quinquilharias e reminiscências que alimentam o nosso presente. Como todos os museus pessoais, o da canção tem "qualquer coisa" que vai além do "eu".

Gilberto Gil, ex-ministro da cultura disse que há um momento e um território em que o canto da memória se encontra com outras memórias e outros cantos. E se transforma a partir dos encontros feitos. Os museus de pedra e cal e os museus virtuais são baús abertos da memória afetiva da sociedade, da subjetividade coletiva do país, da soma dos museus pessoais.

O Parque Asa Branca merece atenção e não pode fechar! É preciso que o Museu do Gonzagão se mantenha vivo e pulse, consagrando o jogo de tradição e invenção que dialeticamente marca a construção da cultura brasileira.

O Museu de Luiz Gonzaga em Exu, têm cheiro de vida e nele está o alimento, a raiz da música mais brasileira inspirada no toque da sanfona de Luiz Gonzaga, de seus compositores e seguidores.

E esta raiz remete ao cosmo (e ao caos) das musas. O museu é a casa das musas. E não por acaso a musa da música tem lugar privilegiado no Templo das Musas, no museu das artes, no panteão das musas que desde a mitologia grega são as inspiradoras de toda arte, de toda criação humana. Os museus abrigam o que fomos e o que somos. E inspiram o que seremos.

O Parque Asa Branca precisa ser visto como um lugar de criação, diálogo e preservação do aqui e do agora. Esta noção está na base dos esforços de todos que preservam a memória e história de Luiz Gonzaga.

Os museus são "pontos de cultura". O Parque Asa Branca deve cumprir um papel de referência e base para o futuro da cultura. O Museu Gonzagão significa música e poesia para os nossos corpos, mentes e espíritos.


Parque Asa Branca em Exu passa por dificuldades financeiras

O maior acervo do trabalho e da vida de Luiz Gonzaga encontra-se no Parque Aza Branca, uma espécie de museu que fica na cidade de Exu, no Sertão de Pernambuco. Devido a falta de recursos, dificuldades de manter as despesas com funcionários e a manutenção, o espaço poderá fechar as portas.

Desde o ano de 1999, o parque é administrado por uma Organização Não governamental (ONG), mas ela está tendo dificuldade de manter o funcionamento. “A ong tem dez funcionários de carteira assinada, o que dá uma folha de pagamento de R$12 mil reais, quando você soma todas as despesas fixas, com outras despesas que nós temos, a gente soma R$20 mil reais de despesas fixas por mês. Estamos arrecadando em torno de R$10 a R$12 mil reais”, explica o presidente da Ong Parque Aza Branca, Júnior Parente.

Segundo Júnior, o governo do estado que sempre foi um dos parceiros na manutenção do local, não está mais tão presente como antes. “A parceria do governo estadual, nesses últimos anos, vem sendo quase que exclusivamente para promoção de festas”.

Uma reserva financeira dos tempos em que o número de visitas era maior é que está mantendo o parque aberto. Mas, o dinheiro deve acabar em seis meses. A funcionária Milena da Costa disse que houve queda no número de visitantes do parque. “De um ano pra cá ,o movimento caiu mais de 50%”, revela.

Uma das fontes de renda do parque é a vendas de lembrancinhas e cobrança da entrada que custa R$4. “A gente passa aqui pra reviver essa história tão bonita de Luiz Gonzaga e comprar essa lembrancinha para levar para os nossos familiares e amigos”, conta o empresário Sandro Pereira.

No parque fica a casa que Luiz Gonzaga morou com os móveis da época, o mausoléu, onde o corpo do rei do baião está sepultado. Além da réplica da casa de reboco, onde o músico nasceu e o pé de juazeiro, cantinho de muitos encontros.

Fonte: G1


Luiz Gonzaga: alma brasileira

O Brasil celebrou os 27 anos da morte do cantor e compositor Luiz Gonzaga, o rei do baião. Luiz Gonzaga, o Lua como também era conhecido, foi essencialmente um telúrico. Ele soube como ninguém cantar o Nordeste e seus problemas. Pernambucano, nordestino, brasileiro, Luiz Gonzaga encantou o Brasil com sua música, tornando-se um daqueles que melhor souberam interpretar sua alma.

Nascido em Exu, no alto sertão de Pernambuco, na chapada do Araripe, ele ganhou o Brasil e o mundo, mas nunca se esqueceu de sua origem. Sua música, precursora da música brasileira, é algo que, embora não possa ser classificada como "de protesto", ou engajada, é, contudo, politicamente comprometida com a busca de solução para a questão regional nordestina, com o desafio de um desenvolvimento nacional mais homogêneo, mais orgânico e menos injusto, portanto.
Telúrico sem ser provinciano, Luiz Gonzaga sabia manter-se preso às circunstâncias regionais sem perder de vista o universal.

Sua sensibilidade para com os problemas sociais, sobretudo nas músicas em parceria com Zé Dantas, era evidente: prenhe de inconformismo, denúncia do abandono a que ainda hoje está sujeito pelo menos um terço da população brasileira, mormente a que vive no chamado semi-árido.

Não estaria exagerando se dissesse que Gonzaga, embora não tivesse exercido atividade política ou partidária, foi um político na acepção ampla do termo. Política, bem o sabemos, é a realização de objetivos coletivos e não se efetua apenas por meio do exercício de cargos públicos, que ele nunca teve. Política é sobretudo ação a serviço da comunidade. Como afirma Alceu Amoroso Lima, é saber, virtude e arte do bem comum.

Outro aspecto político da presença de Luiz Gonzaga foi no resgate da música popular brasileira. O vigor de suas toadas e cantorias tonificou a nossa música, retirando-a do empobrecimento cultural em que se encontrava. Sua música teve um viés nacionalista, ou melhor, brasileiríssimo, que impediu que lavrasse um processo de perda de nossa identidade cultural. Não foi uma música apenas nordestina, mas genuinamente nacional, posto que de defesa de nossas tradições e evocação de nossos valores.

Luiz Gonzaga interpretou o sofrimento e também as poucas alegrias de sua gente. Mas foi por meio de "Asa Branca" que Lua elevou à condição de epopéia a questão nordestina. Certa feita, Gilberto Freyre afirmou que o frevo "Vassourinhas" era nossa marselhesa. Poderíamos dizer, parafraseando Gilberto Freyre, que "Asa Branca" é o hino do Nordeste: o Nordeste na sua visão mais significativamente dramática, o Nordeste na aguda crise da seca.

Gilberto Amado disse a propósito da morte de sua mãe: "Apagou-se aquela luz no meio de todos nós". Para o Nordeste, e tenho certeza para todo o país, a morte de Luiz Gonzaga foi o apagar de um grande clarão. Mas com seu desaparecimento não cessou de florescer a mensagem que deixou, por meio da poesia, da música e da divulgação da cultura do Nordeste.

Em sua obra ele está vivo e vive no sertão, no pampa, na cidade grande, na boca do povo, no gemer da sanfona, no coração e na alma da gente brasileira, pois, como disse Fernando Pessoa, "quem, morrendo, deixa escrito um belo verso, deixou mais ricos os céus e a terra, e mais emotivamente misteriosa a razão de haver estrelas e gente".

Fonte: Marco Maciel, foi vice-presidente da República. Foi governador do Estado de Pernambuco (1979-82), senador pelo PFL-PE (1982-94) e ministro da Educação (governo Sarney).


Jornalista Ney Vital é escolhido para ser membro do Conselho de Cultura do Parque Aza Branca, Exu- Terra de Luiz Gonzaga

O jornalista Ney Vital é o mais novo membro do Conselho de Cultura da ONG-Parque Aza Branca, Exu, Pernambuco. O Parque Aza Branca é um patrimônio cultural do povo brasileiro e nele está o Museu de Luiz Gonzaga.

O dia da posse ainda não foi divulgado. Na justificativa, o nome de Ney Vital foi proposto pelos relevantes serviços prestados a cultura. Ney Vital já foi secretário de comunicação da prefeitura de Petrolina, Pernambuco,  ex-secretário de cultura de Areia, Paraiba, cidade Patrimônio Nacional da Cultura e assessor de imprensa do Incra Submédio São Franscisco.

Ney Vital em 2012, ano do Centenário de Luiz Gonzaga, recebeu da Assembleia Legislativa de Pernambuco, homenagem pela ampla divulgação, contribuição dada à cultura, literatura e à música brasileira, em especial vida e obra de Luiz Gonzaga.

"Aumenta o compromisso! A missão dos conselheiros é valorizar a vida e obra de Luiz Gonzaga, buscar caminhos de uma política cultural mais justa. O compromisso é mais forte agora para ampliar a consciência dos nossos valores mais brasileiros", finalizou Ney Vital.

O Parque Aza Branca, além do Museu do Gonzagão e da Casa de Luiz Gonzaga, o parque abriga também outras instalações, como o Ponto de Cultura Alegria Pé-de-Serra, o Mausoléu de Gonzagão (onde se encontram os restos mortais do Rei do Baião), dois palcos para eventos e ainda duas pousadas, denominadas Santana e Januário – em homenagem a sua mãe e a seu pai. Abrigando um cenário típico do Sertão pernambucano, o parque conta ainda com um viveiro de pássaros da espécie asa branca, além de juazeiros e cactáceos distribuídos por todo o local.


Luiz Gonzaga é o pai do ritmo Baião

Luiz Gonzaga, por meio da sua música, deu origem a uma das mais significativas representações da cultura brasileira. Sua música e o baião, sua mais expressiva criação, revolucionaram o imaginário do povo brasileiro. Um universo ímpar de significações que alargou as fronteiras da nossa identidade nacional, incluindo o povo nordestino no imaginário do Brasil.

Há quem diga que o Nordeste, tal qual o compreendemos, foi uma invenção de Seu Lua. A grandeza de sua obra fez dele um dos representantes mais ilustres da cultura brasileira, pelo que dela ele soube traduzir e o que a ela soube, com sua genialidade, acrescentar.

Ainda jovem, tornou-se um símbolo do país inteiro. Entre meados das décadas de 1940 e 1950, o baião foi o estilo musical mais tocado no Brasil. O baião é, reconhecidamente, tanto quanto o samba, uma expressão brasileira, por excelência. Em qualquer parte deste planeta. E Luiz Gonzaga, o maior ídolo da música brasileira. Desde então, nunca mais deixou de ser ouvido, tocado e composto.

Luiz Gonzaga foi uma dádiva para nossa formação cultural em momento de grande expansão urbana. Gonzaga surgiu para o Brasil no Rio de Janeiro num momento privilegiado. A indústria do disco e a rede radiofônica já tinham a maturidade tecnológica e cultural, para entender um talento como o seu, capaz de unir o país de ponta a ponta, com alto nível de qualidade e elaboração.

Luiz urbanizou sua tradição, predominantemente rural e interiorana. Como todo grande artista, foi capaz de traduzir o seu mundo, universalizando-o; capaz de absorver em seu processo criativo toda a vivência cultural dos nordestinos e torná-las objeto de admiração e de afeto para milhões de brasileiros.

O Brasil é um país tão extenso e tão diverso que precisa ser o tempo todo ser apresentado a si mesmo. Foi isso o que Seu Luiz fez, apresentou ao Brasil um Nordeste que o Brasil desconhecia. Um mundo cheio de novidades, dores e belezas.

Poucos terão cantado tão bem quanto ele e seus parceiros os dramas do povo nordestino; mas, acima de tudo, foi a alegria de viver do nordestino que ele mais intensamente nos revelou. Muitos brasileiros aprenderam a amar e respeitar o Nordeste depois de serem cativados pela rara beleza da voz confiante de Gonzagão, e pelo seu sorriso, exprimindo uma inabalável alegria de viver.

Gonzaga surgiu como representante típico da massa cabocla do sertão. Destinado a plantar no coração da metrópole as sonoridades, os versos e a memória coletiva de um povo que nunca sonhava em ir para a cidade, e só o fazia quando o seu mundo começava a se acabar, pelo latifúndio, pela seca e falta de oportunidade.

Como o ex-presidente Lula. Outro ilustre brasileiro oriundo dessa tragédia nordestina.


Fonte: Juca Ferreira, ex-ministro de Estado da Cultura.


Era uma certa vez...a carimbamba cantava assim

Em algum ano da década de 70, talvez início de 80, essa data flutua e se move no turbilhão de fatos de minha pré-adolescência, eu ouvi com o coração que a terra há de sentir algum dia, próximo ou longínquo que seja, em alguma estação de rádio do Crato ou do Juazeiro do Ceará, a canção fatal que determinaria minha vida: Amanhã Eu Vou, de Beduíno e Luiz Gonzaga. Não tardou muito para eu ver Elba Ramalho num desses festivais de inverno, de Areia ou de Campina Grande, também foge-me, mas era Elba, tão linda e tão senhora de si, cantando a mesma canção.

Estranhava-me a história desse pássaro chamado de carimbamba do qual nunca ouvira falar, sequer ouvira seu canto que grassava na noite a onomatopeia "amanhã eu vou". Com os parcos recursos de pesquisa da época saí em busca dessa ave. E encontrei em seu Carneiro, um poeta que morava na única casa do final da Rua do Bode e a primeira do que chamou-se mais tarde a Rua Nova, entrando por um pedaço do sítio de Pedro Perazzo, encontrei nele a luz. A carimbamba era o mesmo bacurau, é o mesmo curiango. Esse eu conhecia. Um pássaro cuja mola no pescoço o fazia dar um giro de 360º,

Mas acreditem, nunca associei o canto do bacurau a "amanhã eu vou". Foi Luiz Gonzaga quem ensinou-me a voz, a língua e a canção do pássaro. E, junto com isso, destrinçou-me a lenda de Rosa Bela, a encantada donzela a adentrar a lagoa fria, hipnotizada pela canção atravessada no peito da ave mágica. A canção apresentou-me também o elemento vegetal, a taboa, com a qual sempre brincávamos nos escondendo por dentro dela no açude de Seu Juju, e o elemental Caboclo d'Água, aquele responsável por carregar tantos amigos para o reino paralelo da morte nas profundezas.

Fonte: Aderaldo Luciano-professor. Doutor em Ciência da Literatura.


Encontro Gerações Tocadores da Sanfona de 8 Baixos

Um encontro entre o mestre e o aprendiz, a modernidade e a tradição, a experiência e a juventude, em mais um festejo de alegria e homenagem ao fole de 8 baixos!

Trata-se do “Encontro de Gerações de Tocadores de 8 Baixos”, que acontecerá no Centro Cultural Parque das Ruínas - Santa Teresa - Rio de Janeiro, no dia 04 de setembro . O evento promoverá a participação de tocadores da sanfona de 8 Baixos do Cariri do Ceará, da cidade de Assaré, Ceará. Um dos homenageados sera  o mestre Chico Paes, o vovô dos 8 baixos, que com seus 90 anos de idade, mantém uma agilidade e técnica exemplar tocando fole.

Participa do encontro o mestre, Mará integrante do “Núcleo de Pesquisas e Expressão da sanfona de 8 Baixos do Brasil”, sanfoneiro das bandas Forróçacana e Tribo de Gonzaga, violoncelista, produtor e arranjador musical. Mestre Mará se dedica às pesquisas, estudos, resgate e a divulgação do fole de 8 baixos no Brasil.

Juntos, Chico Paes e Mará receberão ilustres convidados como o mestre Zé Calixto, Leo Rugero, Marcelo Mimoso, Rodrigo Ramalho, Beto Lemos e Geraldo Júnior , conterraneos do mestre, que trazem em seu matulão a poesia e a abundante arte do Cariri. 

EVENTO: Encontro de Gerações de Tocadores de 8 Baixos - Homenagem ao Mestre Tocador de 8 Baixos Chico Paes de Assaré - Cariri do Ceará
DIA: 04/09/16
HORA: Das 15h até as 17h
LOCAL: Centro Cultural Parque das Ruínas
Rua Murtinho Nobre, 169 - Santa Teresa - Rio de Janeiro


REALIZAÇÃO:
Núcleo de Pesquisas e Expressão da Sanfona de 8 Baixos do Brasil


31 de agosto: Jackson do Pandeiro a caminho dos 100 anos

Quem visita Alagoa Grande, situada na região do brejo paraibano, Serra da Borborema, não pode deixar de visitar um casarão azul construído em 1898, na Rua Apolônio Zenaide, centro da cidade. No prédio está a memória e os restos mortais de um dos artistas mais representativos da cultura brasileira: José Gomes Filho, o Jackson do Pandeiro.

O Memorial Jackson do Pandeiro, criado em 2008, possui um grande acervo composto por discos, documentos, vestimentas, imagens e os indefectíveis chapéus usados pelo cantor, que nasceu em 31 de agosto de 1919 e morreu em Brasília, em 10 de julho de 1982. 

“O memorial já foi visitado por mais de 100 mil pessoas vindas de várias partes do país. “Foi um artista que nunca cantava duas vezes uma música da mesma maneira, sabia dividir os compassos da música nordestina com maestria”, afirma o jornalista e historiador da música brasileira Rodrigo Faour, curador da recém-lançada caixa Jackson do Pandeiro — O Rei do Ritmo (Universal Music).

“Há anos, eu queria relançar esse repertório. Quando a Universal veio com essa ideia, eu, na mesma hora, vesti a camisa e revisei o levantamento que eu já tinha feito. Pedi ajuda a alguns amigos e cheguei à seleção final”, destaca Faour sobre a obra com clássicos como Chiclete com banana e O canto da ema.

Em entrevista, o pesquisador lista os empecilhos que teve de enfrentar para a composição da caixa que contém 235 músicas. Ao todo, são 15 discos agrupados em nove CDs. Esses álbuns (compactos e long plays) foram lançados originalmente nos anos 1960 e 1970.

 “Esbarrei com um monte de problemas: canções não editadas, autores falecidos, autores que não deixaram herdeiros oficiais, capas originais dificílimas de conseguir... Por isso demorou anos e anos para a caixa sair”, lamenta.



Manoel Magalhães: A morte não consegue fechar os olhos dos que trabalharam por uma causa justa

Há dois anos os Rádios e os jornais do sul do Ceará anunciaram a morte do ex-presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santana do Cariri, Manoel Magalhaes.

Tive o prazer de conhecer este senhor de 94 anos, numa visita ao Crato, lugar que ele morava. Devido a doença não falava. Todavia o seu olhar confirmava acompanhado com um sorriso tudo que o genro,  as filhas e netos me contavam.

Histórias de um homem que amava a agricultura e as paisagens rurais dos verdes canaviais. Cada gesto me faz lembrar do meu avô Antonio Vital e de um amigo: Vicente Jeronimo.  Manoel Magalhaes me fez lembrar muito a altivez desses dois amigos, meu avô e Vicente  Jeronimo, um socialista convicto da partilha do pão..

Seu Manoel Magalhães viveu junto com Dona Lorita mais de 70 anos. Deixou os frutos de 5 filhos, 18 netos, 11 bisnetos e 1 tataraneto. Gostava de sentar a mesa da cozinha e conversar. Participei no Crato de uma dessas rodas de conversa regado a café!

E a cada prosa percebia  o elo de dedicação do sr Manoel a causa dos trabalhadores rurais e  isto me fez  reportar de um agricultor que nos deixou em agosto de 1962. João Pedro. João Pedro Teixeira foi  líder e fundador das Ligas Camponesas.

O poeta e político Raymundo Asfora escreveu que a morte não consegue fechar os olhos dos que trabalharam por uma causa justa. "Os olhos Brilham numa expressão misteriosa, como se tivessem sido tocados por um clarão de eternidade. Os seus olhos, os olhos de um agricultor morto, ficam  escancarados para a tarde. E, dentro deles, eu vi – juro que eu vi – havia uma réstia verde que bem poderia ser saudade dos campos ou o fogo da esperança que não se apagara".

É certo que na morada do Pai Superior existe outros caminhos e nesta nova caminhada sr Manoel Magalhães vai se juntar novamente há  tantos homens sem terra e tantos homens aflitos e tantos homens de coragem, Compenetrados de consciência de classe, do valor da disciplina e da coesão, mobilizados ardentemente, em cada feira e em cada roçado.

João Pedro, Vicente Jeronimo, Zumbi dos Palmares, Antonio Vital,  Manoel Magalhães, Patativa do Assaré não morreram! Nas palavras de Asfora, estes agora  são zumbis. "Sombra que se alonga pelos canaviais, que bate forte na porta das casas grandes e dos engenhos, que povoa a reunião de cada sindicato, que grita na voz do vento dentro da noite, e pede justiça, e clama justiça social.  Vozes que passeiam pelas estradas,  que fala, pela boca de milhares que amam seu pedaço de terra."


Sandra Mara: Comunicação e Educação-diálagos possíveis

O livro "Comunicação e educação: diálogos possíveis", é uma dica de leitura. Organizado pelos professores Sandra Mara de Oliveira Souza e Sebastião Faustino Pereira Filho, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), e Márcia Barbosa da Silva, da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

A ideia do livro surgiu a partir dos encontros e muitas conversas realizadas entre pesquisadores da UFRN, UEPG, Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e Universidad Nacional de Cuyo, na Argentina (UNCUYO). Os pesquisadores compõem um grupo de estudos interinstitucional com a perspectiva de contribuir com a construção de uma teia de pensamento sobre a interseção dos campos da Comunicação e Educação. A publicação é da Editora da UFRN (EDUFRN).

Sandra Mara em sua tese de doutorado, aponta que o diálogo figura como condição essencial para a plena efetivação da Comunicação. "Em Paulo Freire, encontramos uma concepção de diálogo que se expressa, fundamentalmente, em duas dimensões: por um lado, no encontro de subjetividades; por outro, na ação. O diálogo não seria, portanto, um pensar para , mas, um pensar com", explica Sandra.

De acordo com Sandra, a idéia de comunicação dialógica de Paulo Freire, baseia-se no respeito pelo outro, não visa acomodação ou ajustamento, mas enfatiza a integração que torna o homem sujeito de suas ações e o afasta da condição de objeto, do dominado, sem vez e voz.

Sandra Mara é jornalista. Mestre e doutora em educação. Roteirista e diretora de programas educativos e culturais. Atuou como diretora da FM Universitária do Rio Grande do Norte.


Livro Blog do Noblat será lançado na Feira do Livro do Vale do São Francisco

A jornalista e professora, Teresa Leonel, lançará seu livro ‘Blog do Noblat: estilo e autoria em jornalismo’ neste sábado (6), durante a 3ª Feira do Livro do Vale do São Francisco, no Centro de Convenções Senador Nilo Coelho, em Petrolina, das 15h às 16h.

De acordo com a autora, a obra pretende estimular uma discussão sobre a prática jornalística no blog, a interação entre o produtor de conteúdo e o internauta e a possibilidade de outros formatos comunicacionais a partir dessa dinâmica.

“Nas pesquisas de comunicação no ciberespaço, o blog noticioso ganha corpo como objeto de estudo de gêneros jornalísticos. E este livro faz uma investigação (um recorte) do Blog do Noblat para compreender o conjunto de traços que caracterizam a marca do jornalista-blogueiro e que personificam o estilo do autor a partir da sua produção“, ressalta.

O trabalho é fruto da dissertação de Mestrado da autora. A pesquisa apresenta uma prática de produção de conteúdo tanto de modo interativo, com participação do internauta, como de forma impositiva pelo produtor.


Valdi Jr, um exuense com a dinânica universal da música

Valdi Jr, 23 anos, é natural de Exu, sertão pernambucano, terra do Mestre Luiz Gonzaga. Sua relação com a música começou quando ele era ainda criança. Filho de Valdi Geraldo Teixeira, músico que atuou junto ao Rei do Baião, o jovem recebia diariamente do pai, doses generosas do amor pela música de raiz.

Com a infância repleta de ensaios e shows realizados pelo pai, Valdi construiu nas brincadeiras de criança o sonho de trabalhar com a música. Aos 9 anos teve seu primeiro contato com um instrumento musical, a sanfona. Mas foi aos 10 anos que recebeu do pai o que seria o seu melhor e fiel amigo, o violão. Instrumento que aprendeu a manusear praticamente de forma autodidata, contanto apenas com a ajuda da internet.

Porém, o tocar não era suficiente para o menino de mente e pés inquietos. Durante a adolescência, conheceu a dança, o Break da cultura Hip-Hop e foi nesse período que sua cartela musical foi sendo ampliada. O xote, o baião e o xaxado, típicos da sua região, ganharam a companhia de novos ritmos como o Rap, o blues e a MPB de Caetano Veloso e Djavan.

Aos 17 anos iniciou sua trajetória artística, com pequenas apresentações. Entre os anos de 2013 e 2014, com a ajuda do amigo Jonnez Bezerra, com quem trabalha até hoje, produziu o primeiro show profissional, com apresentações em barzinhos nos estados de Pernambuco e Ceará.

Em 2015  passou de intérprete a autor. Suas primeiras composições foram apresentadas no Festival Equalize, realizado na cidade do Crato, Ceará. De lá pra cá, não parou mais. A boa aceitação do público mexeu com a criatividade e expandiu os horizontes do compositor que em março de 2016 lança o primeiro EP que leva o nome da música autoral, carro chefe de suas apresentações, Pelo Avesso, música premiada como 3º melhor no FEMUB 2015. No EP tem ainda as músicas Marionete, Sinais, Renascer do Sopro, Te Deixar, todas autorais.

O estilo envolvente e contagiante das músicas de Valdi Jr rendeu elogios e parcerias ilustres como a participação da cantora Nuria Mallena, na gravação do vídeo da música Pelo Avesso que pode ser encontrada no YouTube.

Hoje, além das músicas autorais, o show tem o toque diferenciado com interpretações como Respeita Januário, de Luiz Gonzaga, tocada em Rockabilly, a música Juazeiro no estilo Blues. Uma perfeita harmonização onde o acordeom, típico da cultura nordestina, guitarras do rock e o violão da MPB dividem o mesmo palco, lado a lado.

Para o futuro, o que se esperar de um jovem com mente visionária, inquieta e cheia de estilo? 
Sucesso e a certeza que Luiz Gonzaga aplaude mais um filho musical que sabe o valor e produzir para o cenário universal.


← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial