Humberto Gessinger, Rock, Sanfona e Baião

Sanfona Luiz Carlos Borges e Humberto Gessinger
Um dos melhores álbuns do ano, InSULar, de Humberto Gessinger, foi indicado ao Grammy Latino, na categoria melhor álbum de rock.

Vi e escutei o DVD. Fiquei emocionado com a harmonia e parceria de Humberto com o mestre da sanfona Luiz Carlos Borges. Eles interpretam Deserto Freezer, com Borges  na sanfona. Humberto fala que ele faz uns improvisos tão maravilhosos

A letra diz:  "Se é o medo que te move, não se mexa,fique onde está. Se é o ódio que te inspira,não respire o ar viciado deste lugar. Eu tenho medo do medo que as pessoas têm. (...) O mal nasce do medo da escuridão. Nesse deserto freezer,carnaval e solidão andam lado a lado em perfeito estado de conservação. É um navio fantasma, um cemitério de automóveis,é um deserto freezer, zero kelvin, perfeição."

Em seu  blog, Humberto, falou sobre a experiência:  “Compus, ensaiei, gravei, mixei, lancei… e dei um tempo pra esquecer e tentar ouvir o Insular de forma menos cerebral. Quase sempre é necessário; só às vezes é possível. Cada vez mais, tento viver as paixões em vez de falar delas”.

Viver as paixões! Reportei-me a paixão que Luiz Gonzaga tinha pela música. Andou de mãos dadas com vários ritmos: jazz, blues e rock. Gostava o Rei do Baião de música boa, com ritmo, harmonia e melodia.  Luiz Gonzaga nos anos 50 já aplaudia a gravação da pioneira "Baião Rock", gravada por Jair Alves, que recebeu o título de Príncipe do Baião.

Era tamanho o amor paixão tinha pelos ritmos que o instrumentista Zé da Flauta conta que em um dos seus inúmeros contatos com Dominguinhos e Luiz Gonzaga, Zé da Flauta apresentou a famosa balada Starway to heaven, do grupo inglês, para o mestre da sanfona. “Ele prestou bastante atenção e, depois de ouvir a música inteira, elogiou tudo, a melodia"... lembra Zé.

Outro fato aconteceu Durante o tempo em que Zé da Flauta tocou com o Quinteto Violado, a banda fez duas grandes turnês viajando e tocando junto com Luiz Gonzaga. Numa das viagens, feita num ônibus alugado pelo grupo, a rádio tocava uma música de Bob Marley, a qual o Rei do Baião acompanhava o ritmo batendo com o dedo no braço da poltrona. Vendo a cena, Zé da Flauta perguntou: “Curtindo um reggae aí, seu Luiz?”. Ao que o mestre respondeu: “Reggae? Isso é um xote metido a besta, rapaz!”.

Não é por acaso que Raul Seixas disse que havia uma ponte caminho entre o trabalho de Luiz Gonzaga e Elvis Presley.

Enfim...a indicação de Humberto Gessinger já é considerada uma vitória da música brasileira, universal.
Cobrinha, Coroné, Roberto Carlos e Lindu

A 16ª edição do Grammy Latino acontece dia 19 de novembro em Las Vegas e vai homenagear Roberto Carlos. Roberto Carlos que um dia se deixou fotografar com o Trio Nordestino, trio que na época usava sanfona, zabumba e triangulo, uma autêntica orquestra...mas isto é assunto para outro dia de prosa.


À memória de um garoto morto

Peço emprestado a Edvard Munch O Grito e a expressão de horror, angústia e aflição que desde 1893 impregna, com suas turbulentas cores, a consciência universal.

Convoco Pablo Picasso, com todos os seus pincéis, para lançar tintas em uma nova Guernica e denunciar o mar de corpos a boiar num líquido cemitério em águas do Mar Mediterrâneo.

Clamo por Castro Alves, para que pegue novamente a pena para escrever sobre esses infaustos navios de desesperados imigrantes, frágeis e superlotadas embarcações que empilham escravos de um tempo de novas infâmias e violências, 500 anos depois daqueles navios negreiros chorados em versos que nos parecem tão atuais: “Senhor Deus dos desgraçados! / Dizei-me vós, Senhor Deus! / Se é loucura… se é verdade / Tanto horror perante os céus?! / Ó mar, por que não apagas / Co’a esponja de tuas vagas / De teu manto este borrão?… / Astros! noites! tempestades! / Varrei os mares, tufão!”

Que se levante Candido Portinari e sua Criança Morta nos braços maternos de uma família de retirantes. Quem vai consolar e pintar a dor de Abdullah Kurdi, o pai que chora a morte da esposa Rehan e dos filhos Galip e Aylan, o pequeno, que não pôde sequer segurar nos braços e que veio terminar a sua jornada de esperança no embalo das ondas, na beira do mar?

Diria Fernando Pessoa, quem sabe, como um insuficiente réquiem: “A morte chega cedo, / Pois breve é toda vida / O instante é o arremedo / De uma coisa perdida.”

Seria Dante Alighieri capaz de descrever este outro inferno, da infância de Galip, Aylan e tantos meninos e meninas, vivida sob um céu de aviões a despejar bombas sobre a terra? Medo e terror no pátio de casa, o pão de cada dia servido em meio à fúria e ódio, que deixam um rastro de escombros e ruas amontoadas de cadáveres. “Oh, quão insuficiente é a palavra e quão ineficaz.”

Teria chegado a hora de Pieter Bruegel pintar novamente O Triunfo da Morte? “A indesejada das gentes”, como a designou Manuel Bandeira, já computou mais de 2.500 imigrantes mortos por afogamento ou sufocados em porões de barcos, exército de esqueletos a atormentar a opulência de um mundo tão cruel e desigual.

Até quando o homem será o lobo do homem, como assinalou o dramaturgo romano Plauto? Até quando as lutas sem tréguas pelo poder irão renovar o mito grego de Cronos, que come os filhos após o nascimento por temer que eles lhe tomem o trono? Francisco Goya deu sombrios traços a essa lenda em Saturno Devorando um Filho.

Quantos filhos a máquina de guerra das grandes potências ainda haverá de devorar, no conturbado xadrez geopolítico das primaveras que prometem democracias que nunca florescem e que terminam por irrigar com muito sangue o solo de tantas pátrias mais madrastas do que mães gentis?

“Tiveste sede de sangue, e eu de sangue te encho”, profetizou Alighieri antes das desastradas intervenções militares na Líbia, Iraque, Afeganistão, Mali, Iêmen, Síria…

Não, não é uma “crise migratória”, como noticiou um jornal. É uma crise humanitária, da falta de solidariedade, da omissão, da desigualdade social, da disputa pelo petróleo (canhões e ogivas a serviço dos interesses do capital), da interferência de religiões na vida política, dos embates tribais e étnicos.

Não, isto também não é uma fatalidade. É o resultado de relações desiguais entre seres humanos, países, ideologias, em que afloram a opressão, a discriminação, o preconceito, a ganância e o ódio ao semelhante.

Rehan, Galip e sobretudo você, pequeno Aylan, perpetuado em milhares de pixels no abandono de uma praia onde não poderá brincar, como tantas outras crianças. Carlos Drummond de Andrade teria que refazer o poema: “É só um retrato, mas como dói!”

Convido, por fim, outro poeta, John Donne, e encerro. “A morte de cada homem diminui-me porque eu faço parte da humanidade; eis porque nunca pergunto por quem dobram os sinos: é por mim.”

*Celso Vicenzi é jornalista-Observatório da Imprensa


← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial