Parque Sinfonico tem objetivo de transformar mês de abril no palco da melhor música

O Parque Municipal Josepha Coelho, em Petrolina, será palco, nos próximos domingos (2 e 9 de abril), do concerto “Parque Sinfônico”. O concerto é organizado pela turma de Regência do semestre 2016.2, do curso de Licenciatura em Música do Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF-Sertão PE). As apresentações são gratuitas e acontecem a partir das 10h

As peças apresentadas serão variadas, indo do clássico ao pop e ao tradicional, dos Beatles a Luiz Gonzaga. Segundo o professor da disciplina e organizador do “Parque Sinfônico”, Ozenir Luciano, o repertório tem a intenção de ser, ao mesmo tempo, educativo e popular. “Educativo no sentido de apresentar composições que não são tão comuns ao público, e popular, para capturar as pessoas com músicas que elas conhecem”, explicou ele.

“O Parque Josepha Coelho é um espaço que a família e a criançada frequentam com muito prazer, e o domingo de manhã é uma excelente oportunidade de lazer pras pessoas em Petrolina. Unir o parque, a música e a família é a receita para uma expectativa muito positiva”, afirmou Ozenir.


Leonardo Boff fará palestra no Seminário de Educação Universitária

Refletir sobre os caminhos da educação universitária, sua trajetória e seu papel na sociedade é o objetivo do Seminário de Educação Universitária (SEU), que será realizado pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), em parceria com o Instituto Federal do Sertão Pernambucano (IF Sertão-PE), a Fundação Brasil Meu Amor, o HU-Univasf, o Instituto Federal da Bahia (IFBA), a Universidade de Pernambuco (UPE), a Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e as secretarias municipais de Educação de Petrolina e Juazeiro.

O evento acontecerá no Complexo Multieventos da Univasf, em Juazeiro (BA), entre os dias 17 e 19 de abril e terá como tema central: “Nas Fronteiras do Futuro – Os Caminhos do Ensino Universitário”. Entre os palestrantes convidados estão Leonardo Boff, Jean Obry e Naomar Almeida Filho. As inscrições já estão abertas e deverão ser feitas exclusivamente pela internet até o dia 31 de março.

A taxa de inscrição é de R$ 20,00 e a doação de uma lata de leite, que será encaminhada para instituições assistenciais de Petrolina (PE) e Juazeiro (BA).


Seminário Campanha da Fraternidade a Caatinga e o Rio São Francisco acontece na próxima sexta-feira 31

A Campanha da Fraternidade 2017, tem como tema a preservação e proteção dos biomas brasileiros, a exemplo do bioma caatinga, no semiárido nordestino.

A Diocese de Petrolina programou para a próxima sexta-feira, 31, a realização do seminário- Fraternidade: A Caatinga e o Rio. O evento acontece a partir das 9h, no Centro Cultural Dom Bosco, localizado no Centro da cidade.
 
O tema será debatido pelo professor e ambientalista, Vitório Rodrigues, o Padre Antônio Moreno, professor, doutor em Ciências da Educação pela Universidade Pontifica Salesiana de Roma, na Itália, atual diretor do Colégio Dom Bosco; e a pesquisadora da Embrapa Semiárido, Lúcia Kill.


Universidade apresenta documentário O Vaqueiro, a Missa e o Couro


Na quinta-feira, 30 de abril,  o Cine Encontro, vai apresentar o documentário O Vaqueiro, a Missa e o Couro. A autora é Laina Ramos e o evento acontece no Canto de Tudo, campus de Juazeiro, da Universidade Estadual da Bahia, às 18hs.
 
Laina conta que é a primeira exibição do documentário fruto do Trabalho de Conclusão de Curso na UNEB. 
 
"Para mim chega ser suspeito falar alguma coisa, porque sonhei com ele desde o primeiro momento que adentrei a Universidade. Então se quiser assistir e conhecer um pouco da Minha Amada Missa do Vaqueiro de Serrita - Pernambuco. Vamos  falar sobre sertão, missa, vaqueiro, jornalismo, cultura", disse Laina Ramos


Cordel Brasileiro: entre o ódio das elites e o amor dos resistentes

Será realizado no sábado, 1º de abril, em Campina Grande, Paraíba, a palestra O Cordel Brasileiro-entre o ódio das elites e o amor dos resistentes. O eventocomeça às 17h30 na livraria Nobel e  terá a participação do professor doutor em ciência da literatura Aderaldo Luciano. 

Aderaldo vai dialogar do Por que chamar o nosso produto cultural mais genuíno de "literatura de cordel"? Por que dizer que o cordel nasceu em Portugal se essa forma poética só existe no Brasil, tem pai e data de nascimento, com certidão e tudo o mais? Por que chamar o cordel de "poesia popular" se a poesia não requer adjetivos, ela só se basta? Por que conceituar o cordel a partir de ciclos se o cordel não é folclore, não é anônimo e muitos dos "ciclos" sequer se sustentam, com dois ou três títulos apenas? Por que teimar em dizer que o cordel é oral se ele é eminentemente escrito com provas gráficas e fotomecânicas? 

Por que querer dizer que o cordel é poesia sertaneja se foi nas cidades, no litoral e no brejo, ou nas grandes capitais, que ele ergueu-se como força e arma e combate e luta e escrita literária? Por que querer sinonimizar cordel com xilogravura se esta é uma arte autônoma e representa tão pouco no processo ilustrativo do cordel? Por que os cursos de Letras do país não incluem em seu currículo obrigatório o cordel brasileiro? Por que os nomes de Leandro Gomes de Barros, João Martins de Ataíde, Francisco das Chagas Batista, José Camelo de Melo Resende, Antonio Teodoro dos Santos, Manuel D'Almeida Filho, Joaquim Batista de Sena, Apolônio Alves e outros poetas do cordel não figuram nos manuais de Literatura Brasileira? Vamos debater, vamos resolver esses casos? 

Essas e outras questões políticas, poéticas e pedagógicas merecem um pouco de atenção. Em Campina Grande. Na Livraria Nobel.


Cariri Cangaço e Missa do Vaqueiro acontecerão entre os dias 20 a 23 de julho em Exu e Serrita

De 20 a 23 de julho de 2017, a cidade de Exu, Pernambuco, terra de Luiz Gonzaga será o palco da  “Semana Cariri Cangaço 2017”.

Manoel Severo, Kydelmir Dantas, Ingrid Rebouças e Nerizangela Silva, membros do Grupo de Estudos Cangaço Cariri, participaram de uma reunião de trabalho como o Secretário de Cultura de Exu, Rodrigo Honorato e ficou definido que o evento constará de intensa agenda.

O evento é voltado para pesquisadores, escritores, professores, universitários, artistas e demais curiosos da temática. Cinco Estados integram as discussões do Cariri Cangaço, sendo Ceará; com Crato, Juazeiro, Barbalha, Missão Velha, Aurora, Barro, Porteiras, Lavras da Mangabeira e Brejo Santo; Paraíba, com Sousa, Nazarezinho, Lastro, Princesa Isabel e São José de Princesa; Alagoas, com Piranhas; Pernambuco, com Floresta e Sergipe com Poço Redondo.

Manoel Severo Gurgel Barbosa, é fundador e Curador do Cariri Cangaço, Presidente do Conselho Consultivo, Diretor da SBEC – Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço; Diretor do GECC – Grupo de Estudos do Cangaço do Ceará; Sócio Honorário do GPEC e do GFEC, confirmou que serão dois grandes eventos acontecendo simultaneamente e que se encontrarão no domingo, dia 23 de julho quando o Cariri Cangaço Exu 2017 celebra junto com a Fundação Padre João Câncio a 47ª Missa do Vaqueiro, em Serrita.

"Teremos dois eventos, a 47ª edição da Missa do Vaqueiro de Serrita e nosso Cariri Cangaço Exu, entre os dias 20 e 23 de Julho, principalmente no domingo, dia 23 quando o encerramento do Cariri Cangaço será na Missa do Vaqueiro de Serrita ao lado de Helena Cancio, de Tiago e da Nação Vaqueira desse nosso amado Brasil”, disse Manoel Severo.


Sarah Lopes, Davi Leandro e Valdi Jr: novos talentos

"A música é uma harmonia agradável pela honra de Deus e os deleites permissíveis da alma". “A música é o vínculo que une a vida do espírito à vida dos sentidos. A melodia é a vida sensível da poesia". "Música é a linguagem de Deus. Nós músicos estamos o mais perto que os homens podem estar de Deus. Nós damos a luz aos filhos de Deus. Contamos suas preces. Isso é o que os músicos são".

As frases acima são de Bethoveen e Sebastian Bach. Iluminados músicos! Fiquei imaginando suas obras com a lembrança que um dia vi uns discos de vinil dos dois na casa de Luiz Gonzaga, lá na casa do Parque Asa Branca.

Isto me reportou que no dia 25 de março, ás 16h, no pátio de eventos de Bodocó, Pernambuco, vai acontecer uma tarde cultural com a cantora Sarah Lopes, participação de Valdi Jr e Davi Leandro.

Poderia dizer aqui que Sarah e Davi são filhos do poeta cantador, um dos mais talentosos compositores da música brasileira, o cantor Flávio Leandro. Valdi Jr é filho do compositor Valdir Geraldo, conhecido por "Neguinho do Forró", que trabalhou com Luiz Gonzaga e teve a música “Nessa Estrada da Vida” gravada no disco Danado de Bom, em 1984...

Mas para orgulho dos pais de Sarah, Valdi e Davi, eles, os três tem Luz própria. Tem tutano pra música. Diga-se: música boa que toca o sentimento e alma dos brasileiros.

Sarah Lopes logo cedo em terna idade já cantava em palcos ao lado de nomes como Elba Ramalho. Participou do grupo Zeremita, um projeto de música alternativa criado no cariri cearense, que lhe levou ao Festival de Inverno de Garanhuns. É uma das participantes da festa do Gonzagão, em Exu. Sarah Lopes estuda canto popular no conservatório pernambucano de música, desenvolvendo seus projetos influenciada pela bossa nova, jazz e forró.

Davi Leandro é um estudioso da música e da poesia. Recentemente teve a alegria de "ganhar" o primeiro filho e qual as notas musicais vai lhe inspirar mais ainda a compor e a decifrar os caminhos que levam um filho a não esquecer jamais seu pedaço de terra e soltar a voz para se fazer universal de mala e cuia e oferendar o Deus, os deuses da música.

Com Valdi Júnior trajetória não é diferente: a música começou quando ainda era apenas um bebê. Nascido em Exú, terra de Luiz Gonzaga. Valdi Jr cita que a relação com a música vai além do gostar, está no sangue, na pele, no coração. Afinal quando pequeno o pai colocava pra dormir ao som da música Amanhã Eu Vou, na voz de Luiz Gonzaga.

Sarah Lopes, Valdi Jr e Davi Leandro certamente construiram nas brincadeiras de criança as referências e os sonhos de trabalhar com a música.

É por tudo isto que afirmo: ninguém sai impunemente pela leitura, interpretações, tons e dons de Sarah Lopes, Valdi Jr e Davi Leandro...escutá-los é ganhar mais inteligência, engenho e arte. Eles tem a magia da música ancorada na alma.

*Ney Vital-Jornalista. Pós-Graduado em Ensino de Comunicação Social. Pesquisador da música brasileira





Amigos promovem festa para contribuir com o tratamento do sanfoneiro Wanderley do Nordeste

Um grupo de amigos do cantor e sanfoneiro Wanderley do Nordeste organizou um show em Petrolina, no Sertão de Pernambuco. O objetivo é arrecadar recursos para auxiliar no tratamento do sanfoneiro do Vale do São Francisco, que está com câncer de intestino. Com a doença, Wanderley está impedido de fazer shows e, portanto, passa por algumas dificuldades financeiras.

O sanfoneiro Wanderley do Nordeste descobriu o tumor ano passado. “Ele foi operado em novembro do ano passado. A princípio achou-se que seria uma hérnia, mas era um tumor no intestino. O câncer já estava em andamento e não foi possível eliminá-lo. Ele está fazendo quimioterapia no Centro de Oncologia da Apami em Petrolina”, declarou Josenaldo Rodrigues, um dos organizadores do evento.

De acordo com um Josenaldo Rodrigues, o evento “Arrasta Pé no Velho Chico” está programado para o dia 7 de abril na Barca Nina, a partir das 20h. O show será com os cantores Targino Gondim e Valtinho, que vão tocar gratuitamente para ajudar o amigo.

Além de aproveitar a música, os participantes também poderão saborear um jantar, enquanto passeiam pelo Rio São Francisco. A barca tem capacidade para 150 pessoas. O ingresso custa R$ 80 por pessoa. Os interessados em participar podem ligar para o telefone 74 98803 9767.

Fonte: G1-Amanda Franco


Luiz Gonzaga e os pés de umbuzeiros

"Umbuzeiro velho
"Veio" amigo quem diria
Que tuas folhas caídas
Tuas galhas ressequidas
Íam me servir um dia/
Foi naquela manhãzinha
Quando o sol nos acordou
Que a nossa felicidade
Machucou tanta saudade
Que me endoideceu de amor/
Indiscreto passarinho solitário cantador descobriu nosso segredo acabou com nosso enredo/ Bateu asas e vou/ Hoje vivo pelo mundo tal o qual o vem-vem assobiando o dia inteiro quando vejo um umbuzeiro me lembro de você  meu bem"...

Luiz Gonzaga, numa composição de João Silva homenageou o pé de Umbu! Ouvindo esta música na madrugada aqui em Petrolina, que mais surgere ser dia, temperatuda 30 graus, me reportei que nessa época de seca, a salvação de muitas famílias no Nordeste é o umbuzeiro - árvore símbolo de resistência da caatinga.

No cenário de vegetação quase sem vida, sem comida, o umbuzeiro exibe fartura.  Nada é mais alegre para os catadores de umbu do que encontrar o chão de um único jeito: forrado de frutas.

O umbuzeiro é a única árvore verde no meio da caatinga arrasada.  O segredo está embaixo da terra. As raízes têm batatas que funcionam como uma caixa d’água.

A água fica dentro da batata. E como são centenas de batatas enterradas, elas vão irrigando a árvore. As pesquisas calculam que um umbuzeiro grande chega a acumular 1.500 litros de água. É por isso que ele atravessa todo o período de seca verde e dando frutos.

Fonte de vitamina C e até de inspiração para os poetas nordestinos. Nesta época o umbu é a salvação.

Mas até o umbuzeiro está sofrendo com a seca extrema. Segundo um estudo da Embrapa, em algumas regiões do Nordeste, como no sertão pernambucano, de cada quatro umbuzeiros, apenas um consegue sobreviver.


Piaçabuçu-Alagoas: Rio São Francisco perde força e permite que o mar avance causando preocupação

A estiagem prolongada tem feito o Rio São Francisco perder força na divisa de Alagoas e Sergipe, permitindo que o mar avance sobre a água doce. O fenômeno é conhecido como salinização e, segundo pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), está transformando o ecossistema da região e prejudicando a população ribeirinha.

Sem chuvas e com menos água no leito, o rio acaba sendo empurrado pela maré nos pontos onde encontra o mar. É no trecho da Área de Preservação Ambiental (APA) da Foz do São Francisco, entre os municípios de Piaçabuçu (AL) e Brejo Grande (SE), que o fenômeno pode ser percebido com mais intensidade pelos quase 25 mil habitantes da região.

"A gente pescava surubim, piau, dourado e todas as espécies de água doce. Era tanto peixe na rede que a gente não podia nem carregar. Nessa época, a gente também plantava arroz, que dava era muito. Hoje a coisa tá diferente, a água está tão salgada que arde até os olhos", relata o pescador alagoano José Anjo.

O que o pescador percebe no dia a dia também foi apontado pelo oceanógrafo Paulo Peter, pesquisador da Ufal que analisa os impactos ambientais e sociais da salinização do Rio São Francisco. "É possível notar no estuário a morte da vegetação típica de água doce, substituição dos peixes de água doce pelos de água salgada e inviabilização da água para o consumo humano".

Para o pesquisador, a redução da vazão das águas do Rio São Francisco pela hidrelétrica de Sobradinho, na Bahia, agrava o problema. O volume de água liberado pela usina já superou 2.900 m³/s, mas nos últimos anos vem sendo reduzido gradativamente para prolongar a vida útil dos reservatórios.

"Se a vazão do São Francisco permanecer como está, a situação será cada vez pior, tanto do ponto vista humano quanto ambiental", avalia Peter.

O CBHRS diz estar em alerta, porque novos estudos avaliam reduzir ainda mais o volume da água do rio para uma vazão que pode chegar a 600m³/s. Contudo, ainda não há nenhuma definição neste sentido.O problema da salinização também se reflete na saúde dos ribeirinhos, como afirma a agente de saúde Suely Santos, que trabalha há 17 anos em Piaçabuçu.

"A água do Rio São Francisco é para muitos moradores da região o único recurso hídrico que se tem para cozinhar e beber. Por conta da salinização, a água está provocando doenças. Nos últimos meses, aumentou bastante os casos de hipertensão entre os moradores, inclusive jovens".

Fonte: G1-Alagoas


Universidade Federal do São Francisco promove debate" Fios e Furos: a existência humana em tempos de relações sociais"



O Núcleo de Estudo e Pesquisa em Fenomenologia, Esporte e Educação (NEPFEE), vinculado ao Colegiado de Psicologia da Univasf da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), irá realizar o debate “Fios e Furos: a existência humana em tempos de relações sociais”, nesta segunda-feira (20), às 19h. 

O evento acontecerá na sala NT 04, também conhecida como Sala Azul, do Campus Sede, e contará com a participação do professor Alexandre Reis, da psicóloga do Centro de Estudos e Práticas em Psicologia (CEPPSI) Melina Pereira e da jornalista Erica Daiane.

 O evento é gratuito e aberto à comunidade.


Lula, Dia de São José e o Rio São Francisco

Domingo dia 19 de março de 2017. Dia de São José. No rádio a voz de Luiz Gonzaga entoa "A Triste Partida", autoria do cearense poeta Patativa do Assaré... Ainda madrugada milhares de brasileiros chegam ao município de Monteiro, Paraíba.

Lula emocionado lembra quando viveu no Nordeste. Vestido de vermelho Lula pega um chapeu. Em lágrimas molha as mãos e rosto, faz o simbolismo do banho com as aguas do Rio São Francisco. Com uma voz mais nordestina agradece a presença do Povo!

"A transposição foi alvo de incompreensão e virulentos ataques. Não foram poucos os que a consideraram obra faraônica e inútil. Mas agora, após dez anos e 500 quilômetros de canal, o sonho vira realidade".

A transposição das águas do São Francisco, o rio da integração nacional, com a finalidade de amainar os efeitos da seca, é um projeto que remonta ao Império. Dom Pedro II, após a devastadora estiagem de 1877, prometeu até a última joia da Coroa para que nenhum nordestino morresse mais de fome.
 

Dom Pedro perdeu o trono, a República nasceu, e mais de um século se passou sem que nada fosse feito. Foi a chegada de Lula a presidência do Brasil que retirou o projeto da gaveta e o transformou numa realidade para mais de 12 de milhões de brasileiros em 400 municípios de quatro estados.
 
E mais: "Queiram ou não queiram foi o ex-presidente Lula quem permitiu filho de pobre estudar Medicina; quem multiplicou universidades pelo País afora; quem possibilitou pobre andar de avião; quem aumentou e valorizou o salário mínimo do Brasil; quem pagou a dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI) que vivia aqui dentro dando ordens. Isso só para citar algumas das conquistas do povo brasileiro nos governos do ex-presidente Lula", discursa Silvio Costa.

Então, não adianta tentar apagar nem da História, nem da mente do povo nordestino: a transposição do São Francisco estará eternamente ligada a Lula e a Dilma por terem transformado um sonho secular em realidade...quanto ao atual governo Michel Temer, vi um nome numa placa, que o tempo vai cuidar de ser apagada pela poeira e pelo sol do Sertão, isto é suficiente para dar conta de sua dimensão política.

Foi assim que eu vi e aqui reproduzo...



Exu vai sediar primeira etapa do Festival Pernambucano de Quadrilhas Juninas

A cidade de Exu, Pernambuco vai sediar a primeira etapa do festival de Quadrilhas. A realização do evento será nos dias 09, 10 e 11 de junho e abrirá a etapa do Festival de Quadrilhas de Pernambucano.

A presidente da Federação de Quadrilhas Juninas (FEQUAJUPE), Michelly Miguel, ressaltou a grande marca que Exu, terra onde nasceu Luiz Gonzaaga possui no mundo junino, sendo a primeira cidade a trazer a FEQUAJUPE para o sertão do Araripe.

“Mais um marco conseguido para a cultura gonzagueana no período junino, estamos felizes em sediar esse grande evento, em especial por se tratar do mundo quadrilheiro”, afirmou o secretário de cultura do município, Rodrigo Honorato. 

Fonte: Site Prefeitura de Exu-Pernambuco


Eliane Brum: uma jornalista que escreve com arte

"Uma frase só existe quando é a extensão em letras da alma de quem a diz. É a soma das palavras e da tragédia que contém. Se não for assim, é só uma falsidade de vogais e de consoantes, um desperdício de som e de espaço”.

A frase acima é de uma repórter em busca dos acontecimentos que não viram notícia e das pessoas que não são celebridades.  Eliane Brum se propõe a mostrar o jornalismo esquecido. A extraordinária vida ordinária, ou a vida ordinária extraordinária que, ao fim, a gente descobre que também é a de cada um.

Eliane Brum é uma jornalista à procura do extraordinário contido em cada vida anônima. Uma escritora que mergulha no cotidiano para provar que não existem vidas comuns. O mendigo que jamais pediu coisa alguma. O carregador de malas do aeroporto que nunca voou. O macaco que ao fugir da jaula foi ao bar beber uma cerveja. O álbum de fotografias atirado no lixo que começa com uma moça de família e termina com uma corista. O homem que comia vidro, mas só se machucava com a invisibilidade.

Essas fascinantes histórias da vida real fizeram sucesso no final dos anos 90, quando as crônicas-reportagens eram publicadas na edição de sábado do jornal Zero Hora. Reunidas agora em livro, formam uma obra que emociona pela sensibilidade da prosa de Eliane Brum e pela agudeza do olhar que a repórter imprime aos seus personagens – todos eles tão extraordinariamente reais que parecem saídos de um livro de ficção.

A edição, que marcou a estreia da Arquipélago Editorial, reúne as 21 melhores histórias de A Vida Que Ninguém Vê acrescidas de textos que revelam o “dia seguinte” de dois personagens emblemáticos da série de reportagens: Adail realizou seu grande sonho, enquanto Antonio sofreu de uma segunda tristeza. Ao final do volume, um texto inédito de Eliane avalia, com o distanciamento que o tempo oferece, o que há por trás dessa vida que (quase) ninguém viu. É mais uma prova da força do trabalho da autora. E uma demonstração de que a reportagem é uma arte.



Rádio TransRio FM promove debate sobre cultura e os 70 anos da música Asa Branca

Uma das músicas mais populares do país, a Asa Branca, completou 70 anos de gravação na última sexta-feira (03).  Gravada em 03 de março de 1957, em ritmo de toada, a canção foi feita em parceria com o advogado Humberto Teixeira e retrata o cenário da seca nordestina e o sofrimento do povo sertanejo. Para comentar sobre a data e a letra da música, o programa Geraldo José recebeu nos estúdios da Rádio TransRio Fm 99,9 o Juiz Sanfoneiro, Ednaldo Fonsêca, o jornalista Ney Vital, o Superintendente de Cultura de Juazeiro Maurício Dias (Mauriçola) e o cantor Elisson Castro do Forró Pega Leve.

O jornalista Ney Vital ressaltou a origem da música Asa Branca. “A música Asa Branca surge por causa de uma sanfona de oito baixos. Conta-se que antes de 1928, quem gostava dessa música era Lampião não com essa musicalidade dada por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. São diversas vertentes de pesquisas e nós temos buscado essas histórias. O Luiz Gonzaga puxando a sanfona é inigualável. Eu conversei com os pesquisadores Zé Batista e Zé Nobre e eles me disseram que a música Asa Branca ultrapassa mil gravações. Luiz Gonzaga só gravou 9 vezes Asa Branca”, afirmou.

O cantor Elisson Castro frisou como Luiz Gonzaga influência na sua carreira musical. “Para nós é maravilhoso ter como referência Luiz Gonzaga. Sempre que posso vou a Exu para reencontrar os amigos forrozeiros. Asa Branca é uma música universal, que não deixa de ser atual e que sempre estará mexendo com as emoções das pessoas”, disse.

O Juiz Sanfoneiro, Ednaldo Fonseca, teceu muitos elogios a musicalidade de Luiz Gonzaga. “Hoje é um dia de festa. A música Asa Branca é um hino! Nós temos o compromisso de levar o verdadeiro forró. Não tem um show que eu não cante Asa Branca e peço que todos cantem comigo. Asa Branca é o hino do nordestino. Temos o compromisso de levar adiante nossa cultura musical para mais 70 anos”.

O Superintendente de Cultura da secretaria de Cultura Turismo e Esportes de Juazeiro, Maurício Dias, também participou da entrevista e falou sobre os seus primeiros contatos com a música Asa Branca. "Luiz Gonzaga quando veio a Juazeiro a Bossa Nova já estava acontecendo. Caetano gravou um compacto que tinha Asa Branca, em Londres durante o exilio. Mas Luiz Gonzaga com aquela indumentária do nordeste sofria preconceito na minha geração porque nós gostávamos dos The Beatles", comentou.

Muitos ouvintes participaram do programa Geraldo José e também deixaram suas saudações aos 70 anos da música Asa Branca. 

Fonte: blog Geraldo José-www.geraldojose.com.br



Zé Nobre: fundador do Museu Fonográfico Luiz Gonzaga de Campina Grande

A riqueza da vida cultural de uma cidade, muitas vezes medida apenas pela intensidade de seu show business e pelo sucesso dos seus eventos artísticos, deve ou deveria incluir, também, a sua vida literária, onde, mais que o brilho fugaz, se busca construir a memória e a permanência.

Destaco aqui o professor e pesquisador José Nobre, nascido em Currais Novos, no Rio Grande do Norte, mas com toda a trajetória vivida em Campina Grande, Paraíba. Ele é o criador, fundador do Museu Fonográfico Luiz Gonzaga de Campina Grande. Um espaço que privilegia a arte mais bela, a musical. José Nobre reuniu ao longo dos últimos 30 anos uma produção constante, uma obra musical múltipla, de expressão e riqueza singulares. 


Zé Nobre conta que o Museu reúne mais de 6 mil discos.  Foram publicados 70 livros lançados sobre a vida e obra de Luiz Gonzaga. São 4 teses de doutorado. Os visitantes tem a visão na entrada do museu de 3 estátuas em granito pesando em média 700kg.

O Museu Fonográfico Luiz Gonzaga de Campina Grande, Paraíba,  está infelizmente fechado, não tem o reconhecimento do poder público e também não tem a proteção de uma Política Cultural que consiga dialogar com a sociedade a riqueza que possui a coleção de recortes de jornal, vinis, sanfonas e instrumentos e roupas usadas por Luiz Gonzaga. Enfim, o poder público não amplia as possibilidades educacionais que o Museu proporciona.

Campina Grande, cidade onde se realiza os maiores festejos juninos do país, o Maior São João do Mundo, sempre dedicou um carinho especial a Luiz Gonzaga, onde também ele era presença constante. Recebeu  inclusive, o Título de Cidadão Campinense em 1972, propositura do então vereador Manoel Joaquim Barbosa.

Mas Infelizmente a Política Cultural Brasileira não sabe retribuir o valor histórico do Museu!

Todos os objetos expostos no local foram adquiridos por José Nobre com recursos próprios. O espaço já foi considerado o maior museu fonográfico a abrigar a obra de Luiz Gonzaga– superando, inclusive, o Museu do Baião instalado em Exu, terra natal do do Rei do Baião – e uma referência nacional na preservação e divulgação do talento dos músicos de origem nordestina da MPB.

Além de discos, CDs, fitas cassetes e até discos de cera de carnaúba (antecessores dos discos de vinil), alguns pertences de Luiz Gonzaga, a exemplo de sanfona, também estão expostos, 250 pôsteres, livros, oito monografias, três dissertações de mestrado e 4 doutorados, mais de 200  entrevistas, 14 filmes e mais de 500 jingles. Enfim, são mais de 25 mil registros da vida e obra de Luiz Gonzaga e da Música Brasileira.


Carnaval: a lamentável música que torna invisível pobres, negros e crianças

É lamentável ver que os veículos de comunicação ainda se curvam à indústria alienante e exploratória da música. Fingem ignorar a explosão que foi a banda BaianaSystem no Carnaval de Salvador, não só para a cultura baiana, mas também para a arte contemporânea no Brasil.

Com o devido respeito aos adeptos da monocultura (como se diz em Pernambuco, de monocultura basta a da cana-de-açúcar), não se poderia excluir a música INVISÍVEL da lista de melhores músicas do nosso carnaval, aliás muitas outras nem deveriam estar lá.

A corda que esconde a identidade do cordeiro; a caixa de isopor, do vendedor de cerveja; as latas, do catador. Escolhem justamente as músicas daqueles que mais exploram essas atividades e esses seres humanos. Escolhem aqueles que utilizam o povo para formar a barreira humana que separa o público do privado nas ruas de Salvador. Utilizam os próprios segregados para segregar, para servir, para limpar. São eles que lutam com o povo “pipoca” para garantir a segurança dos “blocos”. Os Invisíveis.

No domingo de carnaval o cordeiro Luiz Roberto de Araújo, de 59 anos, foi atropelado por um trio no Campo Grande e teve a perna esquerda dilacerada, mas o cantor, de cima, preferiu continuar cantando o que, segundo ele, seria “a melhor música do carnaval” e seguiu feliz, enquanto Luiz saiu do Campo Grande com uma perna a menos e sem os R$ 54,00 de sua diária.

No rio, um carro alegórico da Paraíso do Tuiuti atropelou e prensou 20 pessoas e em outro acidente, também na Sapucaí, um carro da Unidos da Tijuca despencou com 12 pessoas. As imagens que chegam pelos grupos de WhatsApp são chocantes e mostram como essa imprensa é insensível aos seres humanos.
O que eles têm em comum? São Invisíveis.

O jornalista André Trigueiro chegou a dizer ao vivo, na Globo News, que as vítimas da Unidos da Tijuca atrapalharam o desfile. É esse tipo de pessoa que a imprensa fomenta. Não é por menos que esse rapaz tem tantos prêmios de “jornalismo”.

Este ano no Carnaval de Salvador foram 25 mil cordeiros sem nome e sem rosto.
Tem mais Invisível. Quantas crianças e adolescentes estavam em cima de Isopor com seus pais e tios e dormiram nos passeios desse carnaval? Ninguém viu.

Como o pai a a mãe precisam vender no carnaval, as crianças são levadas para o trabalho.

No ano passado o prefeito de Salvador resolveu instituir o monopólio e dar exclusividade a uma única marca de cerveja e os fiscais da prefeitura fizeram várias apreensões de mercadorias de ambulantes e de supermercados enchendo vários caminhões.

Cada invisível (e eram mais de 10 mil ambulantes invisíveis no carnaval 2016) pagou à Prefeitura R$124,00 de licença e R$300,00 de um kit para ganhar R$1,00 em cada cerveja vendida.

Este invisíveis precisariam vender 424 latas de cerveja somente para pagar à prefeitura. Para piorar, os fiscais da Sucom com apoio da Guarda Municipal confiscaram tudo que não era da marca do prefeito. Em 3 dias de carnaval a Sucom apreende 119.141 latas de cerveja.

São tão Invisíveis que quando Ivete Sangalo chama um vendedor de algodão-doce como “convidado” para cima do trio o bloco enlouquece por achar inacreditável. Inacreditável porque eles não fariam isso com quem, até aquele momento, era Invisível. Um homem com um pau de 2 metros cheio de algodão-doce rosa-choque e balões prateados de gás hélio era Invisível no maior carnaval da terra.

Estão fazendo isso justamente com a banda que, por meio da música INVISÍVEL, criticou esse modo de (não) enxergar. A única banda que tocou praticamente todos os dias do carnaval e também no furdunço passou invisível pelos camarotes das grandes emissoras. Esses camarotes onde o negro serviçal também é Invisível e sua cabeça substituída por uma bandeja de drinques do Open Bar ou de canapés do All Inclusive.

De sorte que a BaianaSystem e seu navio pirata navegam por fora com seu mar de gente. Esse público que querem manter Invisível, mas não conseguem mais, pois a banda já nasceu maior que isso, já nasceu grande, sem corda que sufoque, sem mente que se aperte, com um público maduro e do bem, que cultiva “só amor” como nos diz Russo com seu grito de alerta.

Ignoram o fato da banda ter roubado a cena no Campo Grande no histórico dia 24 de fevereiro de 2017 puxando o maior coro “Fora Temer” que o país já ouviu. Foi, de longe, a cena mais importante desse carnaval e que a Prefeitura do Salvador tentou punir com veto.

O que tentam fazer com a BaianaSystem é o que fazem com nosso povo: esquecem, ignoram, sabotam, quando não esculacham com os cassetetes e tapas na cara, e quando convidam para cima do trio é para puxar aplausos, abraçar e se debruçar na virtude alheia por falta de uma, nada mais.

Mesmo que as mídias (ainda) hegemônicas finjam ignorar a existência do Invisível e que seus jornalistas se abaixem para o coito da concupiscência mercadológica das “máquinas de lucro”, a BaianaSystem não se submeterá aos caprichos e dengos da indústria baiana da exploração musical porque “cada palavra que tu guarda na boca vira baba”…

Fonte: Jailton Andrade


Música Asa Branca: uma análise na visão da semiótica

Estudar, pesquisar as composições interpretadas por Luiz Gonzaga é algo que apaixona! Asa Branca composta por Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga é fascinante e ninguém consegue sair impune ao ler os versos ou escutar a música!

O  estudo  da  semiótica  nos  dá  suporte  para  compreender  os  sentidos  do texto, seja verbal, não verbal ou sincrético. Com análise da música Asa Branca é possível delinear o tempo, a pessoa e o espaço no enunciado; a trajetória do enunciador, seu sofrimento em  meio  à  seca  do  sertão;  o  afastamento,  solidão,  ao  sair  de  perto  de  tudo  que  ama;  e  a esperança de um dia voltar.
 
O  uso  de  elementos  do  discurso  é  mais  um  mecanismo na  apropriação  de sentidos e o professor pode usá-los como mais uma ferramenta de ensino em sala de aula.

A semiótica francesa ou da Escola de Paris foi criada nos anos de 1960 para ser uma teoria da significação, para descrever os sentidos do texto. É um ramo das ciências da linguagem  que  se  ocupa  dos  conjuntos significantes; seu  objeto  de  análise  sempre  será  um signo, enfim, tudo  que  carreia  um  sentido.  É  uma  teoria,  portanto,  da significação, sob produção do sentido.

"Quando olhei a terra ardendo
Qual a fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu,  
Por que tamanha judiação
Que braseiro, que fornalha
Nenhum pé de plantação
Por falta d'água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão
Até mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão
Então eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração
Hoje longe, muitas léguas
Nessa triste solidão
Espero a chuva cair de novo
Pra mim voltar pro meu sertão
Quando o verde dos teus olhos
Se espalhar na plantação
Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu voltarei, viu, meu coração".

Com  base  na  semiótica  greimasiana,  é  possível  identificar,  na  segunda estrofe, o sentido das figuras presentes no texto: Que braseiro, que fornalha Nenhum pé de plantação Por falta d'água perdi meu gado Morreu de sede meu alazão"... A seca que assolou aquelas terras justifica a migração do enunciador, já que esse  perdeu  tudo  o  que  tinha.  

Essa  ave  chamada  asa  branca  foi  escolhida  justamente  por  ser  um  animal muito  resistente  às  severas  secas. O  enunciador  faz  uma comparação  entre  a  força  da  ave  em  relação  à  sua  própria  força,  pois  se  “até  mesmo  a  asa branca  bateu  asas  e  voou”  ele  também  precisa  buscar um  lugar  que  possa  lhe  proporcionar sustento,  mesmo  que  esse  lugar  não  o  agrade  e  ele  tenha  que  deixar  para  trás  alguém  muito especial  em  sua  vida:  “adeus  Rosinha”.

O  modo  como o  sujeito  enunciador  fala  com  a Rosinha deixa claro que ela é sua companheira e amada, o último verso dessa estrofe acentua ainda mais essa afirmação, pois a figura de linguagem inserida nele demonstra a reciprocidade no  ato  de  amar.

Uma das análises mais emocionantes é quando se faz a alusão a “Deus” – “Eu perguntei a Deus do céu, ai/ por que tamanha judiação” -  abrindo a possibilidade  da  leitura  na  dimensão  religiosa.

As  marcas  do  calor  intenso inseridas  nos  lexemas  “ardendo”,  “fogueira”,  “fornalha”  remetem  ao  inferno, que  devasta  e  destrói  a  vida.  

Asa Branca gravada em 03 de março de 1947 continua atual e é por isto que Luiz Gonzaga vive!

Fonte: Luiz Tatit. Análise semiótica através das letras. São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.





← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial