Luiz Gonzaga e a sanfona escultura de curva da mulher amada

O arquiteto Oscar Niemeyer gostava de falar sobre sua paixão pelo trabalho e pelas obras que construiu pelo país.

Uma das definições mais extraordinárias do amor ao trabalho foi ele dizer que a maior atração era a curva livre e sensual. "A curva que encontro nas montanhas. No curso sinuoso dos sentidos, nas nuvens do céu. No corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo."

A partir deste conceito analiso o significado da Mulher no universo sempre apaixonante que encontramos nos versos cantados por Luiz Gonzaga.

Luiz Gonzaga acariciava a sanfona, como se deve tocar a mulher amada. Provocava prazer percorrendo o corpo imaginado sem pressa dos 8 aos 120 baixos, dedos leves em cada nota, acorde, acordes de tal forma que antes do fim da nota, a mulher preferida,  já se encontre em pleno êxtase...suspirando, querendo mais de tanto prazer.
 

Na música "Morena Cor de Canela constitui um roteiro da mulher bonita e sensual, enumerando suas qualidades e perigos, culminando num jogo plurissignificativo.

Vejamos: "Olha o jeito dela, morena cor de canela pode morrer de paixão quem olhar nos olhos dela...corpo esculturado, beleza que Deus Criou
Cabelos anelados, boca cor de jambo
ela vai envenenando qualquer homem que lhe ver
sua cintura bem fininha, afinadinha
vai descendo, enlarguecendo
nos quadris, que tentação
as suas pernas torneadas, tão bonitas
pois qualquer homem fica com ela no coração
sai da janela, caminha requebrando
a gente vai olhando, vai ficando na ilusão...
não faz assim comigo não...

É a pura valorização da mulher. Já em "Vem Morena", Luiz Gonzaga na composição de Zé Dantas dispensa comentários: 

"Vem, morena, pros meus braços
Vem, morena, vem dançar
Quero ver tu requebrando
Quero ver tu requebrar
Quero ver tu remexendo
No Resfulego” da sanfona
“Inté” que o sol raiar
Esse teu fungado quente
Bem no pé do meu pescoço
Arrepia o corpo da gente
Faz o “véio” ficar moço
E o coração de repente
Bota o sangue em “arvoroço”

Esse teu suor salgado
É gostoso e tem sabor
Pois o teu corpo suado
Com esse cheiro de “fulô”
Tem um gosto temperado
Dos tempero do amor
Vem, morena, pros meus braços"...


Sanfona e Trio Elétrico: um Estado chamado Bahia

Este ano, entre os dias 22 a 24, a organização do Carnaval de Juazeiro valorizou mais uma vez os sanfoneiros. Flávio Baião, Silas França, acompanhou Bell Marques (sempre Chiclete com Banana) e Luiz Caldas contou a história da música brasileira, trio elétrico e carnaval.
 
O sanfoneiro, compositor e cantor, Targino Gondim puxou a sanfona, discípulo de Luiz Gonzaga cantou o mestre naquele que foi na minha opinião, a melhor apresentação do
evento.

Em tempos de tanta música ruim, onde a porcaria musical impera, foi uma riqueza ouvir Targino Gondim e sua sanfona. Cabe aqui citar que a identidade cultural no mundo globalizado é fator de atração turística. O forró, baião, xaxado sempre será um fator de desenvolvimento econômico e social.

Louvável a atitude da Prefeitura de Juazeiro-Bahia  ter na programação sanfoneiros. Meu incentivo para que todos os eventos isto seja repetido na busca de repensar as relações entre cultura e discurso oficial. A atitude foi um exercício da cidadania cultural.

Luiz Gonzaga, diga-se, poucos sabem,  na década de 40 e 50 derrubava todas as atitudes já "cristalizadas" pelo tempo e puxava sua sanfona em pleno carnaval. Em 1947 o maior sucesso do carnaval foi "Quer ir mais eu?", frevo regravado até os dias de hoje.

Também na sanfona de Luiz Gonzaga foram gravados para o carnaval "Bia no Frevo", Ao Mestre Capiba, Arrasta Frevo.

No carnaval da Bahia, décade de 80,  o Brasil e o mundo tomou conhecimento do primeiro forró trio eletrizado:  "Instrumento Bom", autoria de Morais Moreira na voz de Luiz Gonzaga,  gravado com Trio Eletrico de Armandinho, Dôdo e Osmar. O Brasil canta até hoje...

Portanto, Targino Gondim, Luiz Gonzaga e o trio eletrico podem e devem ser considerados arte, show espetacular e é necessário criar uma expectativa de reorganização da política cultural, mesmo com a descrença no aparelhamento público(o Estado ainda é necessário quando a serviço da coletividade).

Tenho dito: Viva o Nordeste. Viva o carnaval com sanfona!Viva o forró!

*Ney Vital-Jornalista, pesquisador. Apresentador do Programa Nas Asas da Asa Branca-Viva Luiz Gonzaga. Pos-Graduado em Ensino de Comunicação Social - Uneb--UFRN


Lucy Alves guardiã da compreensão inegociável da legitima música brasileira

Analisar o grupo Clã Brasil é fugir da metáfora sem destrancar-nos da poesia. Realidade cristalina, as meninas que formam esse núcleo de sublime construção musical são ao mesmo tempo doces, amorosas e guerreiras. São flores que têm lá seus espinhos guardiões da sua compreensão musical: a defesa inegociável das legítimas tradições estéticas oriundas de mestres como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Antônio Barros, Jacinto Silva, Gordurinha, Elino Julião, entre outros.

Levemos em conta também o fato de que o quarteto fantástico não caiu na pauta musical de pára-quedas. As quatro garotas são estudiosas, freqüentam os bancos acadêmicos e têm plena noção de teoria e prática na arte que escolheram por empunhar como suas espadas de peso justo. Não devemos ouvi-las com mas-mas e nem poréns. Devemo-las sagrar como realidade, conscientes de que é uma realidade que ainda evoluirá bastante, e que, excetuando mudança de ventos, será uma realidade nacional e, quiçá, internacional.

Jovens, sim, jovens. Mas não as tratemos como menininhas prodígios que merecem atenção apenas pela pouca idade. Poucos são os marmanjos que tocam como elas, hoje em dia.

Louvemo-las como grandes artistas desabrochadas e bafejadas pelo plenilúnio criativo. Elas sempre me emocionam. Seja no forró seja no chorinho o Clã Brasil é a fortuna musical que o Nordeste esperava para negar definitivamente as falsas bandas de forró. O diálogo musical aqui está em outro nível, as meninas catam inspiração nas nuvens alvas divinais. Não são mercenárias e nem se deslumbram. A música é Paixão e Sacerdócio para elas. E ninguém mais as represará. Porque, sem a menor dúvida, Deus está tocando com elas. E elas são tocadas por Deus.

Fonte: Ricardo Anísio-Crítico musical, poeta e produtor


A cachaça, paixão de brasileiro, Chico Cesár e por onde andará Maria da Paixão do Amor Maior

Sou apreciador de uma dose (lapada) de uma boa cachaça. Deixo bem claro aqui que principalmente Valorizo o consumo moderado e inteligente da cachaça (e de qualquer outra bebida alcoólica). O objetivo aqui é apresentar a cachaça como identidade cultural do povo brasileiro. A primeira destilação de cachaça data de 1532.

O imaginário é tão importante que todo o dia 13 de setembro se comemora o “Dia Nacional da Cachaça” como uma forma de relembrarmos os tempos de um Brasil colonial, quando a cachaça era símbolo de resistência contra a dominação portuguesa.

Por tudo isto na cidade de Salinas a 631 quilômetros de Belo Horizonte, a cachaça é uma das principais bases econômicas. Para homenagear a importância do destilado na região foi inaugurado o Museu da Cachaça de Salinas. Detalhe: 21 de maio é dia da Cachaça Mineira

Em Salinas está a mais saborosa e marcante cachaça: a centenária Havana cuja garrafa chega a custar até 900 reais. Salinas é o único lugar do Brasil que oferece curso de nível superior relacionado a Cachaça.

Todavia, quando o assunto é cachaça meu paladar bate mesmo é pelas cachaças lá da Paraíba...Jorge de Altinho, num de seus versos musicado diz que tem um segredo que a gente  guarda calado, tem amor que a gente guarda no pensamento, tem carinho que guardamos no peito e tem um beijo mais gostoso que os demais e tem moça que endoida qualquer poeta...boêmio cachaceiro!

Pois bem, não guardo sigilo. Minha cachaça preferida é a Serra Limpa. Garrafa com uma produção limitada e orgânica. Já visitei a propriedade do Engenho Imaculada Conceição, na cidade de Duas Estradas onde é feita a cachaça Serra Limpa.

Cá prá nós, é a cachaça preferida do ex-presidente Lula. E mais o meu amigo Antonio Inácio, proprietário do Engenho, presenteou o Papa Bento XVI. É a cachaça preferida do meu amigo vaqueiro aboiador Antonio Joventino e da bela, belissima flor de formosura Maria da Paixão do Amor Maior.

E você Maria por onde andas?
Estou pensando em você...
Será que vela como eu ?
Será que chama como eu ?
Será que pergunta por mim ?
Se a voz da noite responder
Onde estou eu, onde está você
Estamos cá dentro de nós
Sós...



Cariri do Ceará: Crenças e Mitologias. Imaginário e Cores. Romeiros e Sanfona

Ano passado participei da Mostra Cariri de Culturas, evento que está consolidado com um dos mais importantes movimentos da cultura cearense e de valorização de intercambio de conhecimentos nas mais diversas dimensões cultural, social e econômico.

Ali pensamos e suamos cultura! Andando no Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha analisei a relação com a sociedade. Conversei nas calçadas, nos bares. Visitei igrejas e vi romeiros do Padre Cícero.

A jornalista Camila Holanda escreveu que nas entranhas do Cariri foi emergido uma versatilidade de ícones que, entrelaçados povoam o imaginário cultural que habita a região.

Ali ouvi uma das mais belas histórias. Resumo: o teatrólogo, pesquisador cultural Oswaldo Barroso, ressalta um dos mais valiosos símbolos, a vigorosa força mítica e religiosa. Oswaldo que hoje é cidadão honorário de Juazeiro do Norte, diz que a primeira vez que esteve no Cariri foi nos anos 70 e a experiência fez com que suas crenças e certezas de ateu fossem desconstruídas e reconstruidas com bases nos sentimentos das novas experiências e epifanias vividas.

"Desde o início, não acreditava em nada de Deus. Mas quando fiz a primeira viagem ao Horto do Juazeiro do Norte, foi que eu compreendi o que era Deus. Isso mudou minha vida completamente", revelou Oswaldo.

Um outra narrativa importante encontrei na mitologia dos Indios Kariris. Nela a região é tratada como sagrada, centro do mundo, onde no final dos tempos, vai abrir um portal que ligará o Cariri  para a dimensão do divino.

A estátua do Padre Cícero encontra-se no topo da Colina. Muitos romeiros percorrem a Trilha do Santo Sepulcro. A pé eles percorrem às 14 estações trajeto marcado por frases e conselhos ambientais do Padre Cícero, que já alertava naquela época para os muitos desequilibrios ambientais e impactos da agressão humana na natureza.

E foi neste clima de respeito, fé e gratidão que ao som da sanfona do Jadson e turma dos gonzagueanos de Belo Jardim e Arcoverde que fomos cantar lá aos pés do Padre Cícero.

No dia 13 dezembro, mesmo dia que nasceu Luiz Gonzaga, o bispo da diocese de Crato, dom Fernando Panico, divulgou  durante missa na Catedral, que o Padre Cícero Romão Batista foi perdoado pelo Vaticano das punições impostas pela igreja Católica entre 1892 a 1916. A reconciliação é um passo definitivo para a reabilitação de padre Cícero na Igreja Católica. 

"Hoje, quero anunciar com alegria, à querida Diocese de Crato e aos romeiros e romeiras do Juazeiro do Norte, um gesto concreto de misericórdia, de atenção e de carinho por parte do Papa Francisco para nós: a igreja Católica se reconcilia historicamente com o padre Cícero Romão Batista", disse Dom Fernando.

E nós os gonzagueanos, vencendo o cansaço dos festejos dos 103 anos de Luiz Gonzaga (1912-1989), Gonzaga que era devoto de Padim Ciço louvamos! Sua Benção Padim Cícero para todo e sempre pedimos Paz e Saúde.


Dois dedos de prosa com Tâmara Tallita Mendes, Ricardo Anisio e Juliana Souza: corações e almas brasileiras

Dizem que os livros podem ser armas contra o poder e a opressão. O ano de 2016 dei início com a leitura do livro do Jornalista e pesquisador musical Ricardo Anísio. Gosto dos questionamentos de Ricardo. Sou contra a opressão capitalista avassaladora imposta a música brasileira.

O livro conta com críticas, entrevistas e crônicas do jornalista, além de textos do cantor e compositor Xangai, do poeta repentista Oliveira de Panelas, do compositor e violonista Vital Farias e da escritora e professora da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) Mercedes Cavalcanti, discorrendo acerca dos escritos de Ricardo Anísio e a música em geral.

Nas 372 páginas que perfazem a publicação, o autor não deixa de lado a polêmica e nem evita temas considerados espinhosos pela crítica musical. Assim, Ricardo Anísio traz opiniões coesas e bem fundamentadas e levanta discussões em capítulos como “Caetano acha que o mundo é seu umbigo”, “A Bossa Nova foi produto ou Arte?”, “João Gilberto é uma mentira”, “Vandré: O meteoro que se fez história, “Elomar: Erudição dos Sertões”, “O que é indelével em Zé Ramalho” e “Bandolins para o mestre Jacob”, entre outros.

Ricardo Anísio aponta que jornalismo se faz com paixão e zelo, com técnica e paixão, com fatos e alguma poesia.

Música também se faz com poesia, paixão e técnica. E aqui entra o dialago com a jornalista Juliana Souza, paraibana universal que não esquece dessas pilastras e anda preocupada com golpes de desconhecimento brutais que envolve jornalismo e música.

"Mas nem tudo está perdido meu caro Ney Vital", diz Juliana.


Nas palavras de Juliana e ouvindo os baiões de Jorge de Altinho, fiz uma pequena lista da música dos paraibanos: Para começar somos berço do maestro que fundou a Orquestra Sinfônica do Brasil, o grande José Siqueira, que aliás também guarda consigo (em memória) o marco de ter sido o primeiro regente latino (e assim sendo, o primeiro brasileiro, claro) a empunhar as batutas diante da Orquestra Sinfônica de Moscou.

Na "Black Music" feita no Brasil temos o grande Genival Cassiano, Genival Macedo foi o criador do Trio Elétrico que os baianos tentam anotar como seu. Temos o Geraldo Vandré, o Sivuca, o Zé Ramalho, o Antônio Guedes Barbosa (pianista que melhor gravou a obra de Chopin, segundo a imprensa latina), Jackson do Pandeiro, Canhoto da Paraíba (referência "jimihendrixiana" do violão tocado pelo avesso), Vital Farias, Antônio Barros & Cecéu, Geraldo Correia, Zé Calixto tocadores de sanfona de 8 Baixos...

E, e muito antes da lista terminar me fala a professora Tamara Tallita: "estava assistindo documentário da vida e obra de Dominguinhos e um músico falou que a produção musical de hoje não tem essencia. Não tem sentimento. São letras com o objetivo de vender pra uma gama de pessoas que não sentem nada. O músico disse que quando escuta  Dominguinhos chora! Pois Dominguinhos toca e canta com sentimento extremo".

E eu quase vou às lágrimas, lembrei que ouvi isto do próprio Dominguinhos. Ele relatou com os olhos marejados numa entrevista que aos 70 anos estava mais sentimental.

Por fim volto a Ricardo Anisio: "Temos e precisamos lembrar todos os dias que somos de uma nação abençoada, terra de poetas como Zé da Luz e de compositores como Zé do Norte ("Lua Bonita", "Saudade, meu bem, Saudade" ) que nos orgulha, com certeza.

A música trava sim um dialogo permanente com a cultura brasileira e muito contribuiu para tecer esse imenso tapete multifacetado que é a arte produzida nesse terreiro de Mãe Preta e Pai João.

Tenho dito...


Targino Gondim e Anselmo Gomes: na sombra do Juazeiro

Targino Gondim está a caminho dos 25 anos de carreira. São mais 20 anos de festa desse sanfoneiro discípulo fiel de Luiz Gonzaga. A amizade com Targino me proporcionou conhecer o professor e advogado Anselmo Gomes. Anselmo é um dos compositores de Targino.

Targino Gondim possui os segredos e nuances da noite estrelada. Cheio de sabedoria aprendeu com "Seu Targino", Luiz Gonzaga e Dominguinhos e bebeu na fonte dos vaqueiros cantadores de viola e por isto  sabe divisar o Cruzeiro do Sul do Sete Estrelo. Este sentimento poético, revelador encontramos em Zé Marcolino, Humberto Teixeira, Zé Dantas.

Das músicas de Targino Gondim gosto de todas. Principalmente das inéditas, ainda não conhecidas do público. Tenho o privilégio de ser amigo desse sanfoneiro e sei que os próximos anos é de mais sucesso. Muita música boa no matulão.

Mas quero aqui confessar que meu sentimento bate mais forte quando escuto Na Sombra do Juazeiro, composição de Anselmo Gomes que Targino Gondim gravou e que Dominguinhos numa tarde ao pôr do sol lá em Exu, terra de Luiz Gonzaga revelou ser bonita demais.

Na Sombra do Juazeiro, é tema de saudade, amores, é expressão de sonho, desejo e angústia. Na canção a natureza é solidária até no sofrimento.

Vejamos:
"No meu pé de serra na sombra do juazeiro eu passo o dia inteiro pra ver ela passar mas ela não vem e eu fico esperando sozinho, lamentando aguardando por meu bem/.
E toda quinta-feira lá tem arrasta pé, Vixe, como tem mulher e tanta brincadeira vai amanhecendo o dia e eu fico esperando sozinho, matutando mas não vem quem eu queria/.
Oh tanta malvadeza faça isso comigo não se tens tanta certeza que é teu meu coração na próxima quinta-feira passe logo bem cedinho estou louco por teus carinhos e pra dançar um forrozão...

É por isto que Na Sombra do Juazeiro é minha preferida pois embala, encanta, vibra o sentimento. É um mistério que emudece. Targino Gondim e Anselmo Gomes foram contagiados aqui no ritmo, melodia e harmonia e fizeram uma música mais brasileira, tipo exportação, materializando o real sentido da palavra cultura.

Na Sombra do Juazeiro é o desenho cósmico da natureza-homem-mulher, expressão no choro solitário de dor na união dos destinos. É o juazeiro simbolo de resistência.

Que Santa Cecília protetora da música, ilumine Targino Gondim...e eu quero tá junto comemorando os 100 anos desse poeta sanfoneiro.

Felicidades Targino Gondim. Que São Domingos Lua Gonzaga Ilumine tua Inspiração..


Crato-Ceará: Pedro Lucas, 10 anos cria Museu para homenagear Luiz Gonzaga, o Rei do Baião

No programa Nas Asas da Asa Branca-Viva Luiz Gonzaga de sábado 16 de janeiro através da Rádio Cidade am 870, via internet www.radiocidadeam870.com.br, você vai conhecer Pedro Lucas, 10 anos, morador do Distrito de Dom Quintino, localizado no Crato, Ceará, que criou o "Museu Luiz Gonzaga".

Ele conta que em 2013, então com 8 anos, voltou encantado de uma visita que fizera ao Museu em Exu (PE). Ao voltar para a sua casa deu vazão à admiração que nutre por Luiz Gonzaga: ele cria um museu dedicado ao Rei do Baião, na casa em que sua falecida bisavó morava, vizinha à dele.

O Museu está localizado na rua Rua Alto da Antena, no distrito de Dom Quintino. No acervo cerca de 100 objetos que recriam a época em que Luiz Gonzaga viveu. Pedro Lucas guia as visitas no local, contando a história de cada objeto do museu, função que divide com o primo, Caio Éverton, de 8 anos. Além de discos, rádios, ferramentas de trabalho e utensílios, partes do universo cantado por Luiz Gonzaga.

A paixão pela música de Luiz Gonzaga, Pedro Lucas conta ter surgido mesmo quando ouviu “Numa Sala de Reboco”, composta por José Marcolino. "Gostei tanto da música que passei a cantá-la frequentemente". Então ganhou um CD de Luiz Gonzaga."Ai eu ouvi várias vezes e fui cada vez mais ficando apaixonado por tudo que Luiz Gonzaga Canta", revela Pedro Lucas.

Com os pés no chão e olhos nas estrelas Pedro Lucas, filho de agricultores,  tem consciência dos desafios que tem pela frente e afirma: "a iniciativa não vai parar. Vou estudar muito e pretendo concluir um curso superior e conciliar a profissão com a sanfona, instrumento que tem o sonho de aprender a tocar".

"O objetivo maior é incentivar que nossa cultura não pode morrer", finaliza Pedro Lucas.


A música brasileira é muito rica. Mas infelizmente está reduzida a cantores padres, axé e sertanejos, diz Ruy Castro

Autor de Carmen: uma Biografia, sobre Carmen Miranda, e Chega de Saudade, no qual conta a história da bossa nova, Ruy Castro é uma dos principais vozes a resgatar o passado cultural brasileiro. Numa entrevista, concedida por e-mail, o autor fala sobre seu novo livro, A Noite do Meu Bem, que narra a história do gênero samba-canção, e compartilha sua insatisfação com o cenário atual da música do país. Ele cita que a música está reduzida a porcaria do axé, sertanejos e padres cantores.

Confira a entrevista:
*O senhor refuta a hipótese de que o samba-canção seria o bolero brasileiro. Quais foram as principais características e influências do gênero investigado pelo livro?
Não há a menor identidade rítmica entre o bolero e o samba-canção. O samba-canção é o samba. Ah, mas o samba-canção e o bolero falam de amores fracassados. É verdade – mas toda música romântica fala de amores fracassados, inclusive a americana. E há muitos sambas-canção para cima, otimistas – é só ver o repertório do Dick Farney, da Doris Monteiro, da Elizeth Cardoso. Além disso, quando o bolero penetrou no Brasil, no começo dos anos 1940, Ary Barroso e Noel Rosa já tinham criado seus grandes sambas-canção.

*Como o samba-canção foi capaz de desbancar gêneros musicais de fora do país, uma vez que a música francesa e a americana exerciam grande protagonismo nas rádios brasileiras? 
No passado, a música americana já contava com os discos, filmes, revistas, jornais e até com os álbuns de figurinhas para se impor em todos os países. E, como em toda parte, a presença dela no Brasil era enorme. Só que, na época, fazíamos música brasileira, e muita gente a preferia à música americana. O samba-canção atendia a todas as solicitações: era melodicamente sofisticado, harmonicamente complexo, ritmicamente delicioso, bom de dançar com rosto colado, e as letras eram bem escritas e diziam coisas. Não havia cantor estrangeiro que vendesse mais que a Angela Maria ou o Nelson Gonçalves. A partir de 1983 é que a música brasileira passou a macaquear a que se fazia em toda parte e, aí, a música americana tomou conta.

*Qual foi a importância de Lupicínio Rodrigues para o samba-canção?
Total. Lupicínio, assim como Custodio Mesquita, Herivelto Martins, José Maria de Abreu e Dorival Caymmi, foi dos primeiros a perceber a riqueza e a potencialidade do samba-canção. Não por acaso produziu a maioria dos seus primeiros clássicos.
 

*Seu livro foi festejado por preencher uma lacuna pouco pesquisada da música brasileira. O senhor arrisca algum motivo para que o samba-canção não seja mais conhecido hoje?
O brasileiro é assim mesmo quando se trata do seu próprio passado. Quando lancei Chega de Saudade, em 1990, ninguém na época queria saber de bossa nova – estava morta e sepultada havia mais de 20 anos. Com o livro, ela foi redescoberta e, à sua maneira, discreta e elegante, está no ar até hoje. Vamos ver se acontece o mesmo com o samba-canção. Não há quem ouça obras-primas como Chuvas de Verão, Risque, Dó-ré-mi, Ouça, Não Tem Solução e todas do Lupicínio sem se arrepiar. O samba-canção está esquecido, mas é formidável, é nosso e cabe a nós ressuscitá-lo.

 *Qual é o legado do samba-canção no atual cenário musical brasileiro?
Cenário atual? Legado? Nenhum. Nem do samba-canção, nem do samba propriamente dito, nem da bossa nova, e nem de qualquer ritmo brasileiro. Fomos reduzidos a porcarias como axé, sertanejos e padres cantores. A boa música brasileira hoje não pode contar com as gravadoras, nem com o rádio, nem com a televisão, nem com as casas de shows e nem com ninguém. Os últimos grandes cantores, se quiserem se apresentar, têm de pagar para cantar. Há muita gente fazendo coisa boa, mas escondido, sem a menor chance de penetrar no mercado.

Fonte: Jornal Zero Hora



Jorge de Altinho: Petrolina, Juazeiro, sertões, brejos e cariri


A gravação do DVD de Flávio Leandro em Petrolina, Pernambuco proporcionou a oportunidade de um grande encontro com o que existe de melhor na Música Universal Brasileira. Encontramos Jorge Assis Assunção, Jorge de Altinho. Compositor de alma cheia e grandeza humana. É de Jorge de Altinho as primeiras composições gravadas pelo Trio Nordestino (Lindu, Cobrinha e Coroné), destaco "Fole de ouro", "Amor demais", "Forró quentão", "Petrolina Juazeiro", Caruaru a Capital do Forró,  "A separação".
 
No início de carreira inspirou-se em Raul Seixas e Jackson do Pandeiro. O seu
primeiro disco LP: "Jorge de Altinho - O príncipe do baião", é hoje considerado pelos pesquisadores e colecionadores uma das raridades no mercado dos especialistas e admiradores da vida e obra de Jorge de Altinho.

Ressalto sempre que Luiz Gonzaga foi pedra angular, referência -mor do forró, mas o Rei do Baião, não trilhava sozinho. Havia por trás de si, uma constelação de compositores, músicos, além de profícuos conhecedores do seu trabalho, amigos talhados de sol, nascidos do barro vermelho, com almas tatuadas por xique-xiques e mandacarus.

Jorge de Altinho é uma dessas estrelas! Tem sua luz! Brilha até hoje inspirado no convívio dos sertões, conhecedor dos segredos e nuances da noite estrelada. Humilde e grande na sabedoria de seguir os ensinamentos e conselhos de Luiz Gonzaga e Dominguinhos.

Uma das mais belas interpretações de Jorge de Altinho é Tamanho de Paixão, onde ouvimos Luiz Gonzaga e Dominguinhos fazendo a sanfona roncar feito trovão em dia de chuva.
No livro Forró de Cabo a Rabo, o jornalista e crítico musical Ricardo Anísio, aponta Jorge de Altinho, como uma das vozes mais bonitas do reduto forrozeiro. Timbre de voz de rara beleza. Compositor de maior sensibilidade, construtor da palavra poética.

E foi usando a construção poética que Jorge ao ser apresentado a Albacelia, Fábia, Keila e Zeneide, amantes da boa música e moradoras da região do cariri nos fez lembrar:
Doido de saudades Cariri
Doce paixão Vejo na saudade
  Tô aqui Meu coração
Cariri  meu Cariri Manda um beijo de recordação
 Eu quero te abraçar nesse meu sonho
Quero te envolver nessa emoção

Quero ver de novo me amor
Teus canaviais e teu luar
Mergulhar na paz do Araripe
E em tuas fontes me banhar
É tanta saudade Cariri

Quero estar pertinho de você
Pra no meu abraço teu sorriso
Nos teus rios meus sonhos correr"

É este  Jorge de Altinho.


Mossoró: Poeta Antonio Francisco e a conscientização de uma Dose de Amor


Conheci o poeta  Antonio Francisco,  nascido em Mossoró, Rio Grande do Norte, através do pesquisador musical Higino Canuto Neto.

Antonio Francisco sabe usar a palavra para dizer com simplicidade as coisas mais difíceis. Antonio Francisco participou do Programa Nas Asas da Asa Branca-Viva Luiz Gonzaga e ali tive observei que estava diante de uma riqueza cultural.


Conversa vai e vem foi revelado que poeta Antonio Francisco nasceu em Mossoró, filho de Francisco Petronilo de Melo e Pedra Teixeira de Melo. Graduado em História pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Poeta, cordelista, xilografo e compositor.

Somente aos 46 anos começou a carreira literária, já que era dedicado ao esporte, fazia muitas viagens de bicicleta pelo Nordeste. Muitos de seus poemas  são alvos de estudos e pesquisas de vários compositores do Rio Grande do Norte e de outros estados brasileiros, interessados na grande musicalidade que possuem. Antonio Francisco é atualmente tema de tese de mestrado e doutorados.

Em 15 de Maio de 2006, tomou posse na Academia Brasileira de Literatura de Cordel, na cadeira de número 15, cujo patrono é o saudoso poeta cearense Patativa do Assaré.

Antonio Francisco teve o livro 'Dez Cordeis num cordel só" indicado para o vestibular da Universidade do Rio Grande do Norte.

Um dos poemas mais comentados é Dose de Amor, que possui o tema da conscientização pela ecologia. Antonio Francisco é o  autor dos poemas, “Meu Sonho”, “O Guarda-Chuva de Prata”, “Os Sete Constituintes” ou “Os Animais têm Razão”,  “A Oitava Maravilha” ou a “Lenda de Cafuné”, “A Cidade dos Cegos” ou “História de Pescador”, “As Seis Moedas de Ouro”, “A Arca de Noé”, “Do Outro Lado do Véu”, “Confusão no Cemitério”, “O Ataque de Mossoró ao Bando de Lampião”, “A Lenda da Ilha Amarela”, “Um Conto bem Contado”, “A Casa que a Fome Mora”, “Um Bairro Chamado Lagoa do Mato”, “O Duelo de Bangala”, “O Feiticeiro do Sal”, “Uma Carrada de Gente”, “No Topo da Vaidade”, “Uma Carta para a Alma de Pero Vaz de Caminha”, “Uma Esmola de Sombra”, “O Rio de Mossoró e as Lágrimas que eu Derramei”, “O Lado Bom da Preguiça”, “A Resposta” e “De Calça Curta e Chinela”, editadas em folhetos ou em seus livros “Dez Cordéis num Cordel Só”, “Por Motivo de Versos” e “Veredas de Sombras”, editados pela Queima Bucha.

É Antonio Francisco  um caboclo com o sentimento universal de sabedoria. Tenho dito!!!


Iguatu, Ceará: Humberto Teixeira, O doutor do Baião completaria 101 anos



Humberto Teixeira nasceu em Iguatu no Ceará, no dia 5 de janeiro de 1915 e morreu no Rio de Janeiro, em 3 de outubro de 1979.

Nas fotos o registro da visita da única filha do poeta compositor Humberto Teixeira, a atriz e cineasta Denise Dummont que participou ativamente das comemorações centenário do pai considerado o Doutor do Baião.

Humberto Teixeira foi responsável pelo enriquecimento do acervo da Música Popular Brasileira (MPB), com a composição de
clássicos com “Asa Branca”, “No meu pé de serra”, “Baião”,Juazeiro’, “Kalu”, “Assum Preto”, “Eu vou pro Ceará”, “Légua tirana”, e “Respeita Januário”, imortalizada nas vozes de grandes nomes da música brasileira, como Luiz Gonzaga, o rei do baião, que permanece no imaginário de várias gerações de brasileiros.

 Eleito deputado federal em 1950, Humberto Teixeira destacou-se por sua luta pelos direitos autorais e aprovou em 1958, a chamada Lei Humberto Teixeira, na qual permitiu a realização de caravanas, contribuindo assim com a divulgação da música popular brasileira no exterior.




← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial