O sol ainda não tinha raiado nesta quinta-feira (21) quando a Philarmônica 21 de Setembro saiu pelas ruas da cidade anunciando os 122 anos de Petrolina. Seguindo a tradição, a alvorada realizada pela orquestra partiu às 5h30, da Praça 21 de Setembro rumo às principais ruas do centro histórico de Petrolina.

Durante cortejo pela Petrolina Antiga, alguns moradores abriram suas janelas dando as boas vindas e reverenciando a banda que trazia a representatividade da data festiva. O coro que ecoava pelas ruas da cidade também foi acompanhado por dezenas de petrolinenses que acordaram cedo e não perderam tempo para iniciar as comemorações do aniversário de Petrolina.

O secretário executivo, Cássio Lucena, a secretária de Cultura, Turismo e Esportes, Maria Elena de Alencar, acompanharam todo o trajeto. "A cultura e a história se constroem juntas e este é um momento ímpar, a música, a alegria e o amor das pessoas pela nossa cidade estão sendo contados aqui através dos clarins e dos tambores. Assistimos aqui a tradição em um momento em que os petrolinenses rezam pela prosperidade da nossa Petrolina", disse Maria Elena.  

A alvorada também fez uma parada na residência do maestro, Fernando Rego, que recebeu os músicos com emoção.

Além do aniversário da cidade, a Orquestra Philarmônica 21 de Setembro tem um motivo a mais para festejar: este ano, a banda tradicional de Petrolina completa 107 anos de existência. Em nova fase, uma das mais antigas expressões musicais de Petrolina, ganha evidência com seu corpo musical - que antes era composto por 14 músicos - e recentemente ampliou para 60 o número integrantes entre técnicos e músicos.

A data traz orgulho aos integrantes da Philarmônica, como destaca o maestro, Hélio Lima. "Sem dúvida é uma data muito especial tanto para a cidade quanto para nós que fazemos parte da banda. É uma grande emoção participar desta festa e alegrar as pessoas numa data tão especial porque a Philarmônica tem uma grande significação para a história de Petrolina, então é uma honra estar à frente de uma orquestra desta com músicos que também trazem a alegria de fazer parte desta história", revelou o maestro.

Fundada em 1910 por Juvêncio Rodrigues Coelho, a Philarmônica 21 de Setembro desde 1988 é Patrimônio Municipal da Cultura.


Poeta Zé Marcolino 30 anos de uma saudade imprudente e de um forró numa sala de reboco

Pela sua importância na história da música brasileira, o Poeta Zé Marcolino, merecia mais de atenção das entidades culturais. Detalhe: os responsáveis pelo setor cultural de Juazeiro e Petrolina esqueceram nos últimos 30 anos desde que Zé Marcolino morreu de lembrar os frutos produzidos pelo compositor. Zé Marcolino morou nos anos 70 em Juazeiro, onde foi comerciante. Juazeiro e Petrolina tem uma dívida com a memória de José Marcolino.

No dia 20 de setembro de 1987 a voz de José Marcolino Alves  silenciava por ocasião da morte causada de acidente de carro próximo a São José do Egito, Pernambuco. Em Sumé, na Paraíba, Zé Marcolino nasceu no dia 28 de junho de 1930. Venceu os obstáculos da vida simples e quando teve oportunidade deixou o Rei do Baião...digamos "bestim com tamanha genialidade". 

Pra encurtar a conversa metade do repertório do LP Ô Véio Macho, de 1962, tem Luiz Gonzaga interpretando as composições que José Marcolino lhe mostrou em Sumé: Sertão de aço, Serrote agudo, Pássaro carão, Matuto aperriado, A Dança do Nicodemos e No Piancó. Estes seriam os  forrós de Zé Marcolino gravados  pelo Rei do Baião. Ele interpretaria várias outras, entre as quais as antológicas Numa Sala de reboco e Quero chá.

Zé Marcolino participou da turnê de divulgação do LP Veio Macho, viajando de Sul a Norte do País com Luiz Gonzaga, no entanto, a saudade da família e suas raízes sertanejas foram mais fortes. Depois de um show no Crato, Ceará,  ele tomou um ônibus até Campina Grande e de lá foi para Sumé, de onde fretou um táxi para a Prata, onde morava.

Com o sucesso de suas canções cantadas por vários artistas (Quinteto Violado, Assisão, Genival Lacerda, Ivan Ferraz, Dominguinhos, Fagner, Jorge de Altinho, Elba Ramalho, Mastruz com Leite e tantos outros nomes da música brasileira), é atualmente Zé Marcolino um dos mais talentosos compositores da música brasileira de todos os tempos.

Somente em 1983, produzido pelos integrantes do Quinteto Violado, Zé Marcolino lançou seu primeiro e único, hoje fora de catálogo, LP Sala de Reboco (pela Chantecler). Um disco que está merecendo uma reedição em CD, assim como também seu único livro, necessita uma reedição. No citado disco Véio Macho, com seis músicas de Marcolino, ele toca gongue. No LP A Triste Partida, Luiz Gonzaga gravou Cacimba Nova, Maribondo, Numa Sala de Reboco e Cantiga de Vem-vem.

Zé Marcolino morou em Juazeiro da Bahia e ficou até 1976, quando foi para Serra Talhada, Pernambuco. Inteligente, bem-humorado, observador,  Zé Marcolino tinha os versos nas veias como a caatinga do Sertão. Zé Marcolino casou com Maria do Carmo Alves no dia 30 de janeiro de 1951 com quem teve os filhos Maria de Fátima, José Anastácio, Maria Lúcia, José Ubirajara, José Walter, José Paulo e José Itagiba. Zé Paulo reside atualmente em Petrolina.

Redação blog/Ney Vital


Agricultura Familiar e hortas comunitárias ajudam pacientes com câncer

Em tempos de visualizar tablets, smartphones, inversão de valores morais, alimentos industrializados como enlatados e embutidos e as frutas, verduras e legumes contaminados por agrotóxicos, uma cena chama a atenção: em meio aos prédios o agricultor Reginaldo Andrade Coelho cuida do cultivo da terra na Horta Comunitária Sol Nascente, localizada no terreno da Escola Otacilio Nunes, em Petrlina, bairro Areia Branca.

Detalhe: todos os produtos são orgânicos. Segundo Regivaldo em entrevista ao blog Geraldo José, o projeto existe há mais de 30 anos a partir da percepção de que na região a agricultura tradicional foi perdendo destaque quando os empreendimentos imobiliários e hoteleiros começaram a expansão. Há 20 anos Reginaldo trabalha na horta que é assistida por cerca de 8 famílias. "Nossa maior alegria é que as frutas e legumes produzidos aqui ajudam muitos pacientes com câncer que precisam de adquirir um equilíbrio nutricional ainda mais vulnerável", afirma Reginaldo.


Chacrinha: Eu vim pra confundir e não para explicar

No mês em que José Abelardo Barbosa de Medeiros, o Chacrinha, completaria cem anos, estão programadas diversas homenagens a um dos maiores comunicadores que o Brasil já teve. Chacrinha começou sua vida artística como locutor da Rádio Tupi, em 1940, no Rio de Janeiro. Sua estreia na televisão ocorreu em 1956, na TV Tupi, como xerife do programa Rancho Alegre, uma paródia dos filmes de faroeste. 

Entre as décadas de 1960 e 1970, Chacrinha levou sua Discoteca para diversas emissoras de televisão - TV Excelsior, TV Rio, TV Tupi e TV Bandeirantes, alcançando altos índices de audiência. Em 1982, o "Velho Guerreiro" retornou à TV Globo, onde permaneceria com o seu maior sucesso – o Cassino do Chacrinha - alegrando as tardes de sábado, de 1982 a 1988.

José Abelardo Barbosa Medeiros era extravagante e excêntrico. Vestia-se com muitas purpurinas e alegorias exageradas. Usava acessórios chamativos e dizia bordões que ficaram conhecidos, perpetuando-se no tempo. Entre os mais famosos, estão "Alô, Terezinha!", "Quem não se comunica, se trumbica", "Na TV nada se cria, tudo se copia", "Eu vim pra confundir e não pra explicar".

Os programas de auditório televisivos de Chacrinha eram um misto de concurso de calouros, apresentação de artistas da música e até distribuição de alimentos à plateia, como bacalhaus, pepinos, abacaxis e farinhas. Sempre rodeados de belas dançarinas – as Chacretes -, e de seu fiel escudeiro, o assistente de palco Russo, o humorista recebeu grandes nomes da música brasileira como Roberto Carlos, Perla, Raul Seixas, entre outros.

Sua irreverência e humor apurados foram, por vezes, confundidos com anarquismo, na época da ditadura militar.

Foi casado por 41 anos com Florinda Barbosa, com quem teve três filhos. Em junho de 1988, o Velho Guerreiro faleceu vítima de câncer de pulmão, após complicações cardiorrespiratórias. 


Luiz Rosa e a sanfona que toca a alma da gente

‘’Sanfona Brasileira toca a alma da gente’’. A frase de Dominguinhos, um sanfoneiro que deixou saudades nos meios musicais, principalmente do caboclo do sertão, permanecerá viva na mente de todos por muito tempo. É o que promete o aposentado Luiz Rosa, sanfoneiro e proprietário da Casa dos Artistas em Petrolina.

Luiz Rosa nasceu em Floresta, Pernabuco. Apaixonado pela origem de agricultor e pela região sempre ouviou a voz e os baiões de Luiz Gonzaga. Despertou que tinha vocação para ser tocador de sanfona. "Fiquei aposentado e resolvi aos 60 anos aprender tocar sanfona. Hoje já faço forró é so chamar", diz Luiz Rosa.

o detalhe é Luiz Rosa se tornou professor de aula de sanfona. Na casa dos artista o aprendiz não paga."O objetivo é manter principalmente para os mais jovens a tradição de tocar sanfona e valorizar Luiz Gonzaga", ressalta Luiz Rosa.

Na casa dos artista já existe mais de 70 sanfonas. "Temos até uma sanfona de 8 baixos, a origem de todo forró brasileiro, a famosa sanfona pé de bode", conclui Luiz Rosa. Nas gravações realizadas em Exu, durante os festejos dos 70 anos da música Asa Branca, Luiz Rosa foi um dos sanfoneiros em destaque do documentário.

Os interessados podem se inscrever e agendar as aulas na Casa dos Artistas, das 7h30 às 14h e das 14h às 16h30, que fica na Rua Engenheiro Valmir Bezerra, 825  no Centro de Petrolina. Para participar é preciso ter ou alugar o instrumento. Outras informações podem ser obtidas pelo telefone (87)996085740


15 Setembro: em Juazeiro do Padim Ciço é Dia da Padroeira Nossa Senhora das Dores

A jornalista Camila Holanda escreveu que nas entranhas do Cariri do Ceará foi emergido uma versatilidade de ícones que, entrelaçados povoam o imaginário cultural que habita a região.

Nesta sexta-feira 15 setembro, em Juazeiro do Padim Ciço, é dia da Padroeira Nossa Senhora das Dores. A cidade de Juazeiro do Norte Ceará celebra A romaria de Nossa Senhora das Dores.

Nas terras do Ceará ouvi uma das mais belas histórias. Resumo: o teatrólogo, pesquisador cultural Oswaldo Barroso, ressalta um dos mais valiosos símbolos, a vigorosa força mítica e religiosa. Oswaldo, cidadão honorário de Juazeiro do Norte, diz que a primeira vez que esteve no Cariri foi nos anos 70 e a experiência fez com que suas crenças e certezas de ateu fossem desconstruídas e reconstruidas com bases nos sentimentos das novas experiências e epifanias vividas.

"Desde o início, não acreditava em nada de Deus. Mas quando fiz a primeira viagem ao Horto do Juazeiro do Norte, foi que eu compreendi o que era Deus. Isso mudou minha vida completamente", revelou Oswaldo.

Um outra narrativa importante encontrei na mitologia dos Indios Kariris. Nela a região é tratada como sagrada, centro do mundo, onde no final dos tempos, vai abrir um portal que ligará o Cariri  para a dimensão do divino.

A estátua do Padre Cícero encontra-se no topo da Colina. Muitos romeiros percorrem a Trilha do Santo Sepulcro. A pé eles percorrem às 14 estações trajeto marcado por frases e conselhos ambientais do Padre Cícero, que já alertava naquela época para os muitos desequilibrios ambientais e impactos da agressão humana na natureza.

Rezemos com Fé! . Os sorrisos são a alegria da alma.



Funcionaríos da Chesf participam de audiência pública em Petrolina contra privatização

O deputado estadual Lucas Ramos (PSB),da Frente Parlamentar em Defesa da Chesf na Assembleia Legislativa de Pernambuco, com a presença do deputado do vizinho estado da Bahia, Zó, vereadores de Sobradinho,  chesfianos e sindicalistas ligados a Sinergia, CUT, Movimentos dos Atingidos pelas Barragens, movimentos sociais, além dos deputados pernambucanos Rodrigo Novaes, Isaltino Nascimento, participram da audiência pública que aconteceu na manhã desta quarta-feira (14) na Câmara de Vereadores de Petrolina.

A audiência foi uma solicitação dos vereadores Cristina Costa e Paulo Valgueiro com o objetivo de discutir os efeitos, caso seja aprovada a privatização da Companhia Hidrolétrica do São Francisco proposta pelo Governo Federal.

O aposentado João Paulo, hoje aposentado, prestou serviço a Chesf por 52 anos, fez uma mostra da "triste idéia de vender as águas do ri São Francisco. "Vender a Chesf é querer vender o rio São Francisco. É querer fazer dinheiro. A hidroeletrica e o rio são irmãos não se separam", disse João Paulo.

O deputado estadual Zó e funcionários da CHESF, revelam que a resistência deve aumentar contra a privatização do setor elétrico. "Isto prejudica os trabalhadores e usuários. A iniciativa privada ao tomar posse da Chesf, colocará regras e obstáculos para o uso das águas do São Francisco, principalmente em período de seca. A preservação do nosso Rio São Francisco será facilmente descartado pela iniciativa privada", alertou o Deputado Zó.



A vida é uma cópia da expressão da alma e a alma percorre caminhos que devem irrigar a Fé

O caminho, a estrada, rodovia que liga Exu-Pernambuco ao Crato-Ceará as paisagens agem e ardem em eco.

Ao caminhar, ao subir a Serra do Araripe, a sensação é de ser criança que não pode enumerar nem definir as belezas do caminho. Sou conduzido por minutos sem exclamações de qualquer natureza, extasiado embora com as magnificências da paisagem.

Na Chácara Frei Damião, um pedaço de Exu, acreditei ver constelações acima: sagitário, o cruzeiro do sul, ursa maior, as três marias ou o cinturão de órion.

Era a primeira vez que estava ali, mas havia a sensação de já ter percorrido aquela estrada, o caminho das almas e sabia detalhe a detalhe, como se já tivesse vivido um longo processo de aperfeiçoamento espiritual.

A sensação era das dúvidas já vividas dos caminhos do coração!

Conheci seu Raimundo de Souza Sobrinho e dona Rosa Joaquina. Ouvi muito e recolhi-me ao silêncio da simpatia e gratidão por aquele encontro. Autêntico aprendizado de uma companhia que só transmitiu riquezas.

Entre os fatos vividos pelo casal consta uma "dança de forró ao som da sanfona dO 8 Baixos tocado pelo pai de Luiz Gonzaga, seu Januário". Seu Januário morreu em 1978. A idade de Rosa e Raimundo revela 170 anos de vida. Numa conversa curta aprendi que a vida é um grande sertão e possui um trajeto antes do mar imenso ser atingido.

Meditei nos problemas dos caminhos humanos e refleti sobre o interesse de seu Raimundo pela música de Luiz Gonzaga.

A vida é uma cópia da expressão da alma e a alma percorre caminhos mais variáveis e etapas diversas. Dessa vez alcancei o ensinamento da espiritualidade. Seu Raimundo e Dona Rosa são operários da Vida...irrigaram minha alma. Irrigaram minha Fé e Força!



Maciel Melo: os riscos da palma da mão e a sina de cantador Aldy Carvalho

São Paulo 10 de setembro de 2017.

Primavera de 1978. A juventude à flor da pele, mil dúvidas na cabeça e uma única certeza: tocar um instrumento. Era apenas um rapaz vindo do interior em busca de alguma coisa que não sabia o que era. As sombras de uma repressão estúpida escondiam as ínfimas réstias de luz que teimavam reluzir nas minúsculas brechas que se abriam, a golpes de resistência, nos auditórios colegiais ou nos escassos salões paroquiais, onde nos reuníamos em grupos de jovens e adolescentes, dialogando entre a rebeldia e a razão, para falarmos de poesia, de sonho, de som, e cantar coisas que causassem algum rebuliço no conformismo daqueles que calavam, por medo ou por alienação. 

Cinco anos depois, eis que chega a Petrolina, cidade à beira do rio São Francisco, um cantador que cantava assim: “Eu vejo a vida pelas léguas que andei, e aquarelas são as estradas que já passei. Comigo carrego o tempo, moinho a girar cata-vento e o destino se põe ao meu olhar. No meu alforje trago as cartas tal qual os riscos da palma da não. Eu conheço os olhos dos tiranos, eu conheço o riso dos profanos, tenho a alma de um cigano e a sina de um cantador...” . 

Não sei porque cargas d’água eu achava que ele havia escrito aquilo para mim, acho que por identificação. Alimentei isso durante trinta e três anos, até que nos reencontramos agora, na imensidão da maior cidade da América Latina, que me inspirou a fazer a canção que fez de mim um esterno Caboclo Sonhador. 

Agora a confirmação veio: a música era de fato pra mim: Aldy Carvalho, esse é o nome do cavaleiro andante que me trouxe em 1984 para um concerto no auditório da Funarte. Aldy, eterno "muso" de Lenir, que por sua vez seria fonte de inspiração para suas cantorias. Um poeta, um cidadão, um amigo, um menestrel de linhas retas e de curvas abissais. Metódico como todo ser que zela pelo verdadeiro sentido da palavra “humano”. 

Lenir preparou uma feijoada para me receber. É meu prato predileto. Se alguém quiser me agradar em uma visita, já sabe: Esse é o “menu”. O sal estava no ponto, a cerveja estupidamente gelada, a paz reluzia na tinta das paredes e Nino, um pássaro da espécie calopsita de origem australiana, alegrava a nossa tarde à beira de um fogão de lenha, em plena terra da garoa.

 São Paulo de Adoniran Barbosa, de Rita Lee e de Arrigo Barnabé. São Paulo de Mário de Andrade, Arnaldo Antunes, Augusto de Campos, Álvares de Azevedo e Renato Teixeira. São Paulo de sonhos concretos, de poemas verticais e de rimas rasantes soltas pelas esquinas que saem do negrume do asfalto, se infiltram pelas pilastras, sobem pelos vergalhões dos edifícios e vão brotar flores nos travesseiros daqueles que ainda sentem algum tipo de arrepiação quando ouvem uma música ou um poema qualquer. 

Hoje, volto à maior metrópole do meu país, depois de ter conquistado o carinho e o respeito do povo de minha terra.  Agora, sim. Pode me chamar de cafona, eu gosto é de sanfona, de poesia e futebol. Viva o Brasil, e não vamos deixar que ele se retalhe em malas e maletas de políticos corruptos, inescrupulosos, sem nenhum compromisso com a nossa pátria. Ainda somos um povo heroico, bravo e retumbante.

Salve, salve, oh meu Brasil de sonho intenso e raios vívidos.


Estudantes e voluntários promovem limpeza do Rio São Francisco

A limpeza das margens do rio São Francisco foi a proposta do movimento promovido pelo Grupo de Jovens da Comunidade Espírita Juazeiro, estudantes da Uneb, Abelha Viva, UPE e diversos moradores que se tornam voluntários em defesa do Rio São Francisco e realizaram na manhã de ontem, domingo (10), "O Faxinão no Rio São Francisco". A concetração foi no bairro do Angari e percorreu toda a orla de Juazeiro.

A reportagem do blog Geraldo José participou do evento e constatou que existe o “Monstro do Lixo” nas margens do Rio São Francisco. Sacos plásticos, latas de refrigerantes, telefones velhos, garrafas, pilhas, restos de cigarros, latas de oleo, copos descartáveis, cascas de coco, papel, papelão, fezes de animais. 

A estudante Juliane Lacerda, uma das coordenadoras do evento, disse que a idéia "é muito mais ideológica, pois pretende conscientizar para a preservanção do Velho Chico e assim adotar um novo olhar para ajudar a recuperar o rio São Francisco".

Os organizadores do evento revelam que o objetivo é chamar a atenção da população e das autoridades para o problema da poluição do Rio São Francisco e alternativas de desenvolvimento para a região.

"Infelizmente assistimos aqui as agressões provocadas pelas ações humanas. A destruição das matas ciliares, uso excessivo de agrotóxicos, pesca desordenada, lançamentos de esgotos e do lixo produzidos são apenas algumas que já se tornaram uma triste realidade que acontece nas margens do Velho Chico”, diz Juliane.



Alvaney Reis Pires: Toyama-Tec distribuidor autorizado de peças e serviços

Agora em novo endereço, Toyamac-Tec, atende na  Avenida Sete de Setembro, 366, possui o comprometimento com clientes, fornecedores, colaboradores, proporcionado  com que a marca TOYAMA seja a líder nos segmentos de mercado em que atua. 

Na região do Vale do São Francisco, o empresário Alvaney Reis Pires diz que a variedade da loja atende aos consumidores, oferecendo aos clientes, produtos qualificados no mercado de trabalho, exemplo da Toyama, Stihl, Yanamar, Agrale, produtos que possuem tecnologia que superam as expectativas, aliados a um excelente custo e benefício.

No Brasil, a TOYAMA está presente desde 1997. "Trabalhamos com as melhores ofertas. Petrolina, Juazeiro e região são referências na área agrícola, cultural e econômica, por isto a Toyama e nossos serviços de atendimento, distribuição, serviços e peças de maior qualidade acompanham este desenvolvimento", disse Alvaney.


IF-Sertão: Experimento mostra na prática efeitos das deficiências nutritivas em cultivos

Como saber o que a ausência de cada nutriente provoca em uma planta? Como identificar pelas características das folhas ou raízes as deficiências do vegetal? Aprender acompanhando na prática. Esse é o principal objetivo da experiência desenvolvida pelo professor doutor Cícero Antônio, junto a uma turma do curso de Agronomia do campus Petrolina Zona Rural do IF-Sertão-PE. 

Para além da teoria, o grupo da disciplina Química e Fertilidade colocou os ensinamentos na prática e desenvolveu um experimento através do cultivo do maracujá, pimentão, coentrão, tomate e couve, no qual é possível observar o que a deficiência de doze diferentes nutrientes provoca em cada vegetal.

“Aqui nós temos um vaso com todos os nutrientes e, sucessivamente, um vaso com menos um nutriente, como nitrogênio, fósforo, potássio, ferro, cálcio, enxofre. A gente observa os efeitos de cada deficiência de cada nutriente e passamos a identificá-los na prática, principalmente os mais essenciais”, explicou o estudante João Batista. 

A turma foi dividida em equipes e cada uma ficou responsável por um cultivo: maracujá, coentrão, pimentão, couve e tomate. Os estudantes atuam desde o início, quando há o transplante das mudas do solo para a hidroponia, sendo assim mais fácil de controlar o balanceamento nutritivo, até o momento de identificação dos sintomas, que incluem a deformação ou coloração diferenciada das folhas, ausência de crescimento ou sustentação, dentre outros.

De acordo com o professor Cícero Antônio, o objetivo desse trabalho é construir no estudante a competência e a habilidade para que ele seja capaz de chegar em uma área e identificar as carências que estejam acontecendo naquele local. 

“É de suma importância para a vida prática, porque quanto mais rápido no campo ele identificar o nutriente que está ausente e limitando a produção, mais rápido ele entra com o controle, com a correção e menor impacto vai ter na queda de produção.O fato dele ter manipulado desde o início, vendo o sintoma, jamais ele vai esquecer”, afirmou. 

Fonte: Ascom-IF-Sertão-Ines Guimaraes


Ademar Freitas: um cidadão apaixonado pela história do Rádio

O mês de setembro é dedicado ao rádio. O rádio foi patenteado pelo cientista e inventor italiano Guglielmo (Guilherme) Marconi, no início do século 20. A primeira transmissão oficial radiofônica no Brasil aconteceu no dia 7 de setembro. Todavia uma linha de pesquisa registra que a pioneira na América Latina é a Rádio Clube de Pernambuco fundada em Recife no dia 7 de abril de 1919.

Apesar de sua reconhecida importância no Brasil, o Rádio tem sido objeto de poucas publicações. Nem mesmo a expansão dos cursos de graduação e a consolidação dos mestrados e doutorados modificaram de forma significativa essa situação.

Na região do Vale do São Francisco, Ademar Mariano de Freitas, nasceu há 74 anos em Casa Nova, Bahia. Mora em Petrolina desde os 10 anos. Desde a infância é apaixonado por Rádio. Éle é merecedor de um capítulo a parte no quesito guardar a história do Rádio e contribuir com o conhecimento das novas gerações.

"Seu Ademar" é de fato um historiador é merecedor de todas atenções e de  uma publicação sobre sua paixão através das ondas hertzianas. Explica-se: Ademar é colecionador de Rádio. São mais de 60 aparelhos e cada um deles recebe depoimentos memorialísticos sobre ano, origem e o nome dos principais programas das emissoras de rádio.

A casa de "Seu Ademar", sem exagero, podemos informar: é um Museu. Um Centro de Cultura e Memória do Rádio...

Os Rádios estão espalhados na casa. Na sala, na cozinha e até no quarto."Já o conheci com Rádio. Casamos e hoje cada filho ganhou um desses rádios bem antigos para perpetuar o amor, a paixão pelo Rádio", revela Maria de Lurdes Lima Freitas, sorriso largo e amigável  ressalta que um dos programas mais apreciados são os da Madrugada da Globo, Rio de Janeiro, e os transmitidos na Rádio Nacional. "Os regionais preferimos os que falam dos baiões de luiz Gonzaga", revela dona Lurdes, ressaltando que são mais de 50 anos casados. "uma sintonia perfeita de felicidade e muita comunicação".

Muito organizado "Seu Ademar" possui até uma oficina para "cuidar", consertar, fazer reparos nos rádios quando necessário. Ele mesmo enfrenta a empreitada. Detalhe: todos os rádios estão funcionando perfeitamente.

Na coleção é possível encontrar Rádios da década de 40 e 50 e lógico os mais modernos, sintonia em FM. "Já adquiro até a aquele que tem pen-drive", diz Ademar. Ainda encontramos os raros ABC A Voz de Ouro, Transglobe-9 faixas, Semp, Caravelle, Motoradio, Philco 8 faixas. Dezenas deles são a valvulas. 

"Seu Ademar" possui pelo Rádio um sentimento de companheiro e amigo. Estabele com os receptores uma oportunidade, vários presentes permanentes de recriar o ambiente mágico, imagético, cumplicidade e também demonstra carinho, fidelidade e agredecimento pelo maior veículo de comunicação do brasil: o Rádio. 


Policia Rodoviária Federal intensifica fiscallização nas Brs

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) iniciou, a Operação Independência, com objetivo de diminuir o número e a letalidade dos acidentes nas rodovias, além de garantir a segurança e a fluidez do tráfego durante o feriado de 7 de Setembro.
 
A operação vai se estender até as 23h59 do próximo domingo (10/9). Nesse período, policiais rodoviários também reforçarão a fiscalização nos trechos que contêm maior índice de crimes e acidentes. 

Neste ano, como se espera um feriado mais movimentado em virtude da proximidade com o fim de semana, foi elaborado um esquema especial que leva em consideração os pontos mais críticos de acidentes graves no ano de 2017 e a existência de alguns eventos simultâneos no interior do estado. De acordo com quadro elaborado pela PRF, as BRs 101, 116, 324 e 110 e 407 nessa ordem, são as rodovias federais no estado onde mais ocorrem acidentes considerados graves, aqueles em que há pelo menos um ferido grave ou um morto.

A região de Feira de Santana, onde acontece até domingo a XLII EXPOFEIRA – Exposição Agropecuária de Feira de Santana, realizada no Parque de Exposições do município, receberá reforço no efetivo, uma vez que o evento se desenvolve às margens da BR 324 e altera significativamente a dinâmica do trânsito na área.

A região de Serrinha, na BR 116, também receberá reforço no policiamento e na fiscalização, por conta da Vaquejada de Serrinha, evento que atrai milhares de participantes e provoca aumento no fluxo tanto na BR 116 quanto nas demais rodovias próximas.

Em Paulo Afonso, também neste final de semana, acontece a Copa Vela, evento que atrai pessoas de outras cidades e até de outros estados para a cidade, causando um crescimento no movimento da BR 110. Haverá direcionamento de efetivo para garantir segurança e fluidez ao moradores e visitantes.

Além dos pontos com eventos simultâneos, haverá atenção especial e reforço nas Delegacias de Senhor do Bonfim, com a presença do Grupo de Motociclistas da Regional (GMR); na Delegacia de Vitória da Conquista e de Eunápolis, pontos que, de acordo com o levantamento de acidentes, precisam de atenção especial. 



Encontro Nacional de Gonzagueanos 2017 acontece em Caruaru dia 11 de novembro

Caruaru, no Agreste Pernambuco, possui o título de Capital do Forró. Caruaru possui o Espaço Cultural Asa Branca do Agreste, considerada a verdadeira Academia Gonzagueana. O espaço foi idealizado pelo diretor, pesquisador e fundador Luiz Ferreira. Neste local todo mês de novembro acontece o grande encontro com os estudiosos e pesquisadores, especialistas da vida e obra de Luiz Gonzaga, os gonzagueanos, como também são conhecidos.

Este ano o evento acontecerá no dia 11 de novembro no Espaço Cultural Asa Branca, localizado no bairro Kennedy. Luiz Ferreira promove o encontro para homenagear compositores, cantores e personagens ligados a vida e obra de Luiz Gonzaga. Todo ano é entregue o troféu ‘Luiz Gonzaga – Orgulho de Caruaru’, criado em 2012.

O Grande Encontro dos Gonzagueanos de Caruaru tem o objetivo de manter viva a memória de Luiz Gonzaga. O grupo de amigos se reúne todos os anos e trocam idéias, experiências e falam sobre a vida e obra do Rei do Baião.

O Encontro dos Gonzagueanos é realizando anualmente desde 2012, sempre na segunda semana de Novembro sendo coordenado pelo diretor do Espaço Cultural e promovida pelo Fã Clube de Gonzagão do Nordeste. Assim como tem o apoio do Lions Vila Kennedy.

Este ano já confirmaram presença representações Gonzagueanas dos 9 estados do Nordeste. são Jornalistas, Escritores, Historiadores e Pesquisadores, palestrando e debatendo temas, logicamente, ligados e relacionados aos livros voltados a Historia da música brasileira a partir de Luiz Gonzaga. 

No dia 11 de Novembro os escolhidos para receber o Troféu Luiz Gonzaga Orgulho de Caruaru são:
01° Cylene Araújo – Cantora, escritora e Apresentadora – Recife/PE
02° Dr. Dorgival Melo – Empresário e Diretor do Lions – Caruaru/PE
03° General Juraszek – Ex-Comandante Militar do Nordeste e residente em Curitiba/PR  
04° Ivan Ferraz – Cantor, Compositor e Apresentador – Recife/PE
05° Jota Sobrinho – Farmacêutico Bioquímico, Cantor, Compositor e Radialista – Feira /BA
06° Juan Marques – Farmacêutico Bioquímico, Historiador e Radialista  – Cedro/CE
07° Juarez Majó – Cantor e Vocalista dos Caçulas do Baião – Tacaratú/PE
08° Maciel Muniz  - Jornalista e escritor – Divinópolis/MG
09° Pedro Sampaio – Poeta e Radialista – Fortaleza/CE
10° Reginaldo Silva – Museólogo – Juazeiro do Norte/CE
11° Romulo Nóbrega – Escritor, Pesquisador e Historiador – Campina Grande/PB
12° Roberto Magalhães – Ex-Governador de Pernambuco – Recife/PE
13° Valmir Silva – Cantor e Compositor – Caruaru/PE

Até o ultimo evento realizado em 2016 foram entregues o troféu a 35 personagens, entre os quais o primeiro a receber em  2012  foi João da Cruz  tocador de 8 baixos com  92 anos, tio do poeta Luiz Ferreira, único tocador deste gênero na família. Entre os primeiros também foi o compositor caruaruense Onildo Almeida, reconhecido aqui como o protagonista nesta referencia Gonzagueana ligada a Historia de caruaru. 



Plano de Energia do Governo Federal prevê instalação de Usina Nuclear nas margens do Rio São Francisco

A visita do presidente Michel Temer a China, pode estar escondendo uma ´"tragédia" que poderá ser a instalação de uma Usina Nuclear nas margens do Rio São Francisco. Proposta que está na contramão do resto do mundo, que repensa os programas nucleares.

Segundo a redação do blog apurou existe o interesse de  Investimento chinês que deverá ser de US$ 20 bilhões e ficará sediado em algum estado nordestino por causa do potencial que a região possui. Uma fonte garantiu que a cidade mais bem cotada para sediar a instalação da Usina Nuclear é Itacuruba, localizado em Pernambuco, nas margens do rio São Francisco.

Segundo especialistas, o municipio de Itacuruga reúne as melhores condições porque conta com solo estável, oferta de água em abundância (usada para resfriar os sistemas de geração) e localiza-se nas proximidades das linhas de transmissão da Chesf.

De acordo com o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China, Charles Tang, o projeto, batizado de China Nuclear, prevê o investimento de US$ 20 bilhões em 12 meses de construção. A China tem investimentos fortes no Brasil e os planos se tornaram ainda mais ampliados desde que o ativos brasileiros ficaram desvalorizados com crise nacional e depreciação do real frente ao dólar.

A redação do blog enviou solicitação ao atual Ministro das Minas e Energia para esclarecer o Plano Nacional de Energia 2030, visto que nele consta a possibilidade de geração de energia de base fonte nuclear e que o governo estuda as possibilidades de novos projetos além da Usina de Angra dos Reis.

A organização não governamental (ONG) ambientalista Greenpeace continua a acreditar que a fonte nuclear para geração de energia elétrica deveria ser descartada dos projetos de matrizes energéticas do Brasil. Os movimentos sociais ligados ao Vale do São Francisco declararam ser contra qualque projeto que ponha em risco a vida humana e o Rio São Francisco.

O Ministério de Minas e Energia possui o Plano Nacional de Energia 2030 (PNE) e nele consta a possibilidade de geração térmica de base de fonte nuclear e que o governo brasileiro continua estudando as possibilidades de novos projetos de geração elétrica com fonte nuclear, além das usinas do sítio de Angra. Porém, não há definição sobre novos sítios, sobre cronogramas de implantação, nem sobre considerações comerciais ou industriais envolvendo tais projetos.



Trio Sinhá Flor moderniza o forró pé-de-serra e homenageiam Luiz Gonzaga

Fui apresentado ao Trio Sinha Flor pelo pesquisador Higino Canuto. Daí em diante foi amor pela música e voz dessas três meninas nascidas em Belo Horizonte, mas que vivem em São Paulo, dão uma visão bem sofisticada ao autêntico forró pé-de-serra. 

As mineiras mesclam o ritmo baião com suavidade e profissionalismo e o melhor sem se afastar das raizes fincadas em Luiz Gonzaga. Não é muito comum vermos bandas femininas de forró, ainda mais que, além de tocar e cantar, ainda compõem suas letras. 

O Trio Sinhá Flor, formado por Carol Bahiense (triângulo, sanfona e voz), Cimara Fróis (sanfona e voz) e Talita del Collado (zabumba, violão, flautas, percussão e voz), residentes em São Paulo, levam a rica e tradicional cultura nordestina aos setes cantos do país, propondo uma nova formação do gênero, mostrando que zabumba, sanfona e triângulo também são instrumentos para as mulheres.

Além do forró, o trio mescla outros estilos e arranjos a suas composições, dando uma cara própria ao grupo, em um repertório que vai de Luiz Gonzaga à MPB moderna, além de buscar inspiração em grupos vocais e expoentes de outros gêneros, como Quatro Ases e Um Coringa, Demônios da Garoa, Trio Esperança e Quarteto em Cy, apresentando um forró com uma roupagem mais contemporânea, flertando com o jazz até.

As artistas têm uma performance única e peculiar no palco, nascida das experiências e conhecimentos pessoais de cada integrante, contribuindo para que cada apresentação seja única e especial, não apenas para dançar, mas também ao assistir.

As meninas têm três projetos realizados: “Uma Homenagem ao Rei do Baião”, “Histórias Cantadas do Sertão Brasileiro” e “Forró Floreado”, todos enfatizando a cultura brasileira.

Fonte: Patrícia Visconti, de O Barquinho Cultural



Presidente da ONG Asa Branca e Conselheiro Cultural solicitam apoio do senador Humberto Costa para revitalizar Museu Luiz Gonzaga

O jornalista Ney Vital, membro do Conselho de Cultura do Parque Aza Branca (Museu Luiz Gonzaga-Exu-Pernambuco), esteve reunido em Petrolina com o senador Humberto Costa (PT) e a vereadora Cristina Costa (PT). Na oportunidade foi solicitado o empenho do senador para destinar uma Emenda para contribuir com a revitalização do Parque Aza Branca e comemoração do Dia Nacional do Sanfoneiro, data festejada no dia 13 de dezembro dia do aniversário de Luiz Gonzaga.

De acordo com Ney Vital, o prazo para apresentação de emendas ao orçamento de é uma opção viável neste momento. "A visita do ex-presidente a Exu, me fez em nome das centenas de associações e grupos de gonzagueanos espalhados pelo Nordeste dialogar e propor ao senador que através da ONG Asa Branca apresente um projeto cultural que poderá ser desenvolvido no Parque Asa Branca que necessita de uma revitalização. Os recursos das emendas ajudariam a reforçar também a implantação e modernização dos equipamentos culturais do Museu.

Ney Vital explica que Exu é proprietário do maior acervo simbólico da vida e da obra de Luiz Gonzaga e o Parque enfrenta uma situação de penúria para manter acesa a memória do músico. Com dificuldades para arcar com as despesas e sem manutenção, o espaço, construído pelo próprio Luiz Gonzaga na terra natal, corre o risco de fechar as portas. .

O presidente da ONG Parque Aza Branca, que desde 2000 administra o equipamento cultural, Junior Parente, disse que toda contribuição é bem vinda. "As únicas fontes de renda do museu, atualmente, são as vendas de ingressos e a comercialização de lembranças aos visitantes.

Uma das principais preocupações do presidente da ONG é a manutenção da estrutura física do parque, que conta com 3,7 hectares e abriga, além do museu dedicado à obra de Luiz Gonzaga, a casa que o músico construiu e morou em seus últimos anos e o mausoléu onde estão depositados os restos mortais dele e da família.

Desde 2009 que o Parque Aza Branca foi tombado como Patrimônio Histórico e Cultural de Pernambuco pela Fundarpe. A última reforma geral ocorreu no final de 2013, custeada pelo governo estadual.


Lula visita em Exu, Museu Luiz Gonzaga e escuta os baiões de Joquinha Gonzaga e Flávio Leandro

Durante sua passagem pela terra do rei do Baião, Luiz Gonzaga, em Exu, no Sertão de Pernambo, ontem à tarde, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva,  conheceu o Parque Asa Branca-Museu Luiz Gonzaga. Usando um chapéu de couro e uma camisa com a imagem do músico, o líder petista exaltou a figura de Luiz Gonzaga durante a visita. O cantor e compositor Flávio Leandro foi um dos presentes ao encontro com Lula, juntamento com Joquinha Gonzaga.


O presidente da ONG Asa Branca, Junior Parente apresentou o parque a comitiva. A Lula comentou a lei que instituiu o Dia Nacional do Forró sancionada em 2005, durante seu mandato, a partir de um projeto de lei de 2001 da deputada federal Luiza Erundina. Lula foi recebido pelo sobrinho de Luiz Gonzaga, o sanfoneiro Joquinha Gonzaga. Lula ainda destacou que seu Ministro da Cultura na época foi o cantor Gilberto Gil, que lhe confidenciava todo o respeito que tinha pela história de Luiz Gonzaga.

Para Lula, o sertão cantado por Luiz Gonzaga foi a mensagem maior que ele teve na vida e quando presidente buscou garantir para ao Nordeste estradas, o abastecimento de água por meio do Rio São Francisco ser mais eficiente e as pequenas cidades do sertão melhor preparadas para lidar com a seca. "É nesse cenário e por meio do povo nordestino que a música de Luiz Gonzaga ressoa para o mundo".


"Venho fazendo há algum tempo esse caminho do sertão. Percorri várias cidades semelhantes a Exu. Aqui no Museu Luiz Gonzaga eu pude renovar a certeza que a obra de Gonzaga continua refletindo esse espírito do Nordeste, do sertão. Ele criou essa prosa do nordestino", finalizou Lula.


Redação Blog com Foto: Diário de Pernambuco


Cantor Genival Lacerda ganha título de Patrimônio Cultural da Paraíba

A Assembleia Legislativa aprovou por unanimidade, nesta terça-feira (29), o projeto que tornou o cantor e compositor Genival Lacerda Patrimônio Cultural da Paraíba. A proposta foi apresentada pela deputado estadual licenciado Tovar Correia Lima (PSDB). Foi levada em consideração, para a homenagem, a importância do artista para o Estado. O cantor, hoje com 86 anos, continua fazendo shows pelo Brasil afora. Ele contabiliza 70 discos gravados em 66 anos de carreira.

Para o autor da propositura, Tovar Correia Lima, por onde passa, Genival Lacerda leva o nome do nosso Estado, com todo o seu talento e irreverência. Nada mais justo que darmos uma homenagem em vida a esse grande artista que é um patrimônio do Estado da Paraíba”, afirmou Tovar. Genival Lacerda está com um novo trabalho no qual comemora a vitalidade da  carreira profissional, retratando toda a trajetória de sucessos.

O artista, ao longo da sua carreira, inspirou outros cantores. Nesta semana, a banda Pato Fu disponibilizou uma versão do clássico “Severina Xique-Xique”, de Genival Lacerda. A música estará no álbum “Música de Brinquedo 2” (Deck), que tem seu lançamento previsto para a próxima sexta-feira (1º). O álbum é parte de um projeto lançado pela banda há 7 anos, que se trata de uma releitura de clássicos nacionais e internacionais.


Lucy Alves, uma mulher sanfoneira a serviço da valorização da cultura brasileira

Cantora, compositora, sanfoneira e atriz são muitos os títulos que podem ser dados à paraibana Lucy Alves. Natural de João Pessoa, a artista encantou o Brasil com a participação na segunda temporada do reality show The voice Brasil, em 2013, e depois com atuação na novela Velho Chico. 

Antes dos holofotes, já cantava há mais de década a força e o sotaque do povo nordestino, valorizando ritmos tradicionais como o baião, xaxado e o coco e mesclando com referências globais do pop e reggae. Recentemente participou da websérie Orquestra Sanfônica de Exu, projeto que homenageou o ícone maior Luiz Gonzaga na terra natal, ela reverencia os mestres e abre novas possibilidades para a sanfona na música brasileira. 

Na varanda da casa que pertenceu ao Rei do Baião, em Exu, Lucy recorda a presença de Gonzaga em sua memória afetiva: “Por causa da minha família, que foi muito responsável pelo meu gosto musical, comecei a escutar Luiz Gonzaga desde nova”. O interesse pela sanfona surgiu com a formação do grupo familiar Clã Brasil, no início dos anos 2000. Na formação, as irmãs Lucyane, Laryssa, Lizete e a mãe Maria José, além do pai, José Hilton, e dois amigos. “Aí, pensei ‘ah, então vou aprender sanfona’. Peguei o instrumento do meu tio emprestado e me apaixonei”. Com o grupo, gravou seis discos e dois DVDs, entre 2002 e 2015.

Surgiram as primeiras viagens e a oportunidade de conhecer os mestres da música. “Tive a oportunidade de conviver com Dominguinhos, Sivuca e Marinês. Ela fez parte da trupe, da dinastia do forró junto com Luiz Gonzaga”, comenta, sobre uma das principais referências musicais, com quem gravou um DVD (Clã Brasil ao vivo, de 2006). Entre mestres com quem conviveu, estão Pinto do Acordeon, Oswaldinho do Acordeon, Quinteto Violado, Marcos César e Alceu Valença - fez turnê nacional com ele no projeto Pixinguinha e se apresentou no Festival Internacional da Sanfona. 

Uma das poucas sanfoneiras nos palcos, ela tem esperança de ver o instrumento popularizado no futuro. “Ainda bem que esse número de mulheres vem crescendo. A sanfona já não é fácil para um homem em tudo: carregar, para manusear... É um instrumento pesado. Às vezes eu acho que isso assusta, mas a gente gosta, né?”. Ela acredita que, para a mulher, empunhar a sanfona no peito é mais do que simplesmente amor pela música. É um ato representativo: “Eu adoro tocar sanfona e a gente vem quebrando essa história. Acredito na mulher instrumentista, a mulher enquanto artista na sociedade e a sanfoneira”.

Fonte: Diário de Pernambuco-Alef Pontes


Poeta Antonio Francisco poeta cidadão do mundo sabe usar a palavra para dizer com simplicidade as coisas mais difíceis


Conheci o poeta  Antonio Francisco,  nascido em Mossoró, Rio Grande do Norte, através do pesquisador musical Higino Canuto Neto. Merecidamente no início desta semana, Antônio Francisco foi o destaque em programa da rede Globo de Televisão.

O diretor da editora Queima Bucha, Gustavo Luz comenta que o poeta Antonio Francisco é um caso raro!



Antonio é simples, sempre de bom humor com a vida. Nos dias atuais, onde a ganancia humana não tem limite é uma Riqueza saber da existência de Antonio
Francisco. "Seu coração é de uma pureza rara, de uma bondade tão grande que é um pregador da Paz". 

Antonio Francisco é cidadão do mundo apaixonado pelas coisas simples e riqueza cultural presente em cada assunto que transoforma em poesia.  Há dois anos esteve em Juazeiro, Bahia, onde participou do Encontro Nacional de Agroecologia.

O poeta Antonio Francisco nasceu em Mossoró, filho de Francisco Petronilo de Melo e Pedra Teixeira de Melo. Graduado em História pela Universidade do Estado do
Rio Grande do Norte (UERN). Poeta popular, cordelista, xilógrafo e compositor.

Aos 46 anos começou a carreira literária, já que era dedicado ao esporte, fazia muitas viagens de bicicleta pelo Nordeste. Muitos de seus poemas  são referências de estudos e pesquisas de vários compositores do Rio Grande do Norte e de outros estados brasileiros, interessados na grande musicalidade que possuem. Antonio Francisco é atualmente tema de tese de mestrado e doutorados.

Em 15 de Maio de 2006, tomou posse na Academia Brasileira de Literatura de Cordel, na cadeira de número 15, cujo patrono é o saudoso poeta cearense Patativa do Assaré. Antonio Francisco sabe usar a palavra para dizer com simplicidade as coisas mais difíceis.

Antonio Francisco teve o livro 'Dez Cordeis num cordel só" indicado para o vestibular da Universidade do Rio Grande do Norte.

Um dos poemas mais comentados é Dose de Amor, que possui o tema da conscientização pela ecologia.




Ouvintes de rádio em sintonia AM lamentam migração para a adaptação para FM

Desde fevereiro, as primeiras emissoras de rádio AM começaram a migrar para a frequência modulada, ou FM. Representantes do Ministério das Comunicações e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), entre outros, explicam que o processo de migração das rádios AM para FM ocorrerá em dois lotes e vai provocar a necessidade de adaptação também por parte dos ouvintes dessas rádios.

A extinção do serviço de radiodifusão local por onda média, onde estão as emissoras AM, foi determinada pelo Decreto 8.139/2013. O espectro de onda média regional e nacional continuará existindo, mas às emissoras locais foi dada a opção de migrar para a faixa FM. 

Isso vai gerar a necessidade de que os ouvintes comprem um novo aparelho de rádio. Questionado pelos conselheiros, o conselheiro da Anatel, Rodrigo Zerbone Loureiro, explicou que a essas emissoras será dado um prazo de cinco anos durante o qual elas poderão transmitir seu conteúdo tanto na faixa AM quanto na de FM.

Loureiro explicou que a readequação dessas emissoras no espectro foi feita pela Anatel e que, das 1.781 emissoras locais que atuam na faixa AM, 1.300 pediram a migração para a FM. Ele explicou que 730 canais nas ondas FM já apresentam disponibilidade total para a imediata prestação de serviço.

O presidente executivo da Abert, Luís Roberto Antonik, explicou que, embora as ondas AM apresentem um grande alcance, possuem uma frequência muito baixa, o que as sujeita mais à interferência causada pelos equipamentos eletrônicos do mundo moderno. Além disso, a antena da rádio AM não consegue estar presente nos telefones móveis, por ser uma antena mais robusta. Ele ressaltou que, atualmente, 10% da audiência do rádio vêm de celulares e dispositivos móveis.

Se a solução parecia ser a digitalização do rádio, na prática os testes mostraram que isso ainda não é possível no mundo, devido ao alto custo. Por isso, a solução encontrada foi a de as emissoras AM migrarem para FM. No entanto, conforme explicou o secretário do Ministério das Comunicações, essa migração não impede uma futura digitalização do rádio.

Antonik afirmou que, segundo pesquisa da Abert, das 4.600 emissoras comerciais, 4.200 têm página na internet, mas apenas 1.400 emissoras possuem aplicativos nos dispositivos móveis.



Encontro de Gonzagueanos de Caruaru acontecerá no dia 11 de novembro

Caruaru, no Agreste Pernambuco, possui o título de Capital do Forró. Caruaru possui o Espaço Cultural Asa Branca do Agreste, considerada a verdadeira Academia Gonzagueana. O espaço foi idealizado pelo diretor, pesquisador e fundador Luiz Ferreira. Neste local todo mês de novembro acontece o grande encontro com os estudiosos e pesquisadores, especialistas da vida e obra de Luiz Gonzaga, os gonzagueanos, como também são conhecidos.

Este ano o evento acontecerá no dia 11 de novembro no Espaço Cultural Asa Branca, localizado no bairro Kennedy. Luiz Ferreira promove o encontro para homenagear compositores, cantores e personagens ligados a vida e obra de Luiz Gonzaga. Todo ano é entregue o troféu ‘Luiz Gonzaga – Orgulho de Caruaru’, criado em 2012.

O Grande Encontro dos Gonzagueanos de Caruaru tem o objetivo de manter viva a memória de Luiz Gonzaga. O grupo de amigos se reúne todos os anos e trocam idéias, experiências e falam sobre a vida e obra do Rei do Baião.

O Encontro dos Gonzagueanos é realizando anualmente desde 2012, sempre na segunda semana de Novembro sendo coordenado pelo diretor do Espaço Cultural e promovida pelo Fã Clube de Gonzagão do Nordeste. Assim como tem o apoio do Lions Vila Kennedy.

Este ano já confirmaram presença representações Gonzagueanas dos 9 estados do Nordeste. são Jornalistas, Escritores, Historiadores e Pesquisadores, palestrando e debatendo temas, logicamente, ligados e relacionados aos livros voltados a Historia da música brasileira a partir de Luiz Gonzaga. 

No dia 11 de Novembro os escolhidos para receber o Troféu Luiz Gonzaga Orgulho de Caruaru são:
01° Cylene Araújo – Cantora, escritora e Apresentadora – Recife/PE
02° Dr. Dorgival Melo – Empresário e Diretor do Lions – Caruaru/PE
03° General Juraszek – Ex-Comandante Militar do Nordeste e residente em Curitiba/PR  
04° Ivan Ferraz – Cantor, Compositor e Apresentador – Recife/PE
05° Jota Sobrinho – Farmacêutico Bioquímico, Cantor, Compositor e Radialista – Feira /BA
06° Juan Marques – Farmacêutico Bioquímico, Historiador e Radialista  – Cedro/CE
07° Juarez Majó – Cantor e Vocalista dos Caçulas do Baião – Tacaratú/PE
08° Maciel Muniz  - Jornalista e escritor – Divinópolis/MG
09° Pedro Sampaio – Poeta e Radialista – Fortaleza/CE
10° Reginaldo Silva – Museólogo – Juazeiro do Norte/CE
11° Romulo Nóbrega – Escritor, Pesquisador e Historiador – Campina Grande/PB
12° Roberto Magalhães – Ex-Governador de Pernambuco – Recife/PE
13° Valmir Silva – Cantor e Compositor – Caruaru/PE

Até o ultimo evento realizado em 2016 foram entregues o troféu a 35 personagens, entre os quais o primeiro a receber em  2012  foi João da Cruz  tocador de 8 baixos com  92 anos, tio do poeta Luiz Ferreira, único tocador deste gênero na família. Entre os primeiros também foi o compositor caruaruense Onildo Almeida, reconhecido aqui como o protagonista nesta referencia Gonzagueana ligada a Historia de caruaru. 




Lula visita hoje Museu Luiz Gonzaga Cais do Sertão

Primeiro evento da agenda que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva terá na sua visita ao Estado, que tem início nesta quinta-feira (24) e vai até o próximo sábado (26), a visita ao Cais do Sertão será um reencontro do petista, ao mesmo tempo, com as suas origens nordestinas e com uma de suas obras no Estado. Marcado para começar às 15h, o tour pelo primeiro módulo do deverá durar uma hora e meia.

O museu diz estar tratando esta quinta-feira como outra qualquer, um dia de entrada gratuita. A única mudança na rotina será o controle mais rígido dos visitantes a partir das 14h. No intervalo de uma hora até a chegada de Lula, está mantida a visita de três grupos de estudantes, cujas as escolas já haviam agendado a ida ao equipamento.

A assessoria de Lula, que a princípio havia informado que a comitiva viria em dois micro-ônibus, alterou o número de presentes. Agora serão três ônibus leitos. Ou seja, é possível que o grupo chegue até a 120 pessoas.

O ex-presidente Lula deverá ser ciceroneado pelo coordenador de Projetos da Fundação Gilberto Freyre, gestora do Cais do Sertão, Gilberto Freyre Neto. Depois de passar pelos vários ambientes do museu, o petista deve encerrar o tour na sala de instrumentos, onde espera-se que ele se arrisque em um dos instrumentos disponíveis, como a sanfona, a zabumba ou o triângulo.

O Cais do Sertão foi construído no fim do segundo mandato do ex-presidente Lula. Em abril de 2014, foi inaugurado o primeiro módulo. A segunda etapa do museu ainda não tem previsão de inauguração.


Alvaney Reis Pires: Toyama-Tec distribuidor autorizado de peças e serviços

Agora em novo endereço, Toyamac-Tec, atende na  Avenida Sete de Setembro, 366, possui o comprometimento com clientes, fornecedores, colaboradores, proporcionado  com que a marca TOYAMA seja a líder nos segmentos de mercado em que atua. 

O empresário Alvaney Reis Pires diz que a variedade da loja atende aos consumidores, oferece aos clientes , produtos qualificados no mercado de trabalho, exemplo da Toyama, Stihl, Yanamar, Agrale, produtos que possuem tecnologia que superam as expectativas, aliados a um excelente custo e benefício.

No Brasil, a TOYAMA está presente desde 1997. "Trabalhamos com as melhores ofertas. Petrolina, Juazeiro e região são referências na área agrícola, cultural e econômica, por isto a Toyama e nossos serviços de atendimento, distribuição, serviços e peças de maior qualidade acompanham este desenvolvimento", disse Alvaney.



← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial