Iguatu, Ceará: Janeiro 100 anos do Doutor do Baião, Humberto Teixeira







Pedro Bial e Aderaldo Luciano abrem edição 2015 do Projeto Mar de Culturas

A primeira edição de 2015 do Mar de Culturas  ̶̶  projeto que abre espaço para temas relacionados ao cotidiano do Rio e do Grande Rio  ̶̶  mergulha na literatura com o tema “A poesia popular: verso ou reverso?”. Os convidados Pedro Bial e Aderaldo Luciano discutem o assunto na quinta-feira, dia 15 de janeiro, no Quiosque da Globo, em Copacabana.

Jornalista, apresentador de TV, escritor e cineasta, Pedro Bial vai debater a difusão da poesia e a valorização da literatura popular com o professor,  músico e poeta Aderaldo Luciano, também pesquisador da literatura de cordel e de manifestações poéticas populares do Brasil, e autor do livro “Apontamentos para uma história crítica do Cordel brasileiro”.

 Mar de Culturas
Data: 15 de janeiro (quinta-feira)
Local: Quiosque da Globo – Praia de Copacabana (altura da Rua Miguel Lemos)
Horário: 19h às 20h
Convidados: Pedro Bial e Aderaldo Luciano


As mais duras tiranias e toda forma de fundamentalismo combate primeiramente o humor, a alegria

Fonte: Jornal do Commercio/Facebook Adriano de Leon


Show Humbertos será apresentado em Iguatu, dia 25 de janeiro

No próximo dia 25 de janeiro, a cidade de Iguatu, Ceará, receberá o show musical Humbertos. O espetáculo faz uma homenagem ao compositor cearense Humberto Teixeira, nascido em 5 de janeiro de 1915, considerado  principal compositor de Luiz Gonzaga.

O show Humbertos é apresentado pela Caravana Cearense do Baião. Os músicos levam os encantos e a beleza do baião, ritmo que assumiu caráter de movimento cultural brasileiro e se destacou no mundo inteiro na década de 40. A proposta além de apresentar as canções com arranjos originais o grupo resolveu ousar e reinventar as canções tão famosas no mundo inteiro.

"Algumas canções vêm em ritmos mais contemporâneos é uma forma que buscarmos assimilar as novas gerações que a música se renova e se reinventa, essa circulação por meio do projeto Caravana Cearense do Baião é uma forma de remontar o projeto que o próprio Humberto desenvolveu enquanto Deputado Federal de levar músicos para fora do Brasil", diz Michel Prudêncio idealizador do projeto.

As canções de protesto e de saudade presentes no show são apresentadas em reggae, rock, blues, valsas e xote e baião, a pesquisa do projeto foi feita a partir de documentos iconográficos e áudios presentes no Museu da Imagem e do Som em Iguatu.

O projeto de circulação tem o apoio cultural do Governo do Estado do Ceará por meio do Edital Incentivo as Artes 2014 da Secretaria Estadual da Cultura, com entrada gratuita.

Fonte: Facebook/Michel Prudencio


Diário do Nordeste: Ano 2015 começa com a lembrança dos 100 anos de nascimento de Humberto Teixeira, o doutor do Baião

O ano de 2015 começa com uma lembrança singular para a cultura cearense: esta segunda, 5 de janeiro, é marcada pela recordação dos 100 anos de nascimento do poeta e compositor Humberto Teixeira. Nascido em Iguatu (Centro-Sul do estado), em 1915, o parceiro mais célebre de Luiz Gonzaga viveu 64 anos, falecendo na cidade do Rio de Janeiro no dia 3 de outubro de 1979. Seu corpo está sepultado no cemitério São João Batista, em Botafogo (zona sul carioca).

No passo da trajetória de vida do cearense que também fora advogado e deputado federal, o Diário do Nordeste apurou um olhar local sobre a memória de Humberto. Compositores e pesquisadores abordam a sagacidade intelectual daquele que ficara reconhecido internacionalmente como o "Doutor do Baião". E segundo a cinebiografia "O Homem que engarrafava nuvens" (2009), daquele que em vida fora um "estranho" para a própria filha, Denise Dummont - algo que revela as multifacetas de seu centenário.

Humberto Cavalcanti de Albuquerque Teixeira foi filho de João Euclides Teixeira e Lucíola Cavalcanti de Albuquerque Teixeira. Começou, cedo, a se interessar por música. "Eu toco um pianozinho pra mim, mas num me aventuro a mostrar nem nada, mas minha vontade de início em música era ter estudado piano. Depois da flauta eu estudei também bandolim. É um instrumento que cheguei a tocar lá em Iguatu", disse o próprio, em depoimento ao memorialista Nirez, quase dois anos antes de falecer.

Na década de 30, migrou para o Rio de Janeiro a fim de estudar Medicina e se profissionalizar na composição, mas acabou formando-se como advogado. Sua atuação jurídica estendeu-se à política, tornando-se deputado federal e defendendo a causa dos direitos autorais. Além de deputado, Humberto foi diretor da União Brasileira de Compositores (UBC).

 Em 1945, conheceu Luiz Gonzaga, procurado pelo sanfoneiro - que andava atrás de um parceiro hábil na composição das letras. A parceria despontou: a partir daí, o baião fez sucesso sintetizando vários ritmos regionais, através de canções como "Baião", "Asa Branca", "Juazeiro", "Assum Preto", "Que Nem Jiló" e "No meu pé-de-serra". Com Lauro Maia, de quem também foi cunhado, compôs "Deus me perdoe".

E ainda fez, sozinho, músicas como "Kalu" e a "Sinfonia do Café". "Pra mim, ele tornou natural se falar do universo nordestino com uma poesia tão elevada. Falava de objetos simples, mas de uma maneira muito sofisticada", resume o poeta e arquiteto Fausto Nilo que, a exemplo de Humberto, fez carreira musical tomando a responsabilidade de compor para parceiros instrumentistas. Para Fausto, a história do Doutor do Baião precisa ser explorada para além "do viés de Luiz Gonzaga". "Ele não era como eu, só letrista. Ele era letrista e músico, tocava piano. Aqui em Fortaleza ele tocou em banda de cinema. No Rio, ele já tinha várias músicas gravadas antes de conhecer Gonzaga", pontua.

Também adepto do viés "humbertiano", o produtor Calé Alencar conta mais da faceta musical do iguatuense. Em 2004, Calé fez um samba-enredo para o bloco Fuxico do Mexe-mexe, do Carnaval de Fortaleza, com o nome "Humberto Teixeira: o Doutor do Baião".

"Ele tocou como músico, de forma muito íntima. Não se projetou profissionalmente, mas usava todo esse cabedal pra compor. Pra você ter ideia, ele teve um desafio sobre o tema do café, e fez uma música super elaborada (Sinfonia do Café), impressionando Eleazar de Carvalho (também iguatuense), que foi um dos maestros mais brilhantes do mundo", conta.

Calé opina que Humberto Teixeira teria um patamar de relevância para a música mundial. "A visibilidade para Gonzaga foi realmente muito maior. Mas Humberto, como inventor do baião, é um dos maiores compositores do mundo", destaca. A envergadura posiciona Humberto Teixeira em uma situação que vai bem além da fama (atrelada, quase sempre, à figura de Gonzaga).

Parceiro de Cícero Nunes, Lauro Maia, entre outros, o iguatuense também influenciou a "poética" de figurões da MPB. "O Caetano Veloso gravou 'Kalu' no 'Totalmente Demais' (1986), disco que vendeu muito. Vejo muitas coisas na obra do Caetano que são humbertianas. Uma das estrofes de 'Terra' (de Caetano) foi inspirada em 'Paraíba' (de Humberto)", assegura Calé Alencar. Na memória do compositor Fausto Nilo, a atuação de Humberto Teixeira toma uma proporção de modo que o iguatuense chega às lembranças não só pela música.

"Pela década de 50, lá em Quixeramobim, o Humberto apareceu fazendo um pequeno discurso pela campanha dele (a deputado federal). Eles distribuíram um livreto, com as letras de grande parte dos sucessos da parceria com Luiz Gonzaga. Tinha foto dele em Iguatu. E eu nunca o tinha visto pessoalmente. Antes, tinha informação de autores porque na casa de meu avô tinha discos. Só conhecia Humberto Teixeira nesse sentido", revela.

Fonte: Diário do Nordeste/Felipe Gurgel
Especial para o Caderno 3


São José do Egito festeja o centenário do repentista e Poeta Lourival Batista, o Louro do Pajeú

Com o tema “100 anos de poesia. Tudo que reluz é Louro”, a cidade de São José do Egito vivencia a partir desta sexta-feira (2), o centenário de nascimento do repentista e poeta Lourival Batista, o Louro do Pajeú, falecido em 1992. A programação festiva envolve apresentações musicais, exposições, recitais poéticos e várias atividades abertas ao público, até o dia 6 de janeiro.

Na noite de abertura, que começa a partir das 19h, no Palco Zá Marinho, centro da cidade, o público contará com as apresentações dos cantadores Valdir Teles e Diomedes Mariano, além do pré-lançamento do DVD “Canção do Tempo”, do grupo Em Canto e Poesia. Também serão realizados shows instrumentais de Vinícius Sarmento, Nuca Sarmento, Greg Marinho, Miguel Marinho, Fred Didier, Guilherme Eira e Luizinho Sanfoneiro. Finalizando a noite, irão subir ao palco o Sexteto de Três e o Expresso Pau de Arara.

No decorrer da programação, será realizada a Oficina de Pífanos, com os músicos João do Pife e Marcos do Pífano, lançamentos dos livros “São José do Egito ou o Reino dos cantadores, etc, coisa e tal”, de Zé Rabelo; “Pífanos do Agreste”, da Página 21; e “O Sertão onde eu vivi”, de Zelito Nunes. Outra atividade de destaque será a exposição “Pajeú Fotográfico”, contendo fotografias de Abel Taiguara, Diandra Rosenberg, Erlah Moura e Mariana Pinheiro.

No Instituto Lourival Batista, também conhecido por Casa do Repente, entidade responsável pela realização do evento, o músico será homenageado com a exposição “100 Anos de Poesia”, na qual reunirá registros do poeta nascido em Itapetim e que ficou conhecido como um dos mais expressivos nomes do repente brasileiro. O evento conta com a produção da Página 21 e possui patrocínio do Governo de Pernambuco, através da Empetur, Fundarpe, Secretarias de Turismo e de Cultura do Estado.

Confira a programação:

Sexta-feira (2)

Espaço João Macambira

10h às 12h
- Oficina de pífanos, por João do Pife e Marcos do Pífano
14h às 16h
- Atividade infantil – decoração do espaço João Macambira.
16h30 às 17h30
- Show infantil: Cordelândia

Praça Seresteiro João Pequeno

17h30
- Abertura da exposição Pajeú Fotográfico – por Abel Taiguara, Diandra Rosenberg, Erlah Moura e Mariana Pinheiro

Instituto Lourival Batista

19h
- Abertura da exposição: Lourival Batista – 100 Anos de Poesia

Palco Zá Marinho

20h às 2h
- Abertura Oficial
- Cantoria: Valdir Teles e Diomedes Mariano
- Pré-lançamento do DVD Canção do Tempo, do Em Canto e Poesia
- Instrumental : Vinícius Sarmento, Nuca Sarmento, Greg Marinho, Miguel Marinho, Fred Didier, Guilherme Eira e Luizinho Sanfoneiro
- Sexteto de Três
- Expresso Pau de Arara

Sábado (3)

Espaço João Macambira
15h às 17h
- A arte e a educação, por Saulo Gomes ou Haideé Camelo.

Espaço Bodega Job Patriota
18h às 20h30
- Cantoria: Lázaro Pessoa e Arnaldo Pessoa
- Recital: Felipe Júnior e Vinícius Gregório
- Lançamento dos livros: São José do Egito ou o Reino dos cantadores, etc, coisa e tal, de Zé Rabelo e Pífanos do Agreste, da Página 21
- Recital e Canto: Luciana Rabelo

Palco Zá Marinho
21h às 2h
- Tonfil
- João do Pife, Marcos do Pífano e Banda Pifônica de Carnaíba. Regência de Cacá Malaquias
- Maciel Melo e Xangai

Domingo (4)

Espaço João Macambira
15h às 17h – A revelação da oralidade, por Chico Pedrosa, Dedé Monteiro e Antonio Marinho.

Espaço Bodega Job Patriota

- 17h30 às 19h30
- Recital: Nõe de Job
- Lançamento de livro: O Sertão onde eu vivi, de Zelito Nunes
- Cantoria: Mocinha de Passira e Louro Branco em Homenagem a João Furiba
- Mambembe

Matriz de São José

19h30
- Missa do Cantador, celebrada pelo Pe. Luisinho

Palco Zá Marinho

21h às 2h
- Bráulio Tavares
- Bia Marinho
- Vital Farias
- Vates e Violas

Segunda-feira (5)

Espaço João Macambira

15h às 17h – O legado de Louro, por Ésio Rafael, Pedro Américo e Raimundo Branco.

Espaço Bodega Job Patriota

18h às 20h30
- Recital: Graça Nascimento e Cida Pedrosa
- Lançamento dos livros: Linguaraz, Viagem de Joseph Língua e Ficção em Pernambuco, de Pedro Américo
- Vozes e Versos

Palco Zá Marinho

21:30h às 2h
- Recital 8 ou 80: Letícia Moraes e Chico Pedrosa
- Ednardo
- Em Canto e Poesia

Terça-feira (6)

Espaço Bodega Job Patriota

12h
- Confraternização: Baião de Dois

14h às 18h
- Cantorias: Geraldo Amâncio e Moacir Laurentino, Zé Cardoso e Severino Feitosa, Valdir Teles e Diomedes Mariano
- Lançamento do livro: Mosaico de Reflexões, de Gustavo Ferrer
- Mesa de Glosa em homenagem a João Paraibano
- Microfone aberto: espaço livre para criação
- Cordas em Retalhos
- As Severinas

Instituto Lourival Batista

3h30
- Vigília Poética
* Na Rua Domingos Siqueira há um ponto de coleta para doação de alimentos não perecíveis e de material de higiene pessoal para o Lar da Divina Misericórdia (Lar dos Idosos) de São José do Egito.
- See more at: http://www.cultura.pe.gov.br/canal/culturapopular/sao-jo
se-do-egito-festeja-centenario-do-poeta-louro-do-pajeu/#sthash.DbjBqe4q.dpuf


Presidente Dilma diz que lema do Governo é "Brasil Pátria Educadora"

A presidenta Dilma Rousseff disse na cerimônia de posse no Congresso Nacional, que o lema do novo governo será “Brasil: pátria educadora”. Ela caracterizou o lema como simples, direto e que reflete com clareza qual será a prioridade do governo, além de sinalizar o setor para o qual devem convergir os esforços de todas as suas áreas.

“Estamos dizendo que a educação será a prioridade das prioridades, mas também que devemos buscar em todas as ações do governo um sentido formador, uma prática cidadã”, explicou, ao acrescentar que só a educação liberta um povo e abre portas para o futuro.

Dilma defendeu um ensino de qualidade em todos os níveis de formação e para todos os segmentos da sociedade. A presidenta destacou que a expectativa é que, ao longo deste novo mandato, o setor comece a receber volumes mais expressivos de recursos oriundos dos royalties do petróleo e da exploração da camada pré-sal.

“Buscaremos, em parceria com os estados, efetivar mudanças curriculares e aprimorar a formação dos professores” disse, ao avaliar ser esta uma área frágil no sistema educacional brasileiro. A presidenta prometeu dar atenção especial ao Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e ao Programa Jovem Aprendiz. “O Brasil vai continuar como país líder no mundo em políticas sociais transformadoras”.


← Postagens mais recentes Postagens mais antigas → Página inicial