Luiz Gonzaga há 45 anos participava da inauguração do Estádio O Batistão, em Aracaju, Sergipe





Suas canções são patrimônios incontestes. Por seu legado, ele recebeu várias homenagens pelo país: estátuas, bustos, títulos, museu, memorial, parque, ruas, praças e sites. Em Aracaju-Sergipe por exemplo, temos o Gonzagão; um freqüentado espaço cultural da cidade.


O Rei do Baião”, título que conquistou no auge do sucesso, além de ser homenageado por sua obra, também fez homenagens. Assim, personagens, lugares e costumes de Sergipe  estão representados em algumas de suas músicas.


Nas terras sergipenses, Luiz Gonzaga mantinha algumas amizades. Dentre elas, a de Pedro Chaves, ex-prefeito de Propriá. Para seu amigo, ele compôs “Forró de Pedro Chaves” (Luiz Gonzaga, 1967, RCA Victor). 


Cantou também em ritmo de baião “Propriá” (Guio de Morais e Luiz Gonzaga, 1951, RCA Victor). Nesta música, Gonzaga manifesta a intensa saudade e o desejo de retorno à cidade. Lá, conforme a letra, ele deixara tudo de que dependia: a família, o roçado e a amada. Por isso, o baião termina assim: “a minha vida tá todinha em Propriá”.



 Luiz Gonzaga fazia várias apresentações na “Princesa do São Francisco”. Em 1955, quatro anos após gravar “Propriá”, mestre Lua emprestou seu nome a uma praça da cidade. 
 



Malhada fica a 82 Km de Aracaju e se tornara cidade em 1953. Segundo se sabe, Luiz Gonzaga começou a escrever sobre o pequeno povoado ainda na fazenda do já referido amigo Pedro Chaves, na zona rural de Propriá.

Além de Própria e Malhada dos Bois, mais uma cidade sergipana foi evocada pelo sanfoneiro do Araripe. Trata-se de Canindé de São Francisco. A música “São Francisco de Canindé” (Julinho e Luiz Bandeira, 1977, RCA) alude à proteção do santo que, enchendo o rio, acaba com a seca no sertão, tema caro na musicografia gonzagueana. 
  
As três cidades sergipanas homenageadas no cancioneiro de Gonzagão ficam na região do Baixo São Francisco. Canindé, no entanto, é a mais distante da capital, a 200 Km, na micro-região do sertão sanfranciscano.
 
 Contudo, a Canindé recitada por Luiz Gonzaga não existe mais. Ela foi inundada em decorrência da construção da Usina Hidrelétrica de Xingó, em fins da década de 1980. Uma nova Canindé foi construída noutra área mais elevada, a quatro quilômetros da sede anterior. Atualmente, o município é um dos atrativos turísticos de Sergipe, justamente por oferecer, entre outras coisas, culinária ribeirinha, banhos e passeios pelos cânions e lago formado pela barragem da usina. 


Além do amigo e cidades sergipanas, Luiz Gonzaga também cantou lugares e monumentos de nosso estado, tais como a praia de Atalaia Velha e o estádio de futebol Batistão.



A praia de Atalaia, um dos nossos pontos turísticos mais importantes, foi homenageada na música “Adeus Iracema” (Zé Dantas e Luiz Gonzaga, 1962, RCA Victor). A toada menciona as principais praias do Nordeste e sobre a nossa diz: “Navega [oh! Jangada]/ No Nordeste pela praia/ (...)/ Quero ver minha Atalaia”. O narrador se identifica com nosso cartão postal, tomando-o para si e demonstrando intensa saudade do paraíso sergipano.


Quanto ao Batistão - Estádio Estadual Governador Lourival Baptista –, principal praça de esportes de Sergipe e a mais moderna do Norte/Nordeste, à época, o sanfoneiro gravou seu hino.


 Na segunda estrofe, o rei do baião entoa: “No gramado do Batistão/ Enquanto o craque chuta a bola/ As crianças dão lição/ Nosso estádio tem escola/ O estádio de Sergipe/ É o mais completo da nação/ Dá ao povo futebol/ E à infância educação”. (Hugo Costa e Luiz Gonzaga, 1969). 


O Batistão possuía dez salas de aula para atender 1.200 (mil e duzentos) alunos em três turnos, ou seja, educação e esporte estavam presentes no mesmo sítio como atividades complementares. Hoje, as salas são ocupadas por sedes de federações de esportes. Inaugurado em 09 de julho1969, um ano antes da conquista do tri-campeonato pelo Brasil da copa mundial de futebol no México, o Batistão é um marco na história do desporto sergipano. A seleção brasileira de futebol, inclusive, participou do jogo inaugural e venceu a seleção sergipana por 8x2. 
  
Na abertura oficial da solenidade, Luiz Gonzaga cantou o hino do estádio, momento inesquecível para quem participou da festa.
 

Fonte: Amâncio Cardoso e Raimundo Melo
Um comentário

← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

  1. Parabéns pelas "evocações das músicas Sergipanas" gravadas pelo Rei do Baião. Três compositores de LG são naturais deste estado nordestino: Amâncio Cardoso, José Roy
    e Paulo Dantas. Deles o Rei do Baião gravou: 1957 - MALHADA DOS BOIS (Luiz Gonzaga - Amâncio Cardoso); 1961 - CAPITÃO JAGUNÇO (Paulo Dantas – Barbosa Lessa);
    1974 – RELÓGIO BAIÃO (Sérgio Falcão - José Roy).

    ResponderExcluir